Uma historinha para cobrir a falta de assunto

abr/2018

Definitivamente estou sem assunto e isso me preocupa. Quando falta assunto é por que sobra preguiça, mas, para vocês não saírem por aí me imputando esse pecado capital, melhor eu contar uma historinha, juro que não é ficção, ou, mais de uma, por que não?

Aconteceu em Juazeiro nos anos 80. O jornal A Tarde preparava um caderno especial sobre o município. O representante na cidade correu o comércio para vender anúncios, porém, um cliente em especial, proprietário de uma loja de eletrodomésticos, não gostou do leiaute que lhe foi apresentado pela sucursal do jornal como sugestão.

Refeito o leiaute o cliente novamente recusou e ao longo da semana, já próximo do fechamento publicitário, nada dele se decidir. Todas as opções eram descartadas. O jeito foi um dos corretores do jornal tentar resolver o impasse. Ligou para o cidadão, ouviu as queixas. Ele queria que o anuncio tivesse a foto da fachada da loja, toda ela, o que era impossível pois uma imensa árvore cobria boa parte. O corretor de brincadeira falou: “só o senhor cortando a árvore”.

O cidadão não pensou duas vezes. Mandou cortar a amendoeira e ligou para o jornal: “Pode vir fazer a foto, cortei a árvore, pois não quero ficar de fora desse caderno especial”.

A outra historinha aconteceu em Salvador, na década de 90. A Tarde tinha encomendado à Publivendas/Engenhonovo uma campanha comunitária para a Semana do Trânsito, que seria assinada pela A Tarde e a Copene, esta pagaria os custos. Para ganhar tempo a agência fez dois leiautes, um para apresentação a Arthur Couto, diretor do jornal, outro para apresentação na Copene, no mesmo dia e hora.

Ocorre que Arthur Couto amou a campanha e foi logo dizendo:

– Está aprovada, mas, tirem a Copene, não quero dividir os créditos.

Fernandinho Passos, ponderou:

– Não dá Arthur, agora mesmo Tarcísio do atendimento está a caminho do Polo.

A reação de Arthur foi rápida: Qual é o carro dele e como é ele? Mal Fernandinho tinha acabado de responder, Arthur pegou o telefone e ligou para o comandante da Polícia Militar:

– Coronel, preciso que me prenda um sujeito de óculos que vai passar ai no posto policial da Via Parafuso, ele está num Monza azul escuro.

— O que ele fez Arthur?

— Nada, é gente boa. Nosso amigo. Mas não pode chegar de jeito nenhum em Camaçari. Peça aos policiais para mandar ele retornar e se apresentar no jornal A Tarde.

Tarcísio tomou um baita susto e como naquele tempo não existia celular precisou ir ao jornal para saber o que estava acontecendo. Sobrou para a agência que teve que inventar uma desculpa para o marketing da Copene e criar às presas outra campanha para apresentar no dia seguinte.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

Próximo de propósito

Cada vez mais a conexão emocional às marcas tem emergido nas pesquisas como um elemento determinante no processo decisório. Se antigamente a identidade das marcas era basicamente construída a partir de uma mensagem emitida ao consumidor, hoje uma marca precisa se...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Três aniversariantes

É hora de ascender as velhinhas e comemorar. Três importantes veículos de comunicação da terra comemoram este ano marcos cronológicos de sua fundação: Correio *, TV Aratu e Tribuna da Bahia. O Correio* que nasceu Correio da Bahia, em 15/01/1979, já festeja os seus 40...

ler mais

Comemorações Institucionais: 470 anos a serviço do bem

De acordo com dados do Sebrae divulgados no fim do ano passado, o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil é preocupante. A cada quatro abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado. Estes 25% representam não apenas o momento atual,...

ler mais

Janeiro, fevereiro e março

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano...

ler mais

junte-se ao mercado