Eu quero é paz

set/2023

O momento presente nos coloca na aflição que o bafejo da violência e da Guerra estão impondo à humanidade. A geopolítica mundial está em mudança total e traz de volta a chamada Guerra Fria. Novamente o armistício cria blocos entre economias centrais e periféricas e o mundo vai assistindo em tempo real os horrores dos conflitos entre Rússia e Ucrânia; na Síria; golpes em repúblicas africanas e tantos outros conflitos emergem. A reorganização dos blocos de poder ameaçam a paz universal comprometendo o abastecimento de alimentos no mundo além da eminente crise de energia e autossuficiência de recursos essenciais para o estilo de vida atual.

A desenfreada agressão ambiental tem gerado catástrofes alarmantes, aqui no Brasil inclusive (vimos as dores irreparáveis de nossos irmãos gaúchos) assim como na Líbia com um ciclone que matou 11.000 pessoas e outras 10.000 estão desaparecidas. No Havaí uma cidade inteira também destruída por incêndios florestais. A natureza reage às agressões provocadas pela humanidade.

Aqui no Brasil outro fenômeno, além também das questões ambientais, tem trazido dor, medo e pânico: a violência. E essa onda de violência está nos lares, nas escolas, no trânsito e dentro de casa. Está nas facções e nas milícias; está nos golpes cibernéticos; está nos preconceitos; está na falta de educação generalizada entre as pessoas; está nos manipuladores digitais e nos instintos primitivos dos extremistas (ideológicos ou não) de qualquer natureza.

Precisamos estender a bandeira da paz. A politização da Segurança exclui a cidadania do seu direito constitucional pois o Estado já não consegue mais dar conta sozinho ao combate de ações das organizações que se estabeleceram no campo e nas cidades.

A espetacularização da violência é viciante e predatória. Além de impor o medo, impõe a manipulação, fomenta até atitudes de justiça com as próprias mãos.

A imprensa tem papel fundamental na Democracia e seu alcance na vida das pessoas precisa ser sempre reavaliada para que não se perca na “guerra” pela audiência a qualquer custo.

“O homem é o lobo do homem”.

Que possamos comungar a importância de uma cultura de paz. Em cada momento, em cada ação e em cada trabalho.

Estendo a bandeira branca e peço paz por mim, minha família, pela humanidade e pelo planeta. Soa romântico? Pode ser. O que seria então do mundo se o exército daqueles que promovem a paz e o bem não existisse? Cruz Vermelha; Médicos sem Fronteiras….

A Unesco relacionou seis princípios do Manifesto de 2020 para promoção da Paz:

– Respeitar a vida;

– Rejeitar a violência;

– Ser generoso;

– Ouvir para comprender;

– Preserva o planeta;

– Redescobrir a solidariedade.

Que todas as guerras morram em paz.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

João Gomes

João Gomes

Colunista

Superintendente do Grupo Aratu de Comunicação

Mais artigos

Consumo insustentável na sociedade do excesso

Recentemente, fui convidado pelo Instituto Multiversidad Popular, em Posadas, na capital da Província de Missiones, na Argentina, para falar para os alunos de curso de pós-graduação. A missão da “Multi”, como a instituição é carinhosamente conhecida, é difundir...

ler mais

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

junte-se ao mercado