A modernização de empresas tradicionais é possível?

set/2019

Já inicio o texto com a resposta a esta inquietante provocação: Não só é possível, como é necessária. No segundo mandato à frente da Santa Casa da Bahia, com 470 anos de história, posso lhes dizer que modernizar processos,  imagem, tecnologias e pensamentos, são fundamentais para toda organização que está no mercado e pretende ter um futuro longínquo. Afinal, seja qual for a área de atuação, mas sobretudo no campo da saúde, a concorrência e os avanços não esperam.

 

As empresas mais tradicionais têm o desafio de se atualizar e essa não costuma ser uma tarefa fácil, nem simples. É um processo que requer investimento e leva tempo. As instituições seculares, por exemplo, normalmente são formadas por profissionais experientes, mas nem sempre atualizados. A atração de jovens profissionais, participando e contribuindo com novas ideias, tende a contribuir para acelerar mudanças. Ter à frente gestores atualizados, independente da idade, é fundamental para conduzir este processo entre diferentes gerações. Uma gestão que entenda a importância da modernização, mas que também saiba lidar com os desafios que fatalmente serão encontradas no caminho, é fundamental.

 

E não me refiro, necessariamente, a mudanças bruscas de posicionamento. É possível modernizar-se sem perder a tradição, a fim de sobreviver de forma competitiva no mercado. A chegada das startups, a velocidade das mudanças, a entrada de capital estrangeiro, a explosão de aplicativos e recursos tecnológicos em geral… Este cenário exige criatividade e a implementação de inovações, complementando e atualizando o modelo de negócio tradicional.

 

Muitos são os exemplos de empresas tradicionais que não se adaptaram e se tornaram obsoletas, mas as que entenderam a importância de atender às novas demandas dos consumidores e do mercado, se consolidaram mais fortes do que nunca. O setor hoteleiro, de transporte e os bancos, por exemplo, tiveram que se adaptar às novas demandas dos consumidores, modernizando-se. No setor da saúde e na área social não é diferente.

 

É preciso estar atento às demandas e necessidades do consumidor, agir local e pensar global. Esta deve ser a nova mentalidade da cultura corporativa. Estar atualizado, estabelecer parcerias, buscar certificações de credibilidade, envolver e estimular colaboradores são partes fundamentais deste processo.

 

E como falar em inovação sem digitalização? A transformação digital é uma realidade necessária para todas instituições. Para se manter competitivo, é necessário unir tecnologia e competência humana, oferecendo modernidade, como é o caso da cirurgia robótica, da certificação HIMSS (Hospital sem Papel), da própria acreditação internacional – com protocolos atualizados e exigentes, mas que focam no principal: a segurança do paciente.

 

Desta forma, é oferecida uma melhor experiência de consumo, melhora-se a eficiência em processos, percebe-se resultados mais efetivos e aumenta-se a participação no mercado, garantindo uma modernização consciente, planejada e bem sustentada.

 

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).  
Mais artigos

O que a vida quer da gente é coragem

Ultimamente, venho utilizando este espaço não apenas para discutir temas relacionados à carreira e ao mercado, mas também para entrelaçar esses olhares a outras percepções sobre a vida. Afinal, é dessa forma que vejo as coisas e acredito que isso pode ressoar em...

ler mais

Puskas e a liderança em tempos de lifelong learning

Durante minha participação na Conferência Global da AMBA (Association of MBAs) em Budapeste, na Hungria, lembrei de Ferenc Puskás, ícone do futebol dos anos 1950. Para os mais jovens, isso pode parecer estranho, mas explico a relação. Não vi Puskás jogar, mas nasci...

ler mais

Está na moda ser publicitário de novo. E você sabe porquê?

Você sabe como os influenciadores ganham dinheiro? E quem paga a assinatura da Netflix pela metade do preço? E aquele post sensacional do prédio novo? E o vídeo do mais novo lançamento da Apple? E a ação de marketing do novo carro da Tesla? Pois é meus amigos e minhas...

ler mais

IA na Publicidade: Estímulo ou Ameaça à Criatividade? 

O mundo da publicidade vive uma revolução com o avanço da Inteligência Artificial (IA), especialmente no campo da IA generativa (GenAI), que traz uma disrupção para a forma como o trabalho criativo e analítico é feito. Isso gera desejo e medo nos profissionais da...

ler mais

Seja bem-vinda Madonna, e volte mais vezes.

Sou educado, mas não me julgue, pois não assisti ao show ou me empolguei com a artista no Brasil. Motivo – não gosto muito desse tipo de evento miraculoso, que envolve mais encenação do que recursos e talentos em si. Todavia, isso não invalida a minha noção de que a...

ler mais

junte-se ao mercado