Antecipação precoce

nov/2018

Vivemos antecipadamente o que deveria ter outro tempo. Tornou-se uma prática tão comum que mal nos damos conta disso. Antecipamos o natal com os shoppings center exibindo as suas decorações de época desde a última semana de outubro; antecipamos o Black-Friday na tentativa de ampliar o que se imagina seja o potencial da data; antecipamos o Réveillon e quando janeiro chegar já estaremos antecipando o Carnaval que em 2019 será em março. E de antecipação em antecipação a vida vai e a vida vêm e toda pressa faz sentido, esse é justamente o problema.

O síndrome da antecipação precoce não tem possibilidade de tratamento e por isso mesmo não tem cura e é tão grave que agora mesmo, três semanas transcorridas da eleição de 2018, já tem gente pensando na de 2020 e em especial na de 2022; gente em euforia e outros sofrendo, estão ai as redes sociais que não me deixam mentir. É mais do que antecipação precoce e nem percebemos que o excesso de expectativas é a própria falta delas.

E assim logo mais estaremos inaugurando um novo ano com poucas perspectivas para a comunicação social que de social não tem mais nada a não ser o nome bonito e hipócrita, tão distante da realidade, que alguém colocou nos distantes anos 60 ou 70 do século passado, se enganado não estou.

Perspectivas sombrias de um lado para o jornalismo político que terá se adaptar à nova realidade da comunicação pelo presidente eleito totalmente direcionada para as redes sociais. E ninguém precisa jogar os búzios para saber que a imprensa e os jornalistas vão receber muitas bordoadas e caneladas de nosso presidente eleito, bem ao estilo Trump que por esses dias distribuiu mais algumas para os repórteres da CNN. Quem mandou provocar o homem, é muito topete.

As coisas podem ser piores para o mercado publicitário e os veículos de comunicação. Seguramente, e isso já foi anunciado, que as verbas de publicidade do governo federal devem diminuir, além da dos governos estaduais que iniciam mandato e precisam mostrar alguma austeridade. As agências de publicidade devem sentir os efeitos na pele e no osso e os veículos de comunicação que dependem muito dessas verbas___ radio e sites de noticias em especial____ vão sentir no fígado.

A publicidade governamental criou um círculo vicioso e pernicioso do qual é difícil sair. Eu programo seu veículo que precisa falar bem de mim governo, ou pelo menos pegar mais leve quando eu governo errar. E eu veículo, sim senhor você tem razão, apoio você o governo desde que você pague minhas contas; o lucro eu vou buscar junto à iniciativa privada.

Outros tempos? Balela. É o mesmo tempo fora do tempo. Fico por aqui e já peço desculpas pela minha previsão precoce.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Está na moda ser publicitário de novo. E você sabe porquê?

Você sabe como os influenciadores ganham dinheiro? E quem paga a assinatura da Netflix pela metade do preço? E aquele post sensacional do prédio novo? E o vídeo do mais novo lançamento da Apple? E a ação de marketing do novo carro da Tesla? Pois é meus amigos e minhas...

ler mais

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

IA na Publicidade: Estímulo ou Ameaça à Criatividade? 

O mundo da publicidade vive uma revolução com o avanço da Inteligência Artificial (IA), especialmente no campo da IA generativa (GenAI), que traz uma disrupção para a forma como o trabalho criativo e analítico é feito. Isso gera desejo e medo nos profissionais da...

ler mais

Seja bem-vinda Madonna, e volte mais vezes.

Sou educado, mas não me julgue, pois não assisti ao show ou me empolguei com a artista no Brasil. Motivo – não gosto muito desse tipo de evento miraculoso, que envolve mais encenação do que recursos e talentos em si. Todavia, isso não invalida a minha noção de que a...

ler mais

WEB SUMMIT: o que o summit dos summits resolve pro Brasil?

Para saber agora mesmo se você faz parte da bolha dos bem-sucedidos é simples: abra o LinkedIn e veja se no seu feed alguma das últimas cinco publicações é sobre o Web Summit.O summit dos summits aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio, no Rio de Janeiro. Nos palcos,...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

junte-se ao mercado