Me respeite. Eu sou favela.

dez/2021

Confesso que tentei criar um outro título para este artigo, mas foi uma missão quase impossível não considerar o nome do estudo recentemente realizado pela Youpper Insights.

O orgulho e a satisfação já eram imensos por ter feito parte da organização do SCREAM – Salvador Creativity anda Media Festival, que chegou à sua quarta edição dias 3 e 4 de dezembro; e a honra foi maior ainda por ter tido a oportunidade de apresentar uma nova pesquisa em primeira mão para o público que nos acompanhava presencial e virtualmente.

Compreender o comportamento dos consumidores sempre esteve presente dentre meus propósitos. E me aproximar da população que forma a maioria dos residentes de nosso país, é uma persistência quase divina. O Brasil (ou brasis) é caracterizado pela cultura que circula nas periferias de todos os cantos e, mais do que isso, cresce ou decresce a partir dos impactos que atingem essa população.

Não por acaso, é de extrema importância investigar a relação que as marcas estabelecem com os consumidores das favelas desta nação. E, com a proliferação da Covid-19, dialogar com os mais atingidos pela pandemia tornou-se uma urgência.

Há dois anos eu já tinha liderado o estudo “Os invisíveis”, também apresentado no SCREAM, que foi praticamente uma primeira onda de levantamento de dados. Agora, em 2021, aprofundamos ainda mais e captamos informações que podem orientar futuras campanhas de comunicação… e mais, podem contribuir para uma relação genuína entre clientes e empresas.

 

Dentre os “achados” temos:

  • 42% dos entrevistados se sentem representados por grandes marcas;
  • 68% acreditam que as marcas pensam neles ao produzirem seus produtos.

Quando o assunto é moradia:

  • 58% se sentem satisfeitos;
  • 22% tem orgulho;
  • 13% sente insegurança;
  • 3% expressa vergonha.

 

O que mais me chama atenção – mas não é uma surpresa pra mim – é que 80% dos moradores de favelas se sentem valorizados, 18% preferiram não opinar e apenas 2% se sentem usados. Do ponto de vista das campanhas publicitárias, há quase uma unanimidade: 90% quer pessoas reais nas peças de comunicação.

É isso! Como eu sempre digo: gente gosta de gente!

Do ponto de vista econômico-social, vejo que temos muito ainda a avançar (o próprio debate que aconteceu durante a apresentação do estudo demonstrou isso); entretanto, é possível enxergar que evoluímos nos diálogos em torno da valorização e respeito aos territórios periféricos. Nós, enquanto profissionais de mídias, temos a missão de estar atentos não só aos números, mas principalmente ao que “as ruas nos fala”.

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

O empreendedorismo saiu do armário

Ter um bom emprego, usufruir dos benefícios e contabilizar décadas dentro de uma mesma empresa já foi o sonho da maior parte da população profissionalmente ativa. Até eu, mesmo ciente do meu espírito empreendedor desde muito jovem, já vivi isso. As crises que mudam...

ler mais

Que roque sou eu?

O que vende mais, ficção ou realidade? Ou a junção de ambos? Não nego que sou apaixonado pela televisão. E a teledramaturgia está entre minhas paixões. Mesmo antes de contar com as novelas nas estratégias de marketing, elas já me encantavam com a majestosa arte de...

ler mais

O dia em que a terra parou

A Bahia nos deu grandes e inesquecíveis artistas. Uma das músicas do gênio Raul Seixas é a inspiração para o título deste artigo. Embalado por versos como:  “Essa noiteEu tive um sonho de sonhadorMaluco que sou, eu sonheiCom o dia em que a Terra parouCom o dia em que...

ler mais

Contagem regressiva – Já?!

Há pouco mais de um mês acompanhávamos as Olimpíadas e depois as Paraolimpíadas. Praticamente todas as competições das modalidades esportivas tinham início após uma contagem regressiva. Esportes como salto ornamental ou tiro esportivo não precediam uma contagem em voz...

ler mais

Tempo a nosso favor

Sempre gostei de me comunicar, ouvir e contar histórias, colocar pra fora ideias, críticas, elogios ou indignações. E quando escolhi trabalhar nas diferentes áreas da comunicação e do marketing, esse meu prazer só foi aumentando. Com o advento das mídias sociais,...

ler mais

junte-se ao mercado