>

Uma historinha para cobrir a falta de assunto

abr/2018

Definitivamente estou sem assunto e isso me preocupa. Quando falta assunto é por que sobra preguiça, mas, para vocês não saírem por aí me imputando esse pecado capital, melhor eu contar uma historinha, juro que não é ficção, ou, mais de uma, por que não?

Aconteceu em Juazeiro nos anos 80. O jornal A Tarde preparava um caderno especial sobre o município. O representante na cidade correu o comércio para vender anúncios, porém, um cliente em especial, proprietário de uma loja de eletrodomésticos, não gostou do leiaute que lhe foi apresentado pela sucursal do jornal como sugestão.

Refeito o leiaute o cliente novamente recusou e ao longo da semana, já próximo do fechamento publicitário, nada dele se decidir. Todas as opções eram descartadas. O jeito foi um dos corretores do jornal tentar resolver o impasse. Ligou para o cidadão, ouviu as queixas. Ele queria que o anuncio tivesse a foto da fachada da loja, toda ela, o que era impossível pois uma imensa árvore cobria boa parte. O corretor de brincadeira falou: “só o senhor cortando a árvore”.

O cidadão não pensou duas vezes. Mandou cortar a amendoeira e ligou para o jornal: “Pode vir fazer a foto, cortei a árvore, pois não quero ficar de fora desse caderno especial”.

A outra historinha aconteceu em Salvador, na década de 90. A Tarde tinha encomendado à Publivendas/Engenhonovo uma campanha comunitária para a Semana do Trânsito, que seria assinada pela A Tarde e a Copene, esta pagaria os custos. Para ganhar tempo a agência fez dois leiautes, um para apresentação a Arthur Couto, diretor do jornal, outro para apresentação na Copene, no mesmo dia e hora.

Ocorre que Arthur Couto amou a campanha e foi logo dizendo:

– Está aprovada, mas, tirem a Copene, não quero dividir os créditos.

Fernandinho Passos, ponderou:

– Não dá Arthur, agora mesmo Tarcísio do atendimento está a caminho do Polo.

A reação de Arthur foi rápida: Qual é o carro dele e como é ele? Mal Fernandinho tinha acabado de responder, Arthur pegou o telefone e ligou para o comandante da Polícia Militar:

– Coronel, preciso que me prenda um sujeito de óculos que vai passar ai no posto policial da Via Parafuso, ele está num Monza azul escuro.

— O que ele fez Arthur?

— Nada, é gente boa. Nosso amigo. Mas não pode chegar de jeito nenhum em Camaçari. Peça aos policiais para mandar ele retornar e se apresentar no jornal A Tarde.

Tarcísio tomou um baita susto e como naquele tempo não existia celular precisou ir ao jornal para saber o que estava acontecendo. Sobrou para a agência que teve que inventar uma desculpa para o marketing da Copene e criar às presas outra campanha para apresentar no dia seguinte.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

A conexão através da comunicação

Contribuir para uma gestão mais eficiente, estabelecer canais de diálogo, promover interação, compartilhar informações com os diversos públicos. No dia a dia das organizações, a comunicação constitui um patrimônio valioso para alcançar objetivos sólidos e permanentes....

ler mais

Dois de Julho

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07...

ler mais

Por uma antropologia da viagem

Comecei a reparar em conversas informais com brasileiros com quem me deparei na Europa, em viagem recente, em lojas, cafés e metrôs, que havia um grupo sem entusiasmo e indiferente aos valores europeus, apenas focado em consumir souvenires, cumprir roteiros óbvios e...

ler mais

A segunda tela aumenta a eficiência da TV

Estudo revela que o consumo da chamada segunda tela (celulares e tablets) durante o tempo em que pessoas assistem TV aumenta a eficiência da publicidade neste meio Ao contrário do mito que se estabeleceu desde o crescimento do uso da chamada segunda tela (celulares e...

ler mais

Lições de marketing numa feira de livros

O que está havendo com as livrarias e o comércio de livros? Foi-se o tempo das pequenas livrarias charmosas e aconchegantes, bem diferentes das mega stores de livros dos  shoppings centers. Será que as pessoas ainda compram e leem livros? Quais as novas estratégias de...

ler mais

Cadê a Copa?

Estamos em maio e aqui vale o por que da atual pasmaceira em relação à Copa do Mundo, se falta apenas um mês, junho está próximo. Dia 14/06 a bola já estará rolando. Em outros tempos, antes do choque de realidade do 7x1 e da desesperança dos brasileiros com suas...

ler mais

junte-se ao mercado