O que você quer ser quando crescer?

set/2020

“Nunca se deve perguntar a uma criança o que ela vai ser quando crescer. Quando se faz isso, anula-se quem ela é”. Estas sábias palavras são do terapeuta indígena Ubiraci Pataxó. Quando as escutei, literalmente parei para pensar…

Bem que eu evito, mas é impossível não incluir a pandemia em minhas reflexões. Ao longo do ciclo de encontros virtuais que tenho promovido ou participado, percebo muitas pessoas se reavaliando, redescobrindo, revisando não apenas seus projetos, mas suas próprias vidas. Tem gente de sobra no mundo tentando ser como os outros, e mais gente ainda tentando fazer com que todos os outros também se encaixem em padrões.

Na área de Comunicação é comum falarmos em “comunicação assertiva”, “comunicação autêntica”, “comunicação com propósito”. Será que estamos trabalhando nisso? A comunicação deve conter estes atributos ou somos nós, seres humanos, que conduzimos “estes padrões”, apoiados em nossa individualidade?

Será que quando idealizamos um rótulo, estamos deixando de ser quem exatamente somos?

No livro Propósito, o mestre indiano Sri Prem Baba sintetiza o conteúdo com a frase CORAGEM DE SER QUEM SOMOS. Em inúmeras entrevistas, a funkeira Jojo Maronttinni (Jojo Todynho) reproduz a mesma fala. A cada aula que ministro aos meus alunos e alunas na ESPM observo, mesmo que virtualmente, o quanto é rico escolher ser apenas si mesmo, ainda que nem sempre seja fácil, ainda que você receba olhares estranhos e incomode certas pessoas.

Acumulando anos de vida, quilometragens de viagens e horas de consultoria, concluo que o mundo precisa de mais gente autêntica, mais gente sincera e mais gente livre. Se, assim como nas aldeias indígenas, as crianças pudessem ser apenas elas mesmas, teríamos mais adultos íntegros – considerando que “íntegro” é “ser por inteiro”.

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

Linha de chegada invisível

Muita coisa neste ano ocorreu de forma prematura e/ou compulsória, não é verdade? Aderir ao homeoffice; conviver com o companheiro ou companheira dentro de casa 24h; inserir as crianças ao homeschooling; abrir mão dos funcionários domésticos; aumentar as compras...

ler mais

40 anos em 4 meses: o que o período da pandemia me revelou

Este mês, completo quatro anos como empreendedor nas áreas de comunicação e marketing e também meus 40 anos de vida.   O número quatro veio com tudo, não apenas para mim, mas também na numerologia - é ele quem rege o ano de 2020. E o que dizem os astrólogos sobre...

ler mais

Uma releitura sobre a importância do branding, pós pandemia

Neste exato momento, protagonizamos um dos maiores acontecimentos globais, vivendo um mundo totalmente inesperado e cheio de incertezas. Situações caóticas em vários níveis de segmentação, que nos deixaram desprevenidos para uma etapa anterior: a preparação para este...

ler mais

Até onde a lei da proteção cuida de nós?

Uma semana antes da OMS emitir o alerta sobre a epidemia do novo coronavírus na China, a startup de inteligência artificial BlueDot detectou a doença e os locais onde iria se espalhar. O alerta poderia ser dado antecipadamente para toda sociedade, porém a tecnologia...

ler mais

junte-se ao mercado