Um olhar sobre a experiência do paciente

jul/2017

Você chega ao hospital e é recepcionado em um ambiente bem iluminado e limpo, com temperaturas ideais, com cordialidade,  atenção e uma comunicação que valoriza a empatia. Este primeiro momento, que pode parecer simples, já diz muito sobre a experiência do paciente. De acordo com o Beryl Institute, referência nos Estados Unidos sobre o tema, a experiência do paciente é “a soma de todas as interações, moldadas pela cultura da organização, que influenciam a percepção do paciente através da continuidade do cuidado”. De forma simplificada, a experiência do paciente é percebida em todas as interações pelas quais o paciente passa no hospital.

 

Um exemplo bem claro de como essa experiência é aplicada no dia a dia buscando a melhoria da qualidade de vida do paciente, é a padronização das refeições implantadas pela Santa Casa da Bahia no Hospital Santa Izabel. Além do tradicional prato com arroz, feijão, salada e carne servidos no almoço, para as crianças foram acrescentadas ornamentações com desenhos em formatos de casa, peixe, carros e bonecas montados com verduras e legumes, além de frutas cortadas em moldes de lua e estrelas para os lanches da manhã e da tarde.  A iniciativa, simples e de fácil execução, já faz parte do cotidiano da pediatria no hospital e, a cada dia, elas são surpreendidas com uma ornamentação diferente na refeição. O feedback não poderia ser melhor: além de esperar ansiosas pela surpresa do dia, a inovação estimula as crianças a se alimentar.

 

De forma semelhante, várias outras iniciativas no Hospital Santa Izabel visam embasar esse cuidado de forma a proporcionar uma melhor experiência do paciente. Temos, por exemplo, as placas de relato biográfico nos leitos, nas quais o próprio paciente escreve sua experiência de vida, gostos e desejos. Isso aumenta a proximidade entre ele e a equipe que o atende, impactando diretamente no grau de empatia e na experiência.

 

O conceito, relativamente novo na área de saúde no Brasil, já é referência nos Estados Unidos, onde existem entidades que monitoram o grau de experiência dos pacientes, avaliando tanto hospitais quanto os médicos. Isso permite que seja dada transparência ao processo e maior poder de decisão ao cliente na hora de escolher em qual hospital quer ser tratado.

 

No HSI, o projeto “Somos todos Atendimento” tem como objetivo capacitar constantemente os colaboradores, sobretudo com o reforço dos valores, missão e visão da instituição, para difundir cada vez mais a importância da experiência do paciente e da humanização nesta relação. Afinal, o foco é e sempre será o cuidado centrado no paciente.

 

E, apesar deste ser um conceito da área de saúde, é possível aplicá-lo a qualquer prestação de serviço. A experiência do cliente merece ser analisada desde o primeiro momento de contato com sua marca, buscando surpreendê-lo, torna-lo participativo e fidelizá-lo.

 

(Publicado originalmente em 20/06/17 no jornal Correio*)

 

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

Seriam os azulejos portugueses as primeiras mídias do Brasil?

Fico com o coração partido quando vejo a deterioração dos painéis de azulejos do claustro do convento de São Francisco, no centro histórico de Salvador. Quem nunca ouviu falar da igreja de ouro de S. Francisco no Pelourinho? Ela fica entre o convento dos frades...

ler mais

Cinema africano?

De longe, o cenário cultural da Nigéria não sugere uma indústria cinematográfica vigorosa, mas ela existe. Nollywood é a terceira maior do mundo perdendo apenas para Hollywood (EUA) e Bollywood (Índia). Isso em termos de faturamento, pois em termos de títulos, fala-se...

ler mais

O gosto e desgosto da mídia

Enxovalhar a mídia é uma das propostas e atitudes recorrentes dos internautas nas redes sociais, em especial no facebook. Parte-se do princípio de que se eu não gosto disso e não concordo com isso é por que o veículo que informa, ou, emite opinião, através de seus...

ler mais

Tudo na mão e não se enxerga

Qualquer país gostaria de ter a riqueza e a diversidade cultural do Recôncavo, pois isso seria garantia de divisas com turismo.Fico bobo de não enxergarem isso quando são realizadas as principais festas, pois a maioria das vezes a cultura popular local, que é...

ler mais

Antropologia e crise de consumo

Práticas sociais de consumo constituem a nossa humanidade, produzem identidade e reforçam nosso sentimento de pertença. O olhar da Antropologia sobre o consumo se distancia de outras abordagens que lançam juízos de valor e tecem duras críticas ao consumismo, apelando...

ler mais

Pau de Sebo. Fotografe enquanto ainda existe

O pau de sebo que a duras penas ainda sobrevive como tradição nos arraiais e municípios do interior é um elemento estranho nas festas de São João. Não sei dizer em que momento se materializou como um componente do forró, da fogueira, das comidas típicas e dos balões e...

ler mais

junte-se ao mercado