Viagem a um passado presente

maio/2021

Meio do ano chegando e a gente começa a avaliar o que fizemos da vida (ou o que ela fez de nós) na primeira metade de 2021. São tantas coisas a dizer – e a escrever – e, por isso, vou me ater ao último mês: maio.

As efemêrides são elementos quase obrigatórios do mundo da comunicação, em especial da publicidade. Fazer uso de datas comemorativas é quase que o “beabá” das estratégias de vendas.

O mês já começa com um feriado – Dia do Trabalhador. Na sequência, vem o Dia das Mães, data que era uma das mais rentáveis do comércio antes da pandemia. Outra data histórica do mês cinco é o 13 de Maio, Dia da Abolição da Escravatura – celebração polêmica, já que grande parcela da população brasileira (especialmente a negra) reforça que o protagonismo do acontecimento não deve ser dado à uma princesa branca (Isabel) e sim à comunidade preta que já vinha lutando por sua liberdade. Com bem menos ruídos, dia 24 de maio comemoramos o Dia do Vestibulando, bem no período no qual muitos(as) jovens estão se organizando para as provas avaliativas do segundo semestre.

Interessante começar essa minha breve linha do tempo com o Dia do Trabalhador e encerrá-la com o Dia do Vestibulando… Como professor universitário, acompanho diariamente alunas e alunos sedentos por conhecimento e, ao mesmo tempo, com expectativa pra lá de uma arranha-céu com relação ao mercado de trabalho. E o que esperar desse mercado?

Tivemos evoluções e involuções. A economia brasileira sofreu menos com o recrudescimento da pandemia neste início de 2021, em relação ao impacto verificado em março e abril do ano passado. Indicadores de atividade deste ano mostram que a queda da atividade em março ficou abaixo do esperado e foi seguida por recuperação em abril e início de maio.

Ainda assim, os números estão praticamente no mesmo patamar do final do ano passado, e as perspectivas são de uma retomada forte apenas no segundo semestre, com o avanço no programa de vacinação contra a Covid-19.

A recente divulgação dos dados de março da indústria e do comércio contribuiu para que vários economistas revisassem para cima as projeções de crescimento neste ano. Além disso, o Brasil está se beneficiando do forte ritmo de crescimento das duas maiores economias mundiais – Estados Unidos e China – e de um cenário externo que conta ainda com valorização de moedas emergentes e alta no preço de commodities agrícolas e minerais. Isso já se reflete, por exemplo, no dólar.

Infelizmente fomos surpreendidos pelo adiamento da vacinação e inúmeras explicações são noticiadas diariamente. Isso afeta muito a retomada da economia e, inclusive, as campanhas de comunicação que estão no ar ou “no forno”, prestes a serem veiculadas.

Ainda assim, instituições como o Itaú Unibanco revisaram a projeção de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) de 2021 de 3,8% para 4%. Os números estão bem acima do consenso de mercado (3,1%), segundo a pesquisa Focus do Banco Central. A instituição espera crescimento de 0,4% no primeiro trimestre e queda de 0,1% no segundo, na comparação trimestral.

Mas será que esta gangorra de números fará diferença em nossa rotina? Será que o próximo feriado será uma oportunidade de vendas? Será que os vestibulares do segundo semestre atingirão suas metas? Será que cada mais faixas etárias menores serão contempladas com vacinação contra o coronavírus?

Será que no próximo artigo estarei fazendo abordagens mais otimistas?

Uma coisa é fato: temos que analisar o passado, viver da melhor maneira o presente e construir aquilo que esperamos para o futuro.

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

O furar bolhas necessário se cada dia

Você ainda acredita que furar bolhas é mimimi? Acorde, viu! Furar bolhas é fundamental para se tornar um profissional completo e capaz de agregar valor em sua área de atuação. Ao se manter restrito em um determinado ambiente, sem buscar experiências e conhecimentos...

ler mais

O que o povo não sabe, não destrói.

Ei! O que você anda postando em redes sociais digitais? Até que ponto é válido postarmos tudo o que fazemos? Bora refletir. Em tempos de redes sociais digitais, é comum nos depararmos com a tentação de compartilhar cada detalhe de nossa vida online. No entanto, é...

ler mais

junte-se ao mercado