Crianças: que futuro está sendo preparado para elas?

nov/2022

O ser social que elas serão depende do presente que está sendo proporcionado

Os últimos acontecimentos têm me feito refletir sobre o futuro que queremos entregar para as nossas crianças. Parei para pensar sobre o que eu, você, nós estamos preparando neste presente para o amanhã dos infantes. A minha preocupação com os ‘pequenos’ não é em vão, afinal, eles são “o futuro da nação”, conforme a máxima popular. E é verdade! Eu já fui a criança e estou fazendo o hoje, deixando consequências para o depois.

A intolerância, o desrespeito, o apelo à violência, os repetidos atos de racismo, homofobia, xenofobia e diversos outros preconceitos, me afligem. Esse sentimento se fundamenta no fato de que crianças são seres sociais em formação, e por isso, absorvem tudo que está em seu meio social para si, como umas esponjinhas. E aí eu me pergunto: que adulto se tornará uma criança que vê seus pais, parentes e pessoas próximas reproduzindo os comportamentos supracitados no início deste parágrafo? Esse é cerne da do texto que quero chamar a atenção, queridos leitores.

Os meus pais sempre se perguntavam “que futuro essa criança vai ter?”. Hoje sou eu que me pergunto: que futuro as crianças brasileiras terão? Estamos nos preocupando em garantir educação, alimentação, segurança e saúde para elas? Ou só estamos nos importando com nossos próprios interesses no presente, sem querer saber o que elas terão, e se terão alguma coisa, daqui a alguns anos? Já temos essa resposta, desde antes da pandemia. No entanto, esquecemos que só conseguimos avançar se prepararmos muito bem o terreno, por assim dizer.

É necessário formar adultos com acesso à educação de qualidade, consciência ambiental, social e política, com direito à saúde, uma boa rotina alimentar e vivendo em segurança. Para quê? A resposta é óbvia, queridos: para termos um futuro de melhorias: da qualidade de vida, tecnológica, e consequentemente da saúde e educação, promovendo o bem-estar social. Formando também o caráter das crianças, o bom caráter, teremos como resultado pessoas boas, que buscarão promover o bem, usando seus conhecimentos em prol do bem das pessoas.

A questão ambiental, que mencionei no parágrafo anterior é a mais importante a se tratar. A questão climática tem deixado cientistas e ambientalistas extremamente preocupados. De acordo com o sexto relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), se nada for feito em relação às emissões de carbono e elas dobrarem até o fim deste século, a temperatura do planeta chegará a catastróficos 4,4ºC e seremos extintos. Antes disso, caso o ritmo das emissões não diminuam, as mortes por calor tendem a aumentar em 3%, no Brasil, até 2050. Ou seja: o desastre está desenhado.

O país já sente as consequências do descaso com o clima por parte dos empresários e do Estado. O que dizer do aumento de ondas de calor na região Sul do país? Das inúmeras inundações na região Norte, especialmente no Pará, Amazonas e Acre? E a infindável seca que tem se espalhado, e piorado, pelo país? Os biomas sabem, eles sentem. E sofrem. Várias espécies de animais e plantas não conseguem resistir às severas mudanças climáticas. E o que está sendo feito para minimizar a crise climática? Eles estão desmatando e incendiando as florestas, poluindo rios e mares, caçando e matando os animais, destruindo seus habitats. Contém ironia.

Com isso, eu indago a você que está lendo esse texto: que futuro está sendo preparado para as crianças? Bom, até a publicação desse artigo não há certeza nem se haverá planeta para viver. E se a Terra tiver resistido, estará sob quais condições? Se não existe uma garantia nem mesmo do básico, que é a existência da vida humana, como falar em garantia de outras coisas, conforme citadas acima? Antes de tudo, precisamos cuidar da nossa casa. Aí poderemos falar a respeito dos outros campos de garantia para os nossos pequeninos que, tão jovens, já enfrentam tanta insegurança sobre o amanhã. Mas que ações você pode efetuar para mudar essa realidade? Vamos pensar juntos, leitores. Vamos fazer diferente!

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

O furar bolhas necessário se cada dia

Você ainda acredita que furar bolhas é mimimi? Acorde, viu! Furar bolhas é fundamental para se tornar um profissional completo e capaz de agregar valor em sua área de atuação. Ao se manter restrito em um determinado ambiente, sem buscar experiências e conhecimentos...

ler mais

junte-se ao mercado