A sub-representação racial no jornalismo impresso e os seus impactos socioculturais e políticos

out/2023

Publicado em maio de 2023, a pesquisa ‘Raça, gênero e imprensa: quem escreve nos principais jornais do Brasil?’, elaborado pelo Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEEMA), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Instituto de Estudos Sociais e Políticos, revelou uma situação desconfortável nos pontos de inclusão e diversidade entre os principais jornais impressos do país.

Com o objetivo de identificar qual o perfil racial e de gênero das pessoas que escrevem nos três principais jornais em circulação, assim como reconhecer os espaços por elas ocupados e quais conteúdos abordados por cada um(a), o estudo revelou, logo “de cara”, que apenas 36,6% das profissionais de jornalismo em atividade nesses veículos, são mulheres.

Ponto de observação: das 1200 pessoas analisadas, apenas 1 pessoa, ou seja, 0,08% da amostra, se identifica como mulher trans.

Ainda mais complexo e preocupante está a distribuição racial por jornal. Segundo a pesquisa, 84,4% dos colaboradores são brancos, seguidos de pardos (6,1%), pretos (3,4), amarelos (1,8%) e indígenas (0,1%). Se afunilarmos essa pesquisa para a equipe editorial, descobrimos que 93% dos(as) editores(as), ou seja: aquelas pessoas que decidem as pautas e publicações, são pessoas brancas.

Assustador em todas as esferas, os números apresentados na pesquisa refletem o quanto a diversidade, por mais que promovida em campanhas e iniciativas nacionais, ainda está longe de ser realidade. Se entendermos que a ausência de equilíbrio de gênero e raça nas esferas do quarto poder, afeta a forma como o contexto da comunicação é construída, compreendemos que no fim, somos todos consumidores de conteúdos escolhidos por homens e homens brancos.

Com impacto direto na forma como a sociedade se reconhece e constrói as suas narrativas, a ausência de diversidade nos mais diversos ambientes – como já citei no artigo ‘Racismo algorítmico e os desafios da inteligência artificial’ ao explicar o efeito da ausência de diversidade entre programadores e desenvolvedores –, provoca a invisibilidade em pautas, estéticas, tecnologia, potências, descobertas e fragilidades de temas centrais e essenciais para os avanços da contemporaneidade.

Pensar sociedade sem entender a exigência de variados discursos, espaços, inclusão e percepções associados à diversidade, é manter-se em estado negação a inovação, perda financeira e fracasso social.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Rodrigo Almeida

Rodrigo Almeida

Colunista

Relações Públicas, Mestre em Gestão e Tecnologia Industrial, Professor Universitário e Diretor da agência CRIATIVOS.

Mais artigos

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

O furar bolhas necessário se cada dia

Você ainda acredita que furar bolhas é mimimi? Acorde, viu! Furar bolhas é fundamental para se tornar um profissional completo e capaz de agregar valor em sua área de atuação. Ao se manter restrito em um determinado ambiente, sem buscar experiências e conhecimentos...

ler mais

O que o povo não sabe, não destrói.

Ei! O que você anda postando em redes sociais digitais? Até que ponto é válido postarmos tudo o que fazemos? Bora refletir. Em tempos de redes sociais digitais, é comum nos depararmos com a tentação de compartilhar cada detalhe de nossa vida online. No entanto, é...

ler mais

junte-se ao mercado