2023 – O Consumidor do Futuro e a Nova Era da Indústria

jan/2023

Anualmente institutos de pesquisa em todo mundo produzem e compartilham estudos de tendências que ditarão comportamentos sociais e mercadológicos para o novo ano. Baseados em pesquisas, movimentações políticas e econômicas, observações e condutas geracionais, esses relatórios são utilizados por profissionais das mais diversas áreas para, entre tantos usos, a elaboração de planejamentos estratégicos, táticos e operacionais.

Autoridade global na previsão de tendências de consumo, a WGSN (Worth Global Style Network) apresentou recentemente o paper Consumidor do Futuro 2023, correlacionando o perfil do consumidor contemporâneo, aos sentimentos dominantes na atualidade.

Classificados como Antecipadores, Novos Românticos, Inconformados e/ou Condutores, os consumidores ainda são reflexos das incertezas dos anos que precederam, com acúmulo de sobrecarga emocional, anseios e insegurança que ficaram.

Diante da constatação de que a forma como se compra/adquire está diretamente ligada as experiências vividas e as perspectivas de futuro redesenhadas, os sentimentos tornara-se essenciais no entendimento, proporcionando cruzamentos estratégicos para a sociedade e profissionais das mais diversas áreas.

Apresentados pela WGSN como os “principais propulsores de comportamento que irão impactar a mentalidade dos consumidores em 2023”, a Apatia, Esperança, Percepção do Tempo e Motivação Cautelosa foram classificadas como as 4 principais características do consumidor moderno, oferecendo um cenário de previsões sobre o que será esperado e exigido na hora do consumo.

Sofisticado em suas análises, o que fica latente ao longo de todo estudo é o poder transformador que a pandemia gerou na sociedade, impactando diretamente na compreensão da memória, consciência do presente e instrução do futuro, moldando as relações nos mais diversos âmbitos, cenários e camadas sociais.

Por tantas mudanças abruptas, 2023 – classificado como uma nova era da indústria, consolida que a sociedade pode – e quer – estar em dois lugares ao mesmo tempo mediante o uso da tecnologia. As formas de trabalho foram transformadas de forma acelerada para atender a uma demanda urgente, mas agora vivem o amadurecimento dos seus formatos e a demanda crescente, tão forte a ponto de mudar expectativas de gerações inteiras e diversas. 

Por outro lado, para suprir o esvaziamento afetivo que a tecnologia impulsionou nas relações econômico-laborais, o toque, a conexão e as habilidades sociais de caráter sutil, estarão como diferenciais de destaque nas relações interpessoais e de consumo. Ponto forte para atenção e investimento de marcas e empresas que desejem se destacar.

Fato é que durante um longo período ainda ‘colheremos’ os reflexos dos últimos anos sobrevividos, em confluência com as transformações naturais de uma sociedade cada vez menos presente e mais futuro.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Rodrigo Almeida

Rodrigo Almeida

Colunista

Relações Públicas, Mestre em Gestão e Tecnologia Industrial, Professor Universitário e Diretor da agência CRIATIVOS.

Mais artigos

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

O furar bolhas necessário se cada dia

Você ainda acredita que furar bolhas é mimimi? Acorde, viu! Furar bolhas é fundamental para se tornar um profissional completo e capaz de agregar valor em sua área de atuação. Ao se manter restrito em um determinado ambiente, sem buscar experiências e conhecimentos...

ler mais

O que o povo não sabe, não destrói.

Ei! O que você anda postando em redes sociais digitais? Até que ponto é válido postarmos tudo o que fazemos? Bora refletir. Em tempos de redes sociais digitais, é comum nos depararmos com a tentação de compartilhar cada detalhe de nossa vida online. No entanto, é...

ler mais

junte-se ao mercado