É tempo de festas e ponto final

dez/2016

Aprendemos que tudo na vida é passageiro e as crises se enquadram nesse contexto, toda crise passa, foi assim em 1973, em 1981, em 1992, em 2001, para citar as mais recentes e temos tanta convicção disso que a sabedoria popular nos lembra que após a tempestade vem a bonança. Que toda crise passa é obvio, o problema é QUANDO passa? E me refiro a atual turbulência que apresenta todos os contornos, não de uma tempestade, mas de um Tsunami e para isso não sei se há ditado popular que resolva.

Se nada podemos fazer a esse respeito, se não podemos interferir no “time” da crise, melhor a gente se concentrar no que de fato interessa. É hora de festas e ponto final. Hora de pensar no Natal que a comunicação antecipou desde o mês de outubro com campanhas de antecipação de compras patrocinadas pelo varejo. Essa urgência em criar um clima propicio de expectativas acabou meio que complicando o discurso da chegada do Papai Noel, antes um forte argumento de vendas. Hoje, reparo, que nossos criativos fazem de tudo para jogar para o escanteio o bom velhinho e o cliente topa por que ele próprio, e com razão, não mais acredita que o Papai Noel de fato exista.

Mas como ia dizendo é tempo de festas. Para uns. Não para a turma que com crise, ou sem crise, é demitida todos os anos das agências, nesta época, a pretexto de enxugar custos e enfrentar a recessão do verão que o nosso mercado, com raras exceções, nunca conseguiu encampar a seu favor, no sentido de oportunidades de negócios. Tanto assim que mesmo no tempo das vacas obesas, quando o axé music despontava com toda força, e circulava dinheiro, as agências de propaganda ficaram distantes dessa oportunidade.

Mas, houve negócios gerados, sim, através de uma relação direta entre os empresários de entretenimento e os veículos de comunicação. Ainda que nem sempre negócios em moeda circulante, valia a moeda permuta, em especial nas mídias outdoor, rádio e jornal. Trocava-se espaço nos veículos por centenas de abadás e convites de camarotes e tudo sob um argumento técnico: Relações Públicas. O bom de fazer parte desse mercado de comunicação é que a gente acredita nas besteiras que a gente cria, ou, ouviu falar e difunde no cacarejo. Me engana que eu gosto.

Pois é, é tempo de festas e ponto final. Hora de nos divertir e acreditar que 2017 será muito melhor. Que venha o Natal e o Ano Bom como diziam os antigos, muito mais sábios do que nós, e que venha bom mesmo, no capricho. A coisa está ruim, mas pode ficar pior, ou parecer pior, se o nosso engajamento nas redes sociais for exclusivamente em função de crises. Pense, nisso. Nada é como parece. Felizmente. O que importa é a gente estar ciente que é hora de festas e nessa perspectiva mais real, melhor esquecer a mídia com suas notícias ruins e requentadas e comprar um par de taças para um animado Tim-Tim de pró-seco, champanhe, do que for. Brindemos que celebrando a vida é que se vai para a frente.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Está na moda ser publicitário de novo. E você sabe porquê?

Você sabe como os influenciadores ganham dinheiro? E quem paga a assinatura da Netflix pela metade do preço? E aquele post sensacional do prédio novo? E o vídeo do mais novo lançamento da Apple? E a ação de marketing do novo carro da Tesla? Pois é meus amigos e minhas...

ler mais

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

IA na Publicidade: Estímulo ou Ameaça à Criatividade? 

O mundo da publicidade vive uma revolução com o avanço da Inteligência Artificial (IA), especialmente no campo da IA generativa (GenAI), que traz uma disrupção para a forma como o trabalho criativo e analítico é feito. Isso gera desejo e medo nos profissionais da...

ler mais

Seja bem-vinda Madonna, e volte mais vezes.

Sou educado, mas não me julgue, pois não assisti ao show ou me empolguei com a artista no Brasil. Motivo – não gosto muito desse tipo de evento miraculoso, que envolve mais encenação do que recursos e talentos em si. Todavia, isso não invalida a minha noção de que a...

ler mais

WEB SUMMIT: o que o summit dos summits resolve pro Brasil?

Para saber agora mesmo se você faz parte da bolha dos bem-sucedidos é simples: abra o LinkedIn e veja se no seu feed alguma das últimas cinco publicações é sobre o Web Summit.O summit dos summits aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio, no Rio de Janeiro. Nos palcos,...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

junte-se ao mercado