Conecchão: eu era, eu sou ou eu serei?

abr/2021

Todo e qualquer lugar do mundo é um berço de conhecimento pra mim. Os Brasis dentro do Brasil são como salas de aulas… e a Bahia, sem dúvida, é uma das minhas aulas prediletas. Aqui nasceram seres humanos extraordinários, como o terapeuta indígena Ubiraci Pataxó. E, dentre os inúmeros aprendizados que tenho com ele, o termo “conecchão” foi um dos últimos que fez meus pensamentos flutuarem.

É muito provável que você já tenha ouvido esta frase em algum lugar: “eu sempre fiz assim”. Pesquisas mostram que, em um dia, a pessoa média tem algo entre 50 e 60 mil pensamentos. O problema é que 95% dos nossos pensamentos são os mesmos que pensamos no dia anterior, e no dia antes desse, e no dia antes desse. Não é de se surpreender que a maioria dos indivíduos passe a existência inteira, dia após dia, mês após mês, ano após ano, sem nunca mudar sua qualidade de vida, sem conexão com seu próprio chão.

E estar conectado é ser sempre do mesmo jeito ou se permitir encontrar caminhos para uma conexão verdadeira, com os pés no chão? Quando somos expostos a novas oportunidades ou a crises (como esta que todos nós estamos vivendo), geralmente olhamos para o nosso retrovisor e avaliamos nossas experiências passadas. Portanto, reflita: Olhar para o passado vai te ajudar a construir um futuro? Quais são as ações que nos levam a uma vida desejada? As do passado ou aquelas que escolhemos tomar a partir de agora? Para que qualquer mudança comece a dar as caras na sua vida você precisa acreditar que sua conexão consigo e com sua evolução é possível, faz parte do movimento humano.

Por mais que os pés estejam parados no chão, a vida é movimento. Uma vez em movimento, e na direção que você estabeleceu, eu acredito que vem a tal “conecchão”, quando reconheço que é preciso abrir o coração para a abundância e para as infinitas possibilidades do universo.

“Conecchão” é também acreditar: “Eu mereço!”. Dialogue com você, não se preocupe apenas com a comunicação com o outro, pratique a intercomunicação e repita “eu mereço” quantas vezes forem possíveis ao longo do seu dia. Devemos repetir sempre que estivermos diante de uma situação na qual acreditamos que não merecemos algo melhor. Vamos repetir quando estivermos exatamente onde gostaríamos de estar.

É assertivo nos tornarmos pessoas obcecadas por merecer o que de melhor existe disponível na Terra. Concorda comigo que:

Você merece uma vida extraordinária e digna?

Você merece ser muito bom/boa naquilo que escolheu fazer?

Você merece se aprimorar?

Você merece ser amado/a e respeitado/a?

Você merece o reconhecimento?

Se suas respostas são “sim”, conecte-se a tudo o que você quer para a sua vida.

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

Contagem regressiva – Já?!

Há pouco mais de um mês acompanhávamos as Olimpíadas e depois as Paraolimpíadas. Praticamente todas as competições das modalidades esportivas tinham início após uma contagem regressiva. Esportes como salto ornamental ou tiro esportivo não precediam uma contagem em voz...

ler mais

Tempo a nosso favor

Sempre gostei de me comunicar, ouvir e contar histórias, colocar pra fora ideias, críticas, elogios ou indignações. E quando escolhi trabalhar nas diferentes áreas da comunicação e do marketing, esse meu prazer só foi aumentando. Com o advento das mídias sociais,...

ler mais

Valeu pelo seu post colorido de junho! A galera lgbtqia+ agradece! Mas nos outros meses o que você tem feito de verdade para combater o preconceito? Que tal começar pelos “simples” discursos que só potencializam homofobia, transfobia & bifobia?

“Você é gay?” “Como você virou lésbica?” Vem cá, alguém fica perguntando por aí se você é hétero? Como você virou hétero ou com quantos anos você decidiu ser hétero? Como foi falar para seus pais? Então se toca e pare de ser desnecessári@. “Mas bissexual, pansexual,...

ler mais

Nem tudo é o que parece ser

“Ao nascer, foi entregue para adoção por sua mãe solteira. Na escola, destacou-se tanto pela inteligência como pela indisciplina e molecagem. Aos 15 anos, teve um primeiro emprego na HP, comprou um carro velho e passou a fumar maconha. Aos 19, descalço, vegetariano...

ler mais

uma curtição chamada São João

Pelo segundo ano consecutivo, não será possível sentir os aromas das festas juninas nas ruas ou em espaços onde costumávamos “pular a fogueira” ou “dançar a quadrilha”. Assim como o trabalho e os estudos, as celebrações tradicionais tiveram que se transformar,...

ler mais

Viagem a um passado presente

Meio do ano chegando e a gente começa a avaliar o que fizemos da vida (ou o que ela fez de nós) na primeira metade de 2021. São tantas coisas a dizer – e a escrever – e, por isso, vou me ater ao último mês: maio. As efemêrides são elementos quase obrigatórios do mundo...

ler mais

junte-se ao mercado