Bahia: Cidade da Música

out/2016

Na Bahia a música está sempre em movimento. Aqui acontece o movimento da música, fazendo dessa cidade, uma cidade repleta de notas musicais.

Foi CAYMMI quem primeiro internacionalizou a música baiana, na voz de Carmen Miranda, fazendo os Estados Unidos cantar: “ o que é que a baiana tem “.

JOÃO GILBERTO inventou a Bossa Nova e a partir desse dia, o Brasil que só exportava matéria prima, começou a exportar arte, o mais alto grau da criação humana.O Trio Elétrico, um palco que anda, é uma invenção baiana, que mudou a maneira de brincar o carnaval e foi decisivo para que depois surgisse uma indústria da música na Bahia. E nessa sequência também foi inventada uma guitarra, a baiana, com muito dendê nas cordas. Instrumento que só se vê na Bahia. Viva Dodô e Osmar!

A Tropicália não existiria sem os baianos: Tom Zé, Caetano, Rogério Duarte, Gil , Capinan, Gal, que perderam o medo, criaram e experimentaram, misturando símbolos e signos, a ponto de incorporar o Hino do Senhor do Bonfim ao seu repertório de modernidade. A Tropicália chegou derrubando barreiras e preconceitos, fazendo da música atitude política e de comportamento. Caetano e Gil acabaram exilados pelo Regime militar, mas o movimento da música não parou e os anos setenta chegaram com os Novos Baianos e com esta cidade da Bahia sendo imaginário do mundo, apesar da repressão do regime militar. Todo mundo andava por estas bandas. Vinicius morava em Itapuã, Gil e Caetano voltaram do exílio, circulavam por aqui Jack Nicholson, Roman Polanski, Cat Stevens, Robert de Niro, Michael Douglas, Janis Joplin. Janis esteve aqui, com passagem por Salvador e Arembepe, tomou banho de mar no Rio Vermelho e chegou a cantar num bordel da cidade, próximo ao largo 2 de julho..

Os Novos Baianos a partir de um encontro com João Gilberto, fundiram o samba ao rock e Acabou Chorare virou um dos 10 discos mais importantes do século XX.

Moraes Moreira dando sequência a esse movimento da música, deu voz ao trio elétrico e mudou de novo o carnaval, abrindo caminho para uma legião de novos artistas, que tiveram o trio como veículo para que suas músicas alcançassem as massas. O som na Praça Castro Alves era o máximo e por lá circulavam entre a multidão Caetano, Gil, Torquato, Dedé , Jorge Mauther, Bethânia, Maria Alcina,Macalé, Sônia Braga entre outros. Era tempo de som na Praça e estar com os pés no chão é que era vip.

Luiz Caldas veio em seguida e inventou o fricote dando início ao movimento da Axé Music, permitindo o surgimento de uma indústria musical na Bahia, e fixando seus artistas na terrinha, que antes disso tinham que morar no Rio ou em São Paulo, se almejassem sucesso na carreira. Os sucessos locais se multiplicaram e o primeiro disco de Luiz caldas, Magia, vendeu meio milhão de cópias. Em mais um movimento as gravadoras inverteram a rota e vieram para a Bahia em busca de novas apostas. Criou-se o mercado baiano de música, ou o mercado da música baiana.

Neguinho do samba inventou o SAMBA REGGAE e trouxe para a Bahia Michael Jackson e Paul Simon, levando a batida do Olodum para o mundo e trazendo o mundo para a Bahia. Coisa de gênio pouco valorizado.E quem é o pai do rock? O pai do rock é RAUL SEIXAS, que inovou com Ouro de Tolo, protestou, criou a Sociedade Alternativa, foi preso, torturado , exilado nos Estados Unidos e quando voltou espalhou sucessos por todo o Brasil.E o que dizer do Samba?

O samba nasceu na Bahia, nos engenhos do recôncavo, a matriz é o samba chula.Por todos estes fatos, a Bahia por si só, a Bahia é a Cidade da Música..
Sérgio Siqueira

Sérgio Siqueira

Sérgio Siqueira

Colunista

Formado em Administração de Empresas pela Ufba com especialização em programação visual , marketing institucional , propaganda e eventos. Gerente de Criação e Produção e desenvolvimento de projetos e campanhas institucionais e culturais da Rede Bahia.

Mais artigos

Consumo insustentável na sociedade do excesso

Recentemente, fui convidado pelo Instituto Multiversidad Popular, em Posadas, na capital da Província de Missiones, na Argentina, para falar para os alunos de curso de pós-graduação. A missão da “Multi”, como a instituição é carinhosamente conhecida, é difundir...

ler mais

É PRECISO MAIS QUE AMOR

Mês de junho chegando e, além dos festejos juninos, tem também o 12 de junho, que é a data em que se celebra o amor, entre os namorados, no Brasil. Eu atuo na clínica com casais há quase 20 anos e fiquei refletindo como poderia abordar essa temática, de forma bem...

ler mais

“O que os olhos não vêem o coração não sente”

Sentado no sofá. Deitado na cama. Passando o dedo na tela. Muitas fotos e vídeos. Meio segundo em cada. Vai ser difícil desse jeito a gente virar o jogo. Conhecimento é a chave da consciência. O saber nos leva a um modo irreversível de sensibilidade e sensações. E a...

ler mais

O que a vida quer da gente é coragem

Ultimamente, venho utilizando este espaço não apenas para discutir temas relacionados à carreira e ao mercado, mas também para entrelaçar esses olhares a outras percepções sobre a vida. Afinal, é dessa forma que vejo as coisas e acredito que isso pode ressoar em...

ler mais

Puskas e a liderança em tempos de lifelong learning

Durante minha participação na Conferência Global da AMBA (Association of MBAs) em Budapeste, na Hungria, lembrei de Ferenc Puskás, ícone do futebol dos anos 1950. Para os mais jovens, isso pode parecer estranho, mas explico a relação. Não vi Puskás jogar, mas nasci...

ler mais

junte-se ao mercado