Comemorações Institucionais: 470 anos a serviço do bem

fev/2019

De acordo com dados do Sebrae divulgados no fim do ano passado, o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil é preocupante. A cada quatro abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado. Estes 25% representam não apenas o momento atual, mas, sobretudo, o desafio inerente em gerenciar uma empresa e fazê-la crescer.  Neste cenário, comemorar 470 anos de fundação de uma instituição filantrópica tem um significado muito importante e é motivo de muito orgulho.

 

Desde 1549, a Santa Casa da Bahia está a serviço do bem, ao lado da população baiana, se reinventando e se atualizando na gestão de um projeto que começou há mais de quatro séculos em uma casa de taipa, mas que hoje é mais complexa do que muitas empresas grandes do setor privado. Com unidades de negócio bem estabelecidas em áreas distintas, como saúde, educação, cultura, cemitério e ação social, que formam atualmente um quadro composto por mais de seis mil colaboradores, muitos são os motivos para comemorar.

 

Em um ano de celebração, faz-se necessário planejar uma programação com ações e realizações que marquem o período. É muito comum, por exemplo, desenvolver uma marca comemorativa. Em datas significativas, vale ainda marcar com um selo especial dos Correios. O fundamental mesmo é se comunicar com a sociedade e também com o mercado em geral, que devem saber que este é um ano especial, gerando o reconhecimento esperado.

 

Para isso, vale planejar campanhas e acionar parceiros importantes que, ao longo dos anos, fizeram parte da história da instituição. O relacionamento com o mercado, aliás, é muito importante ser mantido em todo o período, não apenas em anos comemorativos. Assim, a imagem é construída e formada.

 

Em 2018, o Hospital Santa Izabel e o GACC-Ba destacaram suas comemorações e, este ano, o jornal Correio e a Santa Casa. São exemplos de instituições que se planejaram para datas importantes com eventos e projetos ao longo dos meses. Assim, durante todo o ano, é possível desenvolver as diferentes ações relacionadas. Lembre-se: com gestão, dedicação e comunicação, um ano comemorativo tem tudo para ser marcante.

 

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

Consumo insustentável na sociedade do excesso

Recentemente, fui convidado pelo Instituto Multiversidad Popular, em Posadas, na capital da Província de Missiones, na Argentina, para falar para os alunos de curso de pós-graduação. A missão da “Multi”, como a instituição é carinhosamente conhecida, é difundir...

ler mais

É PRECISO MAIS QUE AMOR

Mês de junho chegando e, além dos festejos juninos, tem também o 12 de junho, que é a data em que se celebra o amor, entre os namorados, no Brasil. Eu atuo na clínica com casais há quase 20 anos e fiquei refletindo como poderia abordar essa temática, de forma bem...

ler mais

“O que os olhos não vêem o coração não sente”

Sentado no sofá. Deitado na cama. Passando o dedo na tela. Muitas fotos e vídeos. Meio segundo em cada. Vai ser difícil desse jeito a gente virar o jogo. Conhecimento é a chave da consciência. O saber nos leva a um modo irreversível de sensibilidade e sensações. E a...

ler mais

O que a vida quer da gente é coragem

Ultimamente, venho utilizando este espaço não apenas para discutir temas relacionados à carreira e ao mercado, mas também para entrelaçar esses olhares a outras percepções sobre a vida. Afinal, é dessa forma que vejo as coisas e acredito que isso pode ressoar em...

ler mais

Puskas e a liderança em tempos de lifelong learning

Durante minha participação na Conferência Global da AMBA (Association of MBAs) em Budapeste, na Hungria, lembrei de Ferenc Puskás, ícone do futebol dos anos 1950. Para os mais jovens, isso pode parecer estranho, mas explico a relação. Não vi Puskás jogar, mas nasci...

ler mais

junte-se ao mercado