A bunda de Papai Noel

dez/2018

Passei a semana olhando a bunda de Papai Noel. Todo mundo olha a barba e a barriga, repara no gorro e na cadeira onde está sentado, olha de soslaio para a decoração em volta, mas ninguém repara na bunda. Para corrigir esse imperdoável desleixo é que fui de shopping em shopping aguardando o velho levantar para ver seus glúteos e confirmar a minha teoria que se Papai Noel é bundão no imaginário que herdamos da indústria cultural americana, no Brasil e em especial na Bahia, Papai Noel é um desbundado. Não tem bunda. Simula a barriga com almofadas e tenta encher a bunda com outros subterfúgios, mas nada tão ostensivo quanto a bunda indecente do Papai Noel da Coca Cola.

Você leitor sabe como o Papai Noel de nosso imaginário se tornou um bundão? Escrevi certa feita, já faz um bom tempo, ao respeito. Reproduzo aqui alguns trechos: “É bochechudo, pançudo e bundão, e não temos culpa disso. Recebemos ele pronto: design americano, que começou como uma representação do bispo Nicolau, com traços de caricatura, no século XIX, popularizado em revistas, para mais tarde ganhar feições mais suaves e definidas e, nesse contexto, um biótipo redondo”.

“Um perfil estético que jamais seria brasileiro. Se a representação do Papai Noel fosse arte nossa – imaginem vocês o bom velhinho no lápis de Agostini, Julião Machado, K-Listo, J. Carlos, ou mesmo Ziraldo__ certamente que teria menos bochechas e, com certeza, menos barriga e menos glúteos… Foi Thomas Nast, americano de sangue batavo, quem vulgarizou a figura através de suas caricaturas no Harper’s Weekley, a partir de 1.862. O traço de Nast mostra um personagem sisudo, meio gnomo, quase um duende”.

“A indústria do cigarro foi o primeiro segmento publicitário a divulgar no Brasil a figura de Papai Noel, que aparecia sempre fumando. Tinha sentido a ilação já que Nast, na sua representação do Bispo Nicolau, preservara-lhe o cachimbo original, conforme descrito por Washington Irving em 1808 e mais tarde, em 1822, por Clement Clark Morre no seu poema: The Nigth Before Christmas… Mas o Papai Noel que a Souza Cruz nos apresentou na capa de seu house-organ, edição de dezembro de 1916, era tipicamente americano, de traços suaves, muito semelhante ao desenhado por Haddon Sudblon, a pedido da Coca-Cola em 1931”.

“Justiça seja feita a Sudblon, não foi ele o primeiro a engordar e arredondar o Papai Noel. O ilustrador J. C. Leyendecker já exagerava nas proporções. Desde a década de 20 apresentava Santa Claus de fato obeso, barriga proeminente e bunda farta para equilibrar do outro lado. Norman Rockwell manteve o protótipo até inícios da década de 30 quando Sudblon desenvolveu o modelo que a Coca-Cola, com a sua cobertura e frequência de mídia, popularizaria mundo afora. O resto a indústria cultural americana encarregou-se de distribuir e difundir em todo o planeta. Tornando para sempre, e enquanto o mundo existir, Papai Noel bochechudo, pançudo e bundão”.

O Papai Noel sem bunda__ na publicidade, ou na ação promocional do shopping__ o baiano até que perdoa, mas não perdoa o Papai Noel com pouca barba ou menos obeso do que deve ser e não perdoa o Papai Noel sem o ridículo Ho Ho Ho, quanto mais ridículo melhor. Para falar verdade começo a duvidar de minhas convicções. Não tenho certeza se o Papai Noel é bundão, ou, bundão sou eu, somos nós.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Puskas e a liderança em tempos de lifelong learning

Durante minha participação na Conferência Global da AMBA (Association of MBAs) em Budapeste, na Hungria, lembrei de Ferenc Puskás, ícone do futebol dos anos 1950. Para os mais jovens, isso pode parecer estranho, mas explico a relação. Não vi Puskás jogar, mas nasci...

ler mais

Está na moda ser publicitário de novo. E você sabe porquê?

Você sabe como os influenciadores ganham dinheiro? E quem paga a assinatura da Netflix pela metade do preço? E aquele post sensacional do prédio novo? E o vídeo do mais novo lançamento da Apple? E a ação de marketing do novo carro da Tesla? Pois é meus amigos e minhas...

ler mais

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

IA na Publicidade: Estímulo ou Ameaça à Criatividade? 

O mundo da publicidade vive uma revolução com o avanço da Inteligência Artificial (IA), especialmente no campo da IA generativa (GenAI), que traz uma disrupção para a forma como o trabalho criativo e analítico é feito. Isso gera desejo e medo nos profissionais da...

ler mais

Seja bem-vinda Madonna, e volte mais vezes.

Sou educado, mas não me julgue, pois não assisti ao show ou me empolguei com a artista no Brasil. Motivo – não gosto muito desse tipo de evento miraculoso, que envolve mais encenação do que recursos e talentos em si. Todavia, isso não invalida a minha noção de que a...

ler mais

WEB SUMMIT: o que o summit dos summits resolve pro Brasil?

Para saber agora mesmo se você faz parte da bolha dos bem-sucedidos é simples: abra o LinkedIn e veja se no seu feed alguma das últimas cinco publicações é sobre o Web Summit.O summit dos summits aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio, no Rio de Janeiro. Nos palcos,...

ler mais

junte-se ao mercado