Uma arena cruel

dez/2019

Vemos em todo o mundo “explosões populares” que expressam: “não aguentamos mais”! A verdade é que o povo, de modo geral, está insatisfeito.  Uma das raízes do problema é a concentração de riqueza, acentuada pela revolução da indústria 4.0 e agravada pelo alto índice de desemprego. As desigualdades aumentam, e a polarização cresce por conta disso, também.

No Brasil, temos o agravante de uma política oligárquica que perpetuou as desigualdades, ao priorizar políticas excludentes, repressivas e assistencialistas. A política neoliberal, mais recentemente, foi eficiente no combate à crise fiscal e, consequentemente, da inflação, mas do ponto de vista social acentuou o quadro de desequilíbrio social, precarização da força de trabalho, violência urbana, em paralelo, a um sistema de proteção social ineficaz.

Somente uma política pode unificar aquilo que está atomizado – afirma o cientista político Luiz Eduardo Soares.  Em outras palavras, cada intervenção isoladamente tem sua meta, seu método e sua consistência.  Mas o que produzimos é um conjunto de projetos político-societários fragmentados, que somados à escassez de investimentos públicos em políticas sociais, à histórica centralização política e administrativa e ao desvio de recursos, empurram uma grande parcela de brasileiros a ocuparem a arena das mais cruéis formas de violação de direitos em suas múltiplas facetas.  Essas questões, que deveriam ser abordadas a partir de políticas de caráter redistributivos, têm sido respondidas com políticas focais, que aprofundam as desigualdades e despolitizam os sujeitos violados, deslocando o paradigma dos direitos sociais para uma condição periférica. Nesse plano, é que, com frequência, faltam uma política, a meta, o método – e a justiça.

Estabelecer um novo padrão de gestão pública que reordene as prioridades “Estado–mercado” e contemple as reformas de interesse social é um imperativo moral. É preciso atacar o quanto antes as desigualdades para deslanchar um círculo virtuoso de crescimento inclusivo e sustentável. Mas, para além desses aspectos, precisamos discutir, também, a necessidade de o Estado promover a regulação inteligente das tecnologias e da informação, calibrando os interesses diversos – pois se a tecnologia tem sido a ferramenta definitiva para a eficiência em escala, seu mau uso tem retroalimentado essas disparidades em escala mundial e precisamos saber o que fazer com isso – especialmente em um quadro de grave desemprego.

Não podemos mais ignorar essas situações que atingem perversamente, e cada vez mais, os segmentos mais vulneráveis. Essa multifacetada temática merece discussões profundas para que possamos ultrapassar a barreira de olhares simplistas e parciais que impedem uma discussão ponderada sobre esses grandes desafios, essencial para a construção de um bom futuro– algo muito distante dos ânimos atuais.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

 

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

O que querem os negacionistas?

Roque de Itaparica foi o primeiro negacionista com que me deparei em minha vida. Nativo da ilha de Itaparica, era um simpático aguadeiro que ganhava a vida descendo e subindo as ruas calçadas de paralelepípedos da pequena cidade praieira, ainda isenta de carros. Ia de...

ler mais

Home office: hóspede da casa, intruso no lar

A crise precipitada pelo novo coronavírus forçou as empresas a redesenhar suas operações e reinventar a forma como suas equipes trabalham. Por conta das novas regras de distanciamento e isolamento social, muitas organizações tiveram de admitir o home office e o...

ler mais

Quando isolamento rima com amadurecimento

Foi uma bela surpresa para os produtores e artistas do filme O Náufrago, de Robert Zemeckis, de 2000, estrelado por Tom Hanks, passado quase inteiramente na praia de uma ilha deserta, conseguir alcançar um estrondoso sucesso de bilheteria e crítica. O filme tinha de...

ler mais

Fazer o luto, fazer a luta

O enterro de meu irmão mais velho, vítima de Covid, me levou a viver de perto a triste faceta da lógica de regressão e desumanização que está em curso em nosso país, em tempos de pandemia.   Já no hospital, onde ele ficara isolado por duas semanas, ao identificar seu...

ler mais

Cinco fantasmas que você enfrentou na quarentena

Todos vimos alguma vez um cachorro acorrentado em um fundo de quintal e a placa de alerta: “Cuidado, cão feroz”. O animal se esgoela de tanto latir, ganir, dá saltos em vão e só cessa de avançar quando a corrente garroteia seu pescoço e o sufoca. Para, descansa, ofega...

ler mais

junte-se ao mercado