Três aniversariantes

fev/2019

É hora de ascender as velhinhas e comemorar. Três importantes veículos de comunicação da terra comemoram este ano marcos cronológicos de sua fundação: Correio *, TV Aratu e Tribuna da Bahia.

O Correio* que nasceu Correio da Bahia, em 15/01/1979, já festeja os seus 40 anos, publicou em janeiro um caderno especial com o registro de seus principais destaques, editorias e institucionais, incluindo mais de meia centena de prêmios conquistados. E ao longo do ano promoverá especiais jornalísticos reforçando o conceito de 40, a exemplo do especial 40 anos de Carnaval com exposição de fotos aberta ao público no Salvador Shopping. Um livro contando a história do jornal é um dos projetos em curso.

Celebrar 40 anos parece pouco para um jornal. Parece. Na Bahia dos mais de 5 mil títulos jornalísticos editados desde 1811 quando surgiu o pioneiro, Idade D’Ouro do Brasil, menos de vinte atingiram a marca dos 40. A efemeridade sempre foi a regra. Celebrar os 40 não é para todos.

Também num dia 15 estreou na Bahia a TV Aratu que deveria se chamar TV Independência, ainda bem que não foi, e acabou sendo TV Aratu, conhecida como a emissora do galinho, graças à força conceitual da marca e que estreou em 15/03/1969, por tanto 50 anos transcorridos. Foi vítima da censura logo na estreia quando autoridades do estado e os proprietários da TV discursavam: chegando a vez de Milton Tavares os militares deram um jeito de interromper o sinal por alguns minutos.

Ao longo de sua história a TV retransmitiu várias redes. Começou independente, foi afiliada Globo, Manchete, CNT e SBT desde 1997, até hoje. Passou também por várias composições acionárias, a última data de 1992, quando a família Coelho assumiu o controle da emissora com Silvio Roberto Coelho como diretor presidente. A TV Aratu prepara, dentre outras ações programadas, uma campanha publicitária, a primeira etapa com a estreia do slogan “50 anos de Avenida”, nas transmissões do Carnaval, ela a emissora oficial da festa.

Também comemora meio século de existência a Tribuna da Bahia que estreou em 21 de outubro de 1969, ano emblemático, viu-se desde o início as voltas com a ditadura, vigorava o AI—5, fundada por Elmano Castro e Quintino de Carvalho. A Tribuna foi pioneira na Bahia na impressão em off-set. As agências de publicidade adoraram a novidade que na prática propiciava maior nitidez aos anúncios. Logo foi adquirida pelo empresário Joaci Goes, hoje Presidente da Academia de Letras da Bahia, e mais tarde por Walter Pinheiro.

Um dia a Tribuna convenceu o escritor João Ubaldo Ribeiro a assumir a direção de redação, escreveu magníficos editoriais, esbanjando talento. O peso da ditadura não esmoreceu a atitude corajosa de seus editores. Logo no número de estreia informava em manchete: “Milhares de políticos são agora inelegíveis”. Não foi o único episódio do gênero.

A Tribuna da Bahia prepara um super caderno especial para outubro e outras ações que serão anunciadas durante o ano. É hora de ascender as velhinhas, comemorar e desejar longa vida aos três aniversariantes.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Hora de “chamar a responsabilidade”

Vemos em curso a lógica da campanha transplantada para a lógica do governo. Com seus tweets e declarações, Bolsonaro mantém o país dividido, jogando para a sua torcida.  Como estratégia para salvaguardar acesa a dinâmica da polarização, tem sido bastante eficiente....

ler mais

A campanha da Previdência: o caro e o barato

Propaganda é cara. Todo mundo sabe e quando digo todo mundo me refiro a quem é da área, ou seja, quem conhece a matéria. Propaganda é cara, sempre foi e nunca deixará de ser, pois no seu objetivo final que é massificação, ou público alvo definido, viabiliza dezenas de...

ler mais

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Comemorações Institucionais: 470 anos a serviço do bem

De acordo com dados do Sebrae divulgados no fim do ano passado, o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil é preocupante. A cada quatro abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado. Estes 25% representam não apenas o momento atual,...

ler mais

Janeiro, fevereiro e março

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano...

ler mais

junte-se ao mercado