As presepadas de dezembro

dez/2017

Comemoramos em 04 de dezembro o Dia Mundial da Propaganda, mas, também reverenciamos Santa Bárbara, no sincretismo do povo de santo, Iansã, o orixá hoje mais popular que a santa de Nicodemia e os calendários de datas supostamente importantes nos informam que é também o dia do pedicuro e dia do orientador educacional, qualquer coisa que isso venha a ser. Penso que seja o professor, mas imagino que seja alguma coisa de mais status, para confundir, em resumo uma presepada.

Não acho ruim essa mania de elevar as profissões, o problema é que se degrada o profissional. Quando você chama a empregada domestica de secretaria do lar, você inferioriza a secretaria que tem outro lastro cultural. E quando você transforma o vendedor em consultor você degrada o consultor que não é vendedor porra nenhuma, é um especialista numa área, mesmo que seja de marketing, na qual ele possui um conjunto de conhecimentos que lhe possibilita aconselhar.

Retomando o fio da meada, celebramos o Dia Mundial da Propaganda que na minha opinião tem a mesma importância para a classe publicitária que o dia do astrônomo. Primeiro por que é uma festa argentina, criada pelos argentinos e que nos, numa dessas presepadas sem lastro, transformamos em Dia Mundial e nem sabemos o que é que se comemora mesmo. A melhor referência que temos disso é fisiológica. É o fígado que lembra cachaça ou cerveja e o estômago que lembra comida e o cérebro vaga.

Prefiro a festa de Santa Bárbara e sou mais comemorar o dia do pedicuro, a pesar do nome feio, muito feio, do profissional que cuida dos pés, por que será? Se os pés são o nosso equilíbrio e quem mora em lugares de rigoroso inverno sabe o que valem pés aquecidos e o risco de pés gelados. E um pé bem cuidado e bem massageado, pelo amor de Deus, lhe torna mais feliz que criar uma campanha brilhante, ou, admirar o anuncio dos outros, vamos convir. Viva o pedicuro! E que Santa Bárbara nos proteja de todo mal e toda presepada.

De todas as presepadas de dezembro ainda me animo com os inimigos e amigos secretos, ainda não inventamos uma forma melhor de confraternizar. Não me parece um traço cultural brasileiro, adotamos isso provavelmente dos americanos, nem vou me dar o trabalho de pesquisar. Desconfio que por trás dos amigos secretos esteja um marqueteiro, a ideia é lhe obrigar a comprar mais um presente para quem você não imaginava e ganhar um de quem você não pensava. Ganha o comércio e perde você.

De minha parte comemorei o Dia Mundial da Propaganda a rigor, louvando Santa Bárbara no Pelô e degustando o caruru do mercado. Eparrei!

 

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

O que a vida quer da gente é coragem

Ultimamente, venho utilizando este espaço não apenas para discutir temas relacionados à carreira e ao mercado, mas também para entrelaçar esses olhares a outras percepções sobre a vida. Afinal, é dessa forma que vejo as coisas e acredito que isso pode ressoar em...

ler mais

Puskas e a liderança em tempos de lifelong learning

Durante minha participação na Conferência Global da AMBA (Association of MBAs) em Budapeste, na Hungria, lembrei de Ferenc Puskás, ícone do futebol dos anos 1950. Para os mais jovens, isso pode parecer estranho, mas explico a relação. Não vi Puskás jogar, mas nasci...

ler mais

Está na moda ser publicitário de novo. E você sabe porquê?

Você sabe como os influenciadores ganham dinheiro? E quem paga a assinatura da Netflix pela metade do preço? E aquele post sensacional do prédio novo? E o vídeo do mais novo lançamento da Apple? E a ação de marketing do novo carro da Tesla? Pois é meus amigos e minhas...

ler mais

IA na Publicidade: Estímulo ou Ameaça à Criatividade? 

O mundo da publicidade vive uma revolução com o avanço da Inteligência Artificial (IA), especialmente no campo da IA generativa (GenAI), que traz uma disrupção para a forma como o trabalho criativo e analítico é feito. Isso gera desejo e medo nos profissionais da...

ler mais

Seja bem-vinda Madonna, e volte mais vezes.

Sou educado, mas não me julgue, pois não assisti ao show ou me empolguei com a artista no Brasil. Motivo – não gosto muito desse tipo de evento miraculoso, que envolve mais encenação do que recursos e talentos em si. Todavia, isso não invalida a minha noção de que a...

ler mais

junte-se ao mercado