Eu odeio a Propaganda

ago/2019

O mundo mudou e está mudando. Todos os dias. E é obvio que a publicidade também muda, dentre outras ferramentas do marketing, está cada vez mais presente na vida das pessoas. Infelizmente. Eu disse e vale ressaltar: INFELIZMENTE.

Não sei onde nós vamos chegar. Percebo milhões de consumidores falando para sim mesmos, sem admitir ostensivamente, mas já com um sentimento consolidado; percebo aquela voz interna que resulta na vontade de sair no meio da rua gritando: “Eu odeio a Propaganda”. Convenhamos que odiar é extremista, mas admitir que as pessoas gostam é extremista também.

Quem em são juízo pode gostar de ter a sua privacidade invadida com seguidas tentativas de lhe vendar serviços, através do telemarketing, sem lhe dar ao menos a chance de você bloquear o intruso? Na mesma hora o chato do outro lado da linha recorre a um dos muitos ramais de que dispõe para fazer o seu trabalho e cumprir as metas e pior é que há quem se disponha a ouvir e comprar esses serviços, senão o assédio já tinha acabado por falta de eficiência.

Tenho certeza que você odeia propaganda tanto quanto eu. A mídia tradicional pelo menos lhe oferece a opção de desligar a TV, mudar de canal, passar a página do jornal, trocar o dial do rádio, olhar para outro lado se quer evitar a mídia exterior…. A mídia digital não lhe permite essa liberdade de escolha. Você quer ler um blog, ou um site de notícias, lá está a mensagem publicitária entupindo sua tela do celular e enquanto você passa o dedo aparecem outras mensagens que lhe impedem de seguir a leitura por alguns segundos. A leitura que deveria ser prazerosa, torna-se difícil, complicada, você fechando banners, driblando outros.

E se o nosso querido Google, a maior fuxiqueira do planeta, descobre que você andou pesquisando hotéis em Salvador, lhe assedia duas ou três semanas, no mínimo, com ofertas e mensagens nas redes sociais. Resumindo: você é vítima 24 horas por dia de um assédio mercadológico insuportável, ao qual você não pode fugir, finge que não existe para não arrancar os cabelos e sair no meio da rua gritando o título deste artigo. Então não me diga que você ama a propaganda porque nesse caso posso lhe recomendar um bom psicanalista.

Escrevi no início deste artigo que não sei onde vamos chegar. Quer saber a minha opinião? Melhor você não saber. Mas, tenho a impressão que o fio invisível onde se equilibra a vontade do consumidor de explodir o intruso que lhe cerceia a liberdade de escolha e lhe aporrinha a cada instante e a necessidade de ser informado e de conhecer novos produtos e serviços que você deseja adquirir; esse fio está cada vez mais tênue. Neste momento somos bipolares: odiamos e amamos a propaganda ao mesmo tempo e em surtos, a depender de nossas necessidades. Até quando?  

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

SEPARAÇÃO não é um BICHO PAPÃO (não deveria ser)

A lei do divórcio (6.515/1977), sancionada em 26 de dezembro de 1977, foi responsável por mudanças profundas na sociedade brasileira. Antes dela, o casamento era pautado pelo vínculo indissolúvel, e, por isso, muitas pessoas se mantinham juntas, mesmo quando...

ler mais

Por um letramento histórico e racial na propaganda

Adoro passear na cidade e observar as propagandas que estão em todos os lugares. Dos outdoors duplos e triplos que visam impactar de forma estratégica seu público-alvo, aos cartazes de quando andamos nas ruas em pequenos centros comerciais. Gosto de observar o que as...

ler mais

Comporte-se e liberte-se!

São muitas variáveis que percorrem o entorno dos consumidores e, quando se trata de entender seu comportamento, testar opções pode ser mais adequado considerando um ambiente em constantes mudanças. Além das análises tradicionais que, atualmente, muitos softwares de...

ler mais

Se o seu algoritmo é branco, a culpa é sua

Em setembro deste ano assisti a uma palestra da atriz e apresentadora Regina Casé, direcionada para uma turma de artistas, criativos, formadores de opinião e empresários de todo o país. Entre ponderações, risadas e provocações, uma fala me atiçou à reflexão: não cabe...

ler mais

Se a sua marca não tem um propósito, está na hora de ter

Chegamos ao ponto de virada. Segundo Antonio Guterres (Secretário Geral da ONU) nós entramos na era da “ebulição global”, ou seja, deixamos o estágio de “aquecimento global” – há predições sobre 2023 ser o ano mais quente em centenas de anos. Além disso, alguns...

ler mais

2024 | o ano das (re) descobertas

Ei! Se apresse! Você está preparado para 2024? O futuro está cada vez mais próximo e é importante estarmos preparados para as mudanças que estão por vir. O ano de 2024 promete ser um marco em diversos aspectos, desde avanços tecnológicos até transformações sociais e...

ler mais

junte-se ao mercado