Me respeite. Eu sou favela.

dez/2021

Confesso que tentei criar um outro título para este artigo, mas foi uma missão quase impossível não considerar o nome do estudo recentemente realizado pela Youpper Insights.

O orgulho e a satisfação já eram imensos por ter feito parte da organização do SCREAM – Salvador Creativity anda Media Festival, que chegou à sua quarta edição dias 3 e 4 de dezembro; e a honra foi maior ainda por ter tido a oportunidade de apresentar uma nova pesquisa em primeira mão para o público que nos acompanhava presencial e virtualmente.

Compreender o comportamento dos consumidores sempre esteve presente dentre meus propósitos. E me aproximar da população que forma a maioria dos residentes de nosso país, é uma persistência quase divina. O Brasil (ou brasis) é caracterizado pela cultura que circula nas periferias de todos os cantos e, mais do que isso, cresce ou decresce a partir dos impactos que atingem essa população.

Não por acaso, é de extrema importância investigar a relação que as marcas estabelecem com os consumidores das favelas desta nação. E, com a proliferação da Covid-19, dialogar com os mais atingidos pela pandemia tornou-se uma urgência.

Há dois anos eu já tinha liderado o estudo “Os invisíveis”, também apresentado no SCREAM, que foi praticamente uma primeira onda de levantamento de dados. Agora, em 2021, aprofundamos ainda mais e captamos informações que podem orientar futuras campanhas de comunicação… e mais, podem contribuir para uma relação genuína entre clientes e empresas.

 

Dentre os “achados” temos:

  • 42% dos entrevistados se sentem representados por grandes marcas;
  • 68% acreditam que as marcas pensam neles ao produzirem seus produtos.

Quando o assunto é moradia:

  • 58% se sentem satisfeitos;
  • 22% tem orgulho;
  • 13% sente insegurança;
  • 3% expressa vergonha.

 

O que mais me chama atenção – mas não é uma surpresa pra mim – é que 80% dos moradores de favelas se sentem valorizados, 18% preferiram não opinar e apenas 2% se sentem usados. Do ponto de vista das campanhas publicitárias, há quase uma unanimidade: 90% quer pessoas reais nas peças de comunicação.

É isso! Como eu sempre digo: gente gosta de gente!

Do ponto de vista econômico-social, vejo que temos muito ainda a avançar (o próprio debate que aconteceu durante a apresentação do estudo demonstrou isso); entretanto, é possível enxergar que evoluímos nos diálogos em torno da valorização e respeito aos territórios periféricos. Nós, enquanto profissionais de mídias, temos a missão de estar atentos não só aos números, mas principalmente ao que “as ruas nos fala”.

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

A escol(h)a da vida

Rubem Alves, expressivo escritor do nosso tempo, certa vez escreveu que “há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas”. É interessante como tal perspectiva nos releva que, na nossa vida, o mesmo ‘espaço’ pode conduzir por caminhos e olhares tão diferentes....

ler mais

O que importa é a produção!

Na contemporaneidade da escassez de horas, de profissionais ultra-tarefas, de benefícios encurtados e um surto coletivo de doenças ocupacionais-psicológicas, vivemos um paradigma nesse mundo “tech”, onde a inovação e as ondas “alpha, beta, meta” ditam os novos...

ler mais

Vinte e nove horas de silêncio: em vez de medo, orgulho…

A leitura dos “silêncios” e o que eles revelam: por que precisamos quebrar o silêncio?   “O óbvio precisa ser dito”. Este é o tom de mais um mês em que, ainda, precisamos reafirmar a dignidade das pessoas dissidentes da cis heteronormatividade estruturalmente...

ler mais

A simplicidade e a sabedoria do óbvio

“Não acredito que estejamos em crise. Não precisamos do externo para nos fortalecer, tudo está dentro de nós. Todos somos encantados. Estamos deixando o encantamento de lado, a degradação vem daí”. O pensamento acima, ou provocação, é de Pai Francisco de Oxum, mestre...

ler mais

Para quê Diversidade?

O que as respostas revelam.   Uma das máximas do mundo da Publicidade, Propaganda e Marketing irá nortear este texto: "quais dores o seu negócio tira do mundo?". Isto porque, obviamente, podem existir – e existem – inúmeras possibilidades de respostas adequadas...

ler mais

A hora e a vez da favela

O fato de ser um filho da periferia de São Paulo despertou em mim desde cedo alguns questionamentos sobre o bairro em que morava, principalmente sobre a falta de acesso a itens essenciais para o desenvolvimento humano como saúde, boas condições de moradia, transporte...

ler mais

junte-se ao mercado