Existe manual de sobrevivência?

nov/2020

Você se sente preparado para o dia de amanhã?

Se a resposta é sim, onde estão as orientações?

Se a resposta é não, você acredita que há tempo para se preparar?

Faço o convite para direcionarmos nossas reflexões ao mercado profissional. Tomo a liberdade de afirmar que as empresas não estão preparadas para 2021 e que o consumidor também não está. Basta olharmos para dentro de nossos trabalhos e observarmos notícias amplamente divulgadas…

Recente pesquisa do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) mostra que 90,2% dos respondentes – de um total de 205 pessoas ouvidas – acredita que as empresas não estão preparadas para lidar com crises de grandes proporções, como a atual pandemia;

84% das empresas brasileiras não estão preparadas para a nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), segundo relatório da consultoria ICTS Protiviti. Além disso, de acordo com pesquisa feito pela Capterra, 25% dos micro, pequenos e médios empreendedores não têm conhecimento sobre as particularidades da LGPD;

Estudo global encomendado ao IDG Research pela Dell apresenta que 78% dos executivos assume que sua empresa não está preparada para transformação digital;

Outros trabalhos acadêmicos e de núcleos profissionais nos falam que empresas e sociedade não estão preparadas para lidar com as chamadas (equivocadamente, em minha opinião) minorias: idosos, pessoas com deficiência, LGBTI, dentre outras “classificações”.

Ou seja: temos informações suficientes para concluir que é necessário cada vez mais… informações!

Não por acaso defendo e dedico minha carreira profissional às pesquisas e análises de dados. Se temos a sensação de que estamos com uma névoa sobre os nossos olhos, o caminho é clarificar nossa visão por meio da compreensão de mundo e, principalmente, do comportamento humano. A conexão entre as marcas e as pessoas se dá justamente com o fator humano. Se todos os grandes líderes que encomendaram ou tiverem acesso aos estudos citados não se atentaram ao comportamento das pessoas diante destas informações, perderam a chance de desenvolver estratégias efetivas e mais assertivas.

Pensar, por exemplo, em transformação digital sem “calcular” a relação das pessoas com os equipamentos e softwares, é como cozinhar algo sem introduzir os condimentos.

Planejar uma campanha publicitária sem aprofundar-se no cotidiano do público de interesse, é investir em uma trilha musical para surdos. Ou apresentar um texto sem braile a um cego.

Na minha concepção, nosso manual de sobrevivência deve estar embasado em muito contato, mesmo que virtual. Posso confidenciar que para compreender “quem é o jovem de hoje”, montei na Youpper Insights um time de jovens com essa missão; jovens com sensibilidade para a escuta e observação e, principalmente, com “coração aberto” para estar junto às comunidades e viver suas realidades. Porque, como eu gosto de falar, as pessoas não são dados; no entanto, é a partir delas que temos a possibilidade de elaborar e analisar números que são extremamente relevantes para tomadas de decisões, desde a esfera da governança até a identidade visual de uma peça de comunicação.

E sim, ainda temos tempo para conceber nossos próprios manuais de sobrevivência, devidamente customizados à nossa realidade. Não perca tempo!

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

O furar bolhas necessário se cada dia

Você ainda acredita que furar bolhas é mimimi? Acorde, viu! Furar bolhas é fundamental para se tornar um profissional completo e capaz de agregar valor em sua área de atuação. Ao se manter restrito em um determinado ambiente, sem buscar experiências e conhecimentos...

ler mais

O que o povo não sabe, não destrói.

Ei! O que você anda postando em redes sociais digitais? Até que ponto é válido postarmos tudo o que fazemos? Bora refletir. Em tempos de redes sociais digitais, é comum nos depararmos com a tentação de compartilhar cada detalhe de nossa vida online. No entanto, é...

ler mais

junte-se ao mercado