>

Três aniversariantes

fev/2019

É hora de ascender as velhinhas e comemorar. Três importantes veículos de comunicação da terra comemoram este ano marcos cronológicos de sua fundação: Correio *, TV Aratu e Tribuna da Bahia.

O Correio* que nasceu Correio da Bahia, em 15/01/1979, já festeja os seus 40 anos, publicou em janeiro um caderno especial com o registro de seus principais destaques, editorias e institucionais, incluindo mais de meia centena de prêmios conquistados. E ao longo do ano promoverá especiais jornalísticos reforçando o conceito de 40, a exemplo do especial 40 anos de Carnaval com exposição de fotos aberta ao público no Salvador Shopping. Um livro contando a história do jornal é um dos projetos em curso.

Celebrar 40 anos parece pouco para um jornal. Parece. Na Bahia dos mais de 5 mil títulos jornalísticos editados desde 1811 quando surgiu o pioneiro, Idade D’Ouro do Brasil, menos de vinte atingiram a marca dos 40. A efemeridade sempre foi a regra. Celebrar os 40 não é para todos.

Também num dia 15 estreou na Bahia a TV Aratu que deveria se chamar TV Independência, ainda bem que não foi, e acabou sendo TV Aratu, conhecida como a emissora do galinho, graças à força conceitual da marca e que estreou em 15/03/1969, por tanto 50 anos transcorridos. Foi vítima da censura logo na estreia quando autoridades do estado e os proprietários da TV discursavam: chegando a vez de Milton Tavares os militares deram um jeito de interromper o sinal por alguns minutos.

Ao longo de sua história a TV retransmitiu várias redes. Começou independente, foi afiliada Globo, Manchete, CNT e SBT desde 1997, até hoje. Passou também por várias composições acionárias, a última data de 1992, quando a família Coelho assumiu o controle da emissora com Silvio Roberto Coelho como diretor presidente. A TV Aratu prepara, dentre outras ações programadas, uma campanha publicitária, a primeira etapa com a estreia do slogan “50 anos de Avenida”, nas transmissões do Carnaval, ela a emissora oficial da festa.

Também comemora meio século de existência a Tribuna da Bahia que estreou em 21 de outubro de 1969, ano emblemático, viu-se desde o início as voltas com a ditadura, vigorava o AI—5, fundada por Elmano Castro e Quintino de Carvalho. A Tribuna foi pioneira na Bahia na impressão em off-set. As agências de publicidade adoraram a novidade que na prática propiciava maior nitidez aos anúncios. Logo foi adquirida pelo empresário Joaci Goes, hoje Presidente da Academia de Letras da Bahia, e mais tarde por Walter Pinheiro.

Um dia a Tribuna convenceu o escritor João Ubaldo Ribeiro a assumir a direção de redação, escreveu magníficos editoriais, esbanjando talento. O peso da ditadura não esmoreceu a atitude corajosa de seus editores. Logo no número de estreia informava em manchete: “Milhares de políticos são agora inelegíveis”. Não foi o único episódio do gênero.

A Tribuna da Bahia prepara um super caderno especial para outubro e outras ações que serão anunciadas durante o ano. É hora de ascender as velhinhas, comemorar e desejar longa vida aos três aniversariantes.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Espiritualidade e competição no mundo corporativo

Recentemente, no centro espírita, vivi experiências que me levaram a refletir sobre como nossos espaços vão sendo estabelecidos na dinâmica das relações do mundo corporativo. Aos que não sabem, é práxis, ao fim da doutrinária, a distribuição de copinhos d'água...

ler mais

Comemorações Institucionais: 470 anos a serviço do bem

De acordo com dados do Sebrae divulgados no fim do ano passado, o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil é preocupante. A cada quatro abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado. Estes 25% representam não apenas o momento atual,...

ler mais

Janeiro, fevereiro e março

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano...

ler mais

Brasil 2019: entre Cassandra e Poliana

Pobre Cassandra, ninguém lhe dá ouvidos, ninguém mais acredita em suas profecias, parece que ela só sabe criticar e torcer contra. Por mais que grite e demonstre com firmeza o que está por vir, ninguém aposta uma ficha sequer em  sua clarividência. Ainda que ela...

ler mais

Segredos inspiradores do Natal

Pouca gente escapa da pegada da ansiedade nas festas de final de ano. São muitas as ansiedades nesta época: fechar o semestre, passar direto, fazer balanço e prestar contas, planejamento do ano novo, decidir o destino do 13.o, comprar lembranças baratinhas de amigos...

ler mais

junte-se ao mercado