A retomada de nós mesmos

abr/2020

Nas últimas semanas, a internet tem trazido uma série de conteúdos, principalmente lives, sobre o tema: “o que podemos aprender com o novo coronavírus”.

De fato, situações extremas nos levam, muitas vezes, a reflexões mais profundas. Não que isso seja regra.

Uma das coisas que mais tenho pensado nesses tempos de isolamento é sobre a ressignificação de vários elementos que compõem a nossa vida cotidiana, em especial, o afeto, a nossa relação com o tempo e o desapego.

Muitas vezes, na correria do dia a dia, não nos damos conta de olhar para nós mesmos, o que dirá para o outro. O mundo da inteligência artificial, da internet das coisas e da vida no digital não nos deixa tempo para o que realmente importa.

Temos de estar tão constantemente por dentro de todos os assuntos, ligados em tudo, que deixamos de nos conectar com a gente mesmo.

É certo que essa quarentena alterou o curso da vida de milhares de brasileiros, mas será que, mesmo em casa, estamos tendo tempo para pensar na razão de tudo isso e como nós, indivíduos únicos, podemos contribuir para um mundo melhor? Ou será que continuamos com velhos hábitos e pensamentos, deixando de aproveitar o momento atual para estarmos em silêncio, aprender mais sobre nós e, dessa forma, também compreender melhor o próximo?

O que, efetivamente, esse vírus veio nos dizer? De cara, que o discurso do “eu quero”, “eu preciso”, “eu resolvo” não funciona no cenário atual. Ou seja, tivemos de substituir o “eu” pelo “nós”, pois sozinhos não teremos a menor chance contra essa pandemia.

Outra palavra que tem estado em alta é “conscientização”. Estamos, de fato, vivenciando o coletivo. É nossa chance de aprender de uma vez por todas que o que ocorre em qualquer parte do planeta pode me afetar, mesmo eu estando no aconchego do meu lar. Embora sejamos seres únicos, estamos todos interligados e promovendo constantes transformações no mundo. Se conseguirmos compreender isso verdadeiramente, talvez possamos ter uma vida mais equilibrada, harmoniosa e respeitosa.

Talvez, a gente tenha chegado no melhor momento para desenvolver a compaixão e olhar para o outro sem julgamentos. Para os desavisados, a Covid-19 vem mostrar que somos tomos iguais em nossas fragilidades e necessidades humanas. Não importa cor, raça, crença, sexualidade ou origem.

Este é um momento singular, em que temos oportunidades de estar mais com a gente mesmo, e porque não dizer com o outro – mesmo á distância, demonstrando amor e afeto, repensando as escolhas da vida, ajudando ao próximo e tentando, ao máximo, minimizar nossas dores e sofrimentos. Não que tudo isso não possa ser feito em tempos de não pandemia. Na verdade, seria muito melhor se conseguíssemos ter esse olhar diariamente. Porém, muitas vezes, só em estado e situação de crise é que conseguimos nos reinventar.

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

Sobre o coronavírus, o marketing e as empresas

“Toda crise gera uma oportunidade” ou “Enquanto uns choram outros vendem lenços” são adágios conhecidos de todos. Com o coronavírus não tem sido diferente, mas além de algumas oportunidades, a pandemia tem provocado uma série de ações por parte das empresas...

ler mais

Atendimento em tempos de Coronavírus

Era esperado para uma geração que não viveu a gripe espanhola, nem a guerra, e que só viu o ebola pelo cinema ter dificuldade de compreender o que estamos passando. Meu filho de 11 anos me perguntou: mas quando você era do meu tamanho teve uma doença assim? Um vírus...

ler mais

Quem são os reais influenciadores?

Uma percepção do ponto de vista do Marketing de Influência, do posicionamento dos canais de comunicação e do contexto atual   Na semana anterior, que muito se falou sobre o caso de "Gabriela Pugliesi" aqui no Brasil, e do seu exemplo totalmente contraditório enquanto...

ler mais

Reflexões sobre Fake News e o poder

Informação é poder. Sempre foi. Até o século 20, quem detinha a informação detinha o poder. No século 21 o poder é de quem compartilha a informação. Isso está atrelado ao crescimento da internet e às redes sociais. Então, podemos afirmar que o fenômeno das fake news...

ler mais

junte-se ao mercado