Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

maio/2024

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora muitas vezes se revela como uma relação de conveniência, onde o que importa são os ganhos materiais e as vantagens que cada parte pode obter.

O pix, sistema de pagamento instantâneo que revolucionou a forma como lidamos com transações financeiras, serve como metáfora para esses relacionamentos baseados em interesses. Assim como uma transferência rápida e prática de dinheiro, essas relações podem parecer eficientes e funcionais à primeira vista, mas carecem da essência e da profundidade que caracterizam o verdadeiro amor.

A troca de favores, o dar e receber em busca de benefícios mútuos, torna-se o centro dessas relações. Não há espaço para a entrega desinteressada, para a empatia verdadeira, para a cumplicidade e o companheirismo que sustentam um relacionamento saudável e duradouro. O que existe é apenas a conveniência, o interesse disfarçado de afeto, o egoísmo camuflado de cuidado.

E quando os interesses se desgastam, quando as vantagens se tornam escassas ou insuficientes, tudo desmorona. A ilusão de amor se desfaz, e o que resta são as mágoas, as decepções e a sensação de vazio deixada por uma relação que nunca foi verdadeira. Não era amor, era apenas um negócio disfarçado de relação, uma barganha emocional que não resistiu à prova do tempo.

É importante refletir sobre a natureza dos nossos relacionamentos e questionar se estamos realmente construindo conexões baseadas em valores e sentimentos genuínos, ou se estamos apenas reproduzindo padrões de conveniência e interesse mútuo. O verdadeiro amor vai além do pix, vai além das transações materiais e das trocas superficiais. Ele se sustenta na reciprocidade, na compreensão, no respeito mútuo e na dedicação sincera de ambos os envolvidos.

Portanto, que possamos reconhecer a diferença entre o amor e o pix, entre a verdadeira conexão emocional e a relação por interesse. Que possamos cultivar relações autênticas, baseadas no respeito, na admiração e no cuidado mútuo, para que possamos vivenciar o verdadeiro significado do amor, longe das conveniências e das ilusões que o mundo moderno tantas vezes nos impõe.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

CEO da Youpper Insights, professor universitário da ESPM, mestre em comunicação pela Cásper Líbero, publicitário e, principalmente, provocador de mudanças e aceleração social.

Mais artigos

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

O furar bolhas necessário se cada dia

Você ainda acredita que furar bolhas é mimimi? Acorde, viu! Furar bolhas é fundamental para se tornar um profissional completo e capaz de agregar valor em sua área de atuação. Ao se manter restrito em um determinado ambiente, sem buscar experiências e conhecimentos...

ler mais

O que o povo não sabe, não destrói.

Ei! O que você anda postando em redes sociais digitais? Até que ponto é válido postarmos tudo o que fazemos? Bora refletir. Em tempos de redes sociais digitais, é comum nos depararmos com a tentação de compartilhar cada detalhe de nossa vida online. No entanto, é...

ler mais

Crescer é ótimo! Mas você está preparado para isso?!

Diz aí! Qual a sua meta para 2024? Sabemos que o planejamento é a chave para evitar quedas e garantir a fidelização dos clientes, pois é através dele que antecipamos desafios, identificamos oportunidades e construímos estratégias sólidas para manter o sucesso...

ler mais

junte-se ao mercado