>

Uma historinha para cobrir a falta de assunto

abr/2018

Definitivamente estou sem assunto e isso me preocupa. Quando falta assunto é por que sobra preguiça, mas, para vocês não saírem por aí me imputando esse pecado capital, melhor eu contar uma historinha, juro que não é ficção, ou, mais de uma, por que não?

Aconteceu em Juazeiro nos anos 80. O jornal A Tarde preparava um caderno especial sobre o município. O representante na cidade correu o comércio para vender anúncios, porém, um cliente em especial, proprietário de uma loja de eletrodomésticos, não gostou do leiaute que lhe foi apresentado pela sucursal do jornal como sugestão.

Refeito o leiaute o cliente novamente recusou e ao longo da semana, já próximo do fechamento publicitário, nada dele se decidir. Todas as opções eram descartadas. O jeito foi um dos corretores do jornal tentar resolver o impasse. Ligou para o cidadão, ouviu as queixas. Ele queria que o anuncio tivesse a foto da fachada da loja, toda ela, o que era impossível pois uma imensa árvore cobria boa parte. O corretor de brincadeira falou: “só o senhor cortando a árvore”.

O cidadão não pensou duas vezes. Mandou cortar a amendoeira e ligou para o jornal: “Pode vir fazer a foto, cortei a árvore, pois não quero ficar de fora desse caderno especial”.

A outra historinha aconteceu em Salvador, na década de 90. A Tarde tinha encomendado à Publivendas/Engenhonovo uma campanha comunitária para a Semana do Trânsito, que seria assinada pela A Tarde e a Copene, esta pagaria os custos. Para ganhar tempo a agência fez dois leiautes, um para apresentação a Arthur Couto, diretor do jornal, outro para apresentação na Copene, no mesmo dia e hora.

Ocorre que Arthur Couto amou a campanha e foi logo dizendo:

– Está aprovada, mas, tirem a Copene, não quero dividir os créditos.

Fernandinho Passos, ponderou:

– Não dá Arthur, agora mesmo Tarcísio do atendimento está a caminho do Polo.

A reação de Arthur foi rápida: Qual é o carro dele e como é ele? Mal Fernandinho tinha acabado de responder, Arthur pegou o telefone e ligou para o comandante da Polícia Militar:

– Coronel, preciso que me prenda um sujeito de óculos que vai passar ai no posto policial da Via Parafuso, ele está num Monza azul escuro.

— O que ele fez Arthur?

— Nada, é gente boa. Nosso amigo. Mas não pode chegar de jeito nenhum em Camaçari. Peça aos policiais para mandar ele retornar e se apresentar no jornal A Tarde.

Tarcísio tomou um baita susto e como naquele tempo não existia celular precisou ir ao jornal para saber o que estava acontecendo. Sobrou para a agência que teve que inventar uma desculpa para o marketing da Copene e criar às presas outra campanha para apresentar no dia seguinte.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Mentira, fake news e pós-verdrags

A manipulação de sofismas e falácias desafiou o mundo de Sofia, desde os primórdios. Grandes mentes conseguiram decifrar os vestígios do blefe e os truques da mentira. Sócrates, o gigante de Atenas, preferiu sorver o cálice da verdade enquanto os sofistas, artistas da...

ler mais

Da Paternidade à Filantropia

Ao me tornar pai, já imaginava que minha vida ia passar por transformações, mas jamais da forma como aconteceram. Aos nove anos, meu filho foi diagnosticado com câncer. Travamos uma batalha que felizmente foi vencida e, a partir daí, uma nova força foi gerada. Durante...

ler mais

O resgate pela resiliência: o caso dos Javalis Selvagens

Era o dia 23 de junho, o time dos Javalis Selvagens havia acabado a partida de futebol. Um almoço festivo os esperava na casa de um dos integrantes do time para cantar parabéns. Mas eles convenceram a Ake, o técnico do time, a darem um passeio de bike na direção das...

ler mais

20 anos da ABMP

Toda entidade de classe nasce de uma necessidade, ou, de uma provocação. A ABMP nasceu das duas. A necessidade foi a de se constituir uma entidade que reunisse todos os segmentos da comunicação. Existia um precedente, a AP-Bahia (sigla de Associação de Propaganda da...

ler mais

Dois de Julho

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07...

ler mais

Por uma antropologia da viagem

Comecei a reparar em conversas informais com brasileiros com quem me deparei na Europa, em viagem recente, em lojas, cafés e metrôs, que havia um grupo sem entusiasmo e indiferente aos valores europeus, apenas focado em consumir souvenires, cumprir roteiros óbvios e...

ler mais

junte-se ao mercado