Máscaras de uma vida fragmentada

abr/2022

Antes de toda essa loucura de pandemia começar, quando eu ouvia alguém falar a palavra máscara a primeira coisa que vinha à minha mente era aquela música do Chico Buarque de Hollanda, “Noite dos Mascarados”, que diz mais ou menos assim: “Quem é você? Adivinha, se gosta de mim. Hoje os dois mascarados procuram os seus namorados perguntando assim. Quem é você? Diga logo. Que eu quero saber o seu jogo”…. E por aí vai.

Mas aí, em 2020, fomos obrigados a acoplar um acessório em nossas vidas: a máscara. Não por opção, mas por sobrevivência. Mas claro que o brasileiro não seria obrigado a usar um item sem poder customizá-lo, não é mesmo? Em meio a tantas perdas e incertezas, e sem poder se despir deste artefato de segurança, a máscara se tornou uma forma de as pessoas se comunicarem, de mostrarem ao mundo suas emoções, pensamentos, insatisfações, o que havia no íntimo.

Passamos a ver um festival de estilos, cores e estampas circulando pelos quatro cantos. Desde cachorrinhos e ilustrações fofas até símbolos de clubes, partidos políticos, santos católicos e até orixás. Passamos a pensar: “qual o mood de hoje?” e isso começou a determinar o estilo da máscara que iríamos vestir.

Mas nos últimos tempos, lendo notícias sobre a flexibilização ou não obrigatoriedade do uso de máscaras como medida de proteção ao enfrentamento da Covid 19, me deparei com o Projeto de Lei 5412/20, apresentado pelo deputado Heitor Freire (PSL-CE) à Câmara dos Deputados. O PL traz a argumentação de que pretende preservar as liberdades individuais e estimular o voluntarismo e o direito do cidadão de fazer suas próprias escolhas.

Achei a explicação tão filosófica. E a frase anterior não contém ironia, juro. Achei mesmo filosófica, pois pensei automaticamente na questão das máscaras sociais. Para mim foi impossível me deparar com esse argumento de “preservar as liberdades individuais” e não pensar nas máscaras que utilizamos todos os dias, desde os primórdios da humanidade, máscaras para o ambiente de trabalho, em casa, com os amigos, com o companheiro ou a companheira. É como se fossemos aquele personagem do M. Night Shyamalan no file “Fragmentado”. Mas será que não somos mesmo?

Desde que mundo é mundo, o ser humano possui duas grandes necessidades psicológicas: ser aceito e pertencer a um contexto social. Se não fosse dessa forma, o que seria do marketing e a publicidade? Papo para um outro artigo.

Mas, mesmo precisando ser aceito e pertencer a algo, o ser também que manter a sua essência. Ou, pelo menos, tentar mostrar que sua essência se mantém preservada. Será mesmo? Quantas vezes, no último mês ou na última semana, você usou uma máscara para poder se integrar ou se fazer ouvir? Tem valido a pena? Será que temos feito essa análise ou as máscaras já estão tão afixadas em nossas faces que já não sabemos quem verdadeiramente somos?

Uma frase que frequentemente martela em minha mente quando penso em tudo isso é: “Torna-te quem tu és”, do Friedrich Nietzsche. Sabe por quê? Porque ela me faz lembrar, dia após dia, que se eu não puder ser o que sou, fazer o que acredito, trabalhar com o que me inspira e me motiva, não terei condições de carregar as máscaras que, muitas vezes, preciso. Em algum momento do meu dia terei de me “desfragmentar”.

Sem ingenuidades, as máscaras estão aí e, muitas vezes, não temos como fugir delas. Mas a grande questão que trago para analisarmos aqui é: o quanto estamos dispostos a nos despirmos dessas máscaras que carregamos ou que a sociedade nos coloca para sermos felizes, mostrarmos o que somos, o que desejamos e no que acreditamos? Devemos ainda usar certas máscaras para agradar o outro? Quais são as suas máscaras e o quanto elas estão afetando a sua vida?

Agora que voltamos a nos encarar sem máscaras (dessa vez me refiro às de proteção contra a Covid) e depois de passar por tudo o que passamos – e ainda passaremos -, será que conseguiremos nos enxergar de uma forma mais profunda, para além das aparências e, o principal, respeitando a individualidade de cada um?

 

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

O furar bolhas necessário se cada dia

Você ainda acredita que furar bolhas é mimimi? Acorde, viu! Furar bolhas é fundamental para se tornar um profissional completo e capaz de agregar valor em sua área de atuação. Ao se manter restrito em um determinado ambiente, sem buscar experiências e conhecimentos...

ler mais

O que o povo não sabe, não destrói.

Ei! O que você anda postando em redes sociais digitais? Até que ponto é válido postarmos tudo o que fazemos? Bora refletir. Em tempos de redes sociais digitais, é comum nos depararmos com a tentação de compartilhar cada detalhe de nossa vida online. No entanto, é...

ler mais

junte-se ao mercado