Janeiro, fevereiro e março

jan/2019

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano novo) e para o passado (o ano velho). Fevereiro não era tão alvissareiro assim, o seu nome derivou de Fébruo o Deus dos Etruscos associado à morte, era nesse período que os etruscos praticavam seus sacrifícios rituais. E março se originou de Marte, o Deus Romano da guerra, na Europa era o primeiro mês da Primavera, quando os romanos iniciavam suas campanhas militares.

No mundo ocidental conservamos essas denominações, mas, a ninguém lhe ocorreu assimilar a sua simbologia, ainda bem. No Brasil o período de janeiro a março se chama de fato e de direito Carnaval e na Bahia não é diferente. O espírito de Momo comanda os ambientes profissionais e de entretenimento e é claro a comunicação, direcionada para esse consumidor mais relaxado e em busca de produtos e serviços referenciados com o tempo de festas, divertimentos, praia, verão, tudo… Ou seja Carnaval.

Carnaval, entendido nesse contexto, de período de festas, é uma oportunidade de alavanca de vendas. O varejo e o segmento de turismo e de entretenimento são os maiores beneficiados, movimentam grandes verbas, porém apenas uma mínima parcela passa pelas agências de propaganda. Apenas a parte que diz respeito ao ponto de venda.: supermercados e shopping centers. O Live Marketing tem mais oportunidades do que as agências de publicidade de ampliar o seu faturamento, nesta época, com ações de ativação para marcas multinacionais e nacionais que focam no verão e Carnaval.

Diferente do que deveria ser as agências de propaganda nesta época do ano e ainda prevalecendo a recessão no mercado imobiliário, tem menos oportunidades do que no resto do ano que podemos jogar os 9 meses restantes num saco e chamar de inverno. No inverno temos felizmente as datas promocionais que impulsionam o varejo, o nosso maior segmento de mercado, e as verbas públicas, tímidas no verão, com exceção da divulgação turística e de serviços no Carnaval, se expandem.

Se para os romanos de Roma março era o mês simbólico para o início de suas campanhas militares, para os romanos da propaganda é o mês que tem que acabar logo para o início de outras campanhas: a busca de oportunidades e a guerra para convencer o cliente que a recessão já está passando, ao menos assim parece, e é hora de voltar a anunciar.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Está na moda ser publicitário de novo. E você sabe porquê?

Você sabe como os influenciadores ganham dinheiro? E quem paga a assinatura da Netflix pela metade do preço? E aquele post sensacional do prédio novo? E o vídeo do mais novo lançamento da Apple? E a ação de marketing do novo carro da Tesla? Pois é meus amigos e minhas...

ler mais

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

IA na Publicidade: Estímulo ou Ameaça à Criatividade? 

O mundo da publicidade vive uma revolução com o avanço da Inteligência Artificial (IA), especialmente no campo da IA generativa (GenAI), que traz uma disrupção para a forma como o trabalho criativo e analítico é feito. Isso gera desejo e medo nos profissionais da...

ler mais

Seja bem-vinda Madonna, e volte mais vezes.

Sou educado, mas não me julgue, pois não assisti ao show ou me empolguei com a artista no Brasil. Motivo – não gosto muito desse tipo de evento miraculoso, que envolve mais encenação do que recursos e talentos em si. Todavia, isso não invalida a minha noção de que a...

ler mais

WEB SUMMIT: o que o summit dos summits resolve pro Brasil?

Para saber agora mesmo se você faz parte da bolha dos bem-sucedidos é simples: abra o LinkedIn e veja se no seu feed alguma das últimas cinco publicações é sobre o Web Summit.O summit dos summits aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio, no Rio de Janeiro. Nos palcos,...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

junte-se ao mercado