Do lado de lá

mar/2017

No mundo atlântico, o Benin é o país mais ligado à nossa história cultural. Cotonou, capital econômica do país, é talvez a cidade mais conectada à Salvador da Bahia. Era imenso o desejo de experimentar aquele porto. O interesse se tornou mais agudo na ida ao Dantopka, um dos maiores mercados da África atlântica. O primeiro lugar a que todo curioso deve ir.

Num dos milhares de mototaxis cheguei a uma vasta encruzilhada. Caótico não quer dizer nada. Adjetivos não podem traduzir a série de cores, poluição, automóveis, multidão.

Fora do eixo central o mercado é mais suave, não menos intenso. Aos poucos comecei a estar. Uma loja de tecidos me atraiu, parecia um oásis, a lojista posou para foto, um momento raro no cotidiano de Dantokpa.

Câmeras geram hostilidade. O direito de imagem sugere negativas ou grana. Pouca grana. A moeda local vale muito pouco, vende-se tudo. Cabeças e mãos carregadas, fardos imensos. Excessos. Xingamentos em língua fon soavam em quase todos os cliques. França, Itália? Ah Brasil! Brasileira! Muito bom, somos irmãos, não é? Somos muito próximos.

A estética parece ser o cerne da vida local. Os salões de beleza estão em todos os lugares. Fiquei atônita diante da maior quantidade de cabelereiras do mundo e da maior oferta de tecidos que já tinha experimentado, meu olho ocidental vibra e pinça detalhes preciosos em modelos e combinações sofisticadas. Mercar leva tempo, senta-se para conversa, barganha e repouso. Percebe-se hostilidade e senso estético apuradíssimo, acolhimento e apreço à imagem.

Nas televisões locais vê-se música, religião e programas de auditório franceses, além de novela mexicana. Os clipes de música tradicional são sucesso popular. Performances teatralizadas em línguas diversas. Sobretudo fon e mina, ioruba é mais restrito. Há também os grupos influenciados por música americana. Cantoras negras em perucas louras, alisadas, a Afro-America é uma referência evidente.

Em busca das sonoridades beninenses percebo a ausência de lojas de discos, mas eles estão por toda parte em tendas ambulantes e a área de eletrônicos do mercado de Dantopka, está completamente dominada por homens. São muitos os aparelhos de som cuidadosamente empilhados. São também presentes nas ruas da área do Porto onde uma pobre Igreja de Notre Dame, em fachada simples listada de branco e vermelho, faz pensar nos descompassos da colonização francesa.

A mistura culinária é uma marca dos maquis, nos quais degusta-se a cozinha local e europeia. Spaguetti, omelete, alokô (banana frita), peixe, coelho, acaçá. Quituteiras ambulantes cozinham petiscos por toda parte. O jeito de corpo lhes permite cozinhar com panelas no chão.

A costa beninense é mar aberto. Em águas selvagens ou poluídas não se desfruta de banho de mar. O uso de roupas amplas e coloridas em cena praieira é comum em toda a África. Come-se, bebe-se, nanora-se, vende-se é um espaço para estar e reúne muita gente nos fins de semana.

Nem metade dos 600 mil habitantes de Cotonou fala francês, mas tudo que é escrito está em francês. O design das placas de lojas é africano. São desenhos coloridos, feitos à mão. Anunciam açougues, salões de beleza, costureiras, serviços digitais e cabines telefônicas.

Cotonou é um choque de imaginação e uma festa para os sentidos, uma cidade barulhenta e agitada com repertórios infinitos, que joga por terra a África mítica que a diáspora idealiza.

 

Goli Guerreiro

Goli Guerreiro

Colunista

Pós-doutora em antropologia, curadora e escritora. Tem 6 livros publicados. Trabalha sobre repertórios culturais contemporâneos em diversos formatos: palestras, oficinas, mostras iconográficas, consultoria e roteiros para audiovisual.

Mais artigos

Puskas e a liderança em tempos de lifelong learning

Durante minha participação na Conferência Global da AMBA (Association of MBAs) em Budapeste, na Hungria, lembrei de Ferenc Puskás, ícone do futebol dos anos 1950. Para os mais jovens, isso pode parecer estranho, mas explico a relação. Não vi Puskás jogar, mas nasci...

ler mais

Está na moda ser publicitário de novo. E você sabe porquê?

Você sabe como os influenciadores ganham dinheiro? E quem paga a assinatura da Netflix pela metade do preço? E aquele post sensacional do prédio novo? E o vídeo do mais novo lançamento da Apple? E a ação de marketing do novo carro da Tesla? Pois é meus amigos e minhas...

ler mais

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

IA na Publicidade: Estímulo ou Ameaça à Criatividade? 

O mundo da publicidade vive uma revolução com o avanço da Inteligência Artificial (IA), especialmente no campo da IA generativa (GenAI), que traz uma disrupção para a forma como o trabalho criativo e analítico é feito. Isso gera desejo e medo nos profissionais da...

ler mais

Seja bem-vinda Madonna, e volte mais vezes.

Sou educado, mas não me julgue, pois não assisti ao show ou me empolguei com a artista no Brasil. Motivo – não gosto muito desse tipo de evento miraculoso, que envolve mais encenação do que recursos e talentos em si. Todavia, isso não invalida a minha noção de que a...

ler mais

WEB SUMMIT: o que o summit dos summits resolve pro Brasil?

Para saber agora mesmo se você faz parte da bolha dos bem-sucedidos é simples: abra o LinkedIn e veja se no seu feed alguma das últimas cinco publicações é sobre o Web Summit.O summit dos summits aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio, no Rio de Janeiro. Nos palcos,...

ler mais

junte-se ao mercado