Eu odeio a Propaganda

ago/2019

O mundo mudou e está mudando. Todos os dias. E é obvio que a publicidade também muda, dentre outras ferramentas do marketing, está cada vez mais presente na vida das pessoas. Infelizmente. Eu disse e vale ressaltar: INFELIZMENTE.

Não sei onde nós vamos chegar. Percebo milhões de consumidores falando para sim mesmos, sem admitir ostensivamente, mas já com um sentimento consolidado; percebo aquela voz interna que resulta na vontade de sair no meio da rua gritando: “Eu odeio a Propaganda”. Convenhamos que odiar é extremista, mas admitir que as pessoas gostam é extremista também.

Quem em são juízo pode gostar de ter a sua privacidade invadida com seguidas tentativas de lhe vendar serviços, através do telemarketing, sem lhe dar ao menos a chance de você bloquear o intruso? Na mesma hora o chato do outro lado da linha recorre a um dos muitos ramais de que dispõe para fazer o seu trabalho e cumprir as metas e pior é que há quem se disponha a ouvir e comprar esses serviços, senão o assédio já tinha acabado por falta de eficiência.

Tenho certeza que você odeia propaganda tanto quanto eu. A mídia tradicional pelo menos lhe oferece a opção de desligar a TV, mudar de canal, passar a página do jornal, trocar o dial do rádio, olhar para outro lado se quer evitar a mídia exterior…. A mídia digital não lhe permite essa liberdade de escolha. Você quer ler um blog, ou um site de notícias, lá está a mensagem publicitária entupindo sua tela do celular e enquanto você passa o dedo aparecem outras mensagens que lhe impedem de seguir a leitura por alguns segundos. A leitura que deveria ser prazerosa, torna-se difícil, complicada, você fechando banners, driblando outros.

E se o nosso querido Google, a maior fuxiqueira do planeta, descobre que você andou pesquisando hotéis em Salvador, lhe assedia duas ou três semanas, no mínimo, com ofertas e mensagens nas redes sociais. Resumindo: você é vítima 24 horas por dia de um assédio mercadológico insuportável, ao qual você não pode fugir, finge que não existe para não arrancar os cabelos e sair no meio da rua gritando o título deste artigo. Então não me diga que você ama a propaganda porque nesse caso posso lhe recomendar um bom psicanalista.

Escrevi no início deste artigo que não sei onde vamos chegar. Quer saber a minha opinião? Melhor você não saber. Mas, tenho a impressão que o fio invisível onde se equilibra a vontade do consumidor de explodir o intruso que lhe cerceia a liberdade de escolha e lhe aporrinha a cada instante e a necessidade de ser informado e de conhecer novos produtos e serviços que você deseja adquirir; esse fio está cada vez mais tênue. Neste momento somos bipolares: odiamos e amamos a propaganda ao mesmo tempo e em surtos, a depender de nossas necessidades. Até quando?  

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Está na moda ser publicitário de novo. E você sabe porquê?

Você sabe como os influenciadores ganham dinheiro? E quem paga a assinatura da Netflix pela metade do preço? E aquele post sensacional do prédio novo? E o vídeo do mais novo lançamento da Apple? E a ação de marketing do novo carro da Tesla? Pois é meus amigos e minhas...

ler mais

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

IA na Publicidade: Estímulo ou Ameaça à Criatividade? 

O mundo da publicidade vive uma revolução com o avanço da Inteligência Artificial (IA), especialmente no campo da IA generativa (GenAI), que traz uma disrupção para a forma como o trabalho criativo e analítico é feito. Isso gera desejo e medo nos profissionais da...

ler mais

Seja bem-vinda Madonna, e volte mais vezes.

Sou educado, mas não me julgue, pois não assisti ao show ou me empolguei com a artista no Brasil. Motivo – não gosto muito desse tipo de evento miraculoso, que envolve mais encenação do que recursos e talentos em si. Todavia, isso não invalida a minha noção de que a...

ler mais

WEB SUMMIT: o que o summit dos summits resolve pro Brasil?

Para saber agora mesmo se você faz parte da bolha dos bem-sucedidos é simples: abra o LinkedIn e veja se no seu feed alguma das últimas cinco publicações é sobre o Web Summit.O summit dos summits aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio, no Rio de Janeiro. Nos palcos,...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

junte-se ao mercado