“Observe os sinais”

set/2021

“Observe os sinais…” essa é a frase que eu mais escutei esse ano e que tem impactado e mudado a minha vida. Ela tem me auxiliado a compreender o que o universo e Deus tem me mostrado e, além disso, aceitar cada coisa que tem acontecido e buscando o sentido para elas. Desde a pandemia, muito tem se falado sobre empatia e resiliência, mas e sobre observar os sinais (do mundo, das pessoas, dos eventos…), você já pensou?

Neste sentido, a reflexão que eu trago é, muito mais do que sobreviver e aceitar aos fatos, devemos buscar os motivadores e causadores de tudo. Afinal, você já refletiu o porquê coisas ruins, mesmo sendo péssimas, podem acontecer na nossa vida? Já buscou analisar o que de bom àquilo pode estar te trazendo? Ou melhor, que aquele fato ruim, na verdade, nem é tão ruim a ponto que não possa piorar? Então é sobre isso que eu quero falar.

No meu segundo artigo trouxe sobre o meu processo de descoberta da fé. E essa fé tem mudado muito essa Fred que está aqui escrevendo, tem auxiliado ela a enxergar o copo sempre “meio cheio” e não “meio vazio”. De certa forma, isso ajuda a gente a enfrentar a vida e cada obstáculo de forma mais leve, com a certeza de que sairemos mais fortes de tudo. Observar o copo “meio cheio” é, para mim, ter a empatia e pensar o quão difícil realmente é a vida de muitas pessoas a ponto de compreender que a minha tem solução e servirá de lição. Vide o nosso recente caso da crise humanitária no Afeganistão.

Além disso, devemos sempre relembrar que nossas escolhas e semeaduras podem estar tendo consequências, mesmo que não as desejadas pela gente. Mas que estas devem ser aceitas e encaradas de frente de forma a pensarmos: o que posso fazer agora para melhorar ou sair dessa.

Mas por que estou trazendo essa reflexão agora? Justamente porque agosto foi um mês difícil, pra mim, para alguns amigos bem próximos e também para conhecidos. E está longe de mim ter o poder de conseguir definir quem esteve pior ou não (até porque só nós mesmos sabemos o peso de nossa dor). Entretanto, trazendo para o que eu vivi, busquei focar ao longo destes 31 dias somente uma coisa: Fred, observe os sinais de tudo isso, na sua vida e fora.

Chego em setembro me sentindo leve e forte. Inicio este mês tendo observado todos sinais que agosto me trouxe: 

    • Sua paz interior vale mais do que qualquer coisa na vida;
    • Tenham amigos verdadeiros e valorize eles;
    • Fujam de energias negativas que só te colocam para baixo (por mais que possa parecer amor ou compaixão, pensem em vocês!);
    • Viva o presente, ame o presente e seja feliz no presente;
    • Olhe para trás e sinta orgulho de quem você é.

É isso que desejo a todos, observem sempre os sinais que Deus manda para a nossa vida, e eles podem vir nos mínimos detalhes!

Fred Mette

Fred Mette

Colunista

Doutora em administração, amante e atuante nas áreas de finanças, marketing, empreendedorismo e inovação. Possui com experiência em consultoria, avaliação de negócios e planejamento estratégico e financeiro. Sócia e idealizadora da U-Plan Startup. Seus interesses de pesquisa incluem, principalmente, psicologia econômica, endividamento e bem-estar financeiro. Atualmente é professora na PUCRS, onde atua como agente de inovação e coordenação de programas de MBAs

Mais artigos

Contagem regressiva – Já?!

Há pouco mais de um mês acompanhávamos as Olimpíadas e depois as Paraolimpíadas. Praticamente todas as competições das modalidades esportivas tinham início após uma contagem regressiva. Esportes como salto ornamental ou tiro esportivo não precediam uma contagem em voz...

ler mais

Tempo a nosso favor

Sempre gostei de me comunicar, ouvir e contar histórias, colocar pra fora ideias, críticas, elogios ou indignações. E quando escolhi trabalhar nas diferentes áreas da comunicação e do marketing, esse meu prazer só foi aumentando. Com o advento das mídias sociais,...

ler mais

Valeu pelo seu post colorido de junho! A galera lgbtqia+ agradece! Mas nos outros meses o que você tem feito de verdade para combater o preconceito? Que tal começar pelos “simples” discursos que só potencializam homofobia, transfobia & bifobia?

“Você é gay?” “Como você virou lésbica?” Vem cá, alguém fica perguntando por aí se você é hétero? Como você virou hétero ou com quantos anos você decidiu ser hétero? Como foi falar para seus pais? Então se toca e pare de ser desnecessári@. “Mas bissexual, pansexual,...

ler mais

Nem tudo é o que parece ser

“Ao nascer, foi entregue para adoção por sua mãe solteira. Na escola, destacou-se tanto pela inteligência como pela indisciplina e molecagem. Aos 15 anos, teve um primeiro emprego na HP, comprou um carro velho e passou a fumar maconha. Aos 19, descalço, vegetariano...

ler mais

uma curtição chamada São João

Pelo segundo ano consecutivo, não será possível sentir os aromas das festas juninas nas ruas ou em espaços onde costumávamos “pular a fogueira” ou “dançar a quadrilha”. Assim como o trabalho e os estudos, as celebrações tradicionais tiveram que se transformar,...

ler mais

Viagem a um passado presente

Meio do ano chegando e a gente começa a avaliar o que fizemos da vida (ou o que ela fez de nós) na primeira metade de 2021. São tantas coisas a dizer – e a escrever – e, por isso, vou me ater ao último mês: maio. As efemêrides são elementos quase obrigatórios do mundo...

ler mais

junte-se ao mercado