Moraes Moreira e o problema do meio

fev/2017

Resultado de imagem para moraes moreira

Na Bahia é preciso saber chegar. Aqui é melhor pedir licença aos orixás, pedir para que abram seus caminhos, principalmente quando se tratar de algo importante a realizar. Moraes Moreira me chamou certa feita para junto com ele organizar o seu trio que sairia domingo, segunda e terça de carnaval. Como bom baiano, dias antes da saída, ele foi ao Gantois saber das coisas e da festa. Fui junto, principalmente com medo de algo dar errado e ouvir a célebre frase : tá vendo, você devia ter ido comigo, fui. Aproveitei para tomar um passe de descarrego, me preparando para a empreitada, enquanto Moraes jogava os búzios com mãe Cleuza. Já de volta para o hotel perguntei a ele o que mãe Cleuza tinha dito e ele me respondeu que ela tinha falado que ia ser um grande carnaval, um dos melhores que ele faria, apenas teria um problema no meio. Fiquei com aquilo na cabeça. Domingo saímos e foi muito bom , muito bom mesmo. Moraes se saiu excelentemente bem, som bom , trio no horário, tudo nos conforme. Na segunda almoçamos juntos, comentamos a primeira saída e ficamos de nos encontrar as 8 da noite no hotel, o trio sairia as 10. Pouco antes do horário marcado o telefone tocou em minha casa, era a produção dizendo que Moraes tinha perdido a voz e o trio não iria sair naquela noite, um médico já estava a caminho, para medica-lo. Era o problema do meio que apareceu no jogo. Foi complicado não ter saído, mas só restava esperar a última noite e o grande carnaval que mãe Cleuza tinha previsto e também que a injeção aplicada pelo médico desse certo. Na terça tudo se confirmou. Moraes saiu as 10 horas em ponto em direção a Castro Alves e só parou de tocar a 1 hora da tarde do outro dia, com a banda exaurida e arrastando os últimos foliões até o Largo dos Aflitos. Nunca ninguém tinha saído da Praça depois de Dodô e Osmar. Nesse dia Moraes dobrou o homem do pau elétrico e após um duelo musical de horas e horas com Armandinho, debaixo de um sol de rachar, o velho Osmar capitulou :

“ Moreira, você quer matar o velho, tô seguindo!”

Pela primeira vez a tradição foi quebrada e Moraes Moreira encerrou o carnaval naquele ano. Coisas do orixás. Moreira estava elétrico, não quis ir nem para o hotel descansar da maratona, saltamos do trio, ele dispensou o motorista e fomos comer um meninico de carneiro e uma feijoada ali mesmo na Carlos Gomes. Na volta não conseguimos táxi e vimos um Kombi cortada, com carroceria de camionete repleta de verduras e demos uma boa grana para o cara nos levar até o hotel . Foi engraçado ver as cara de espanto das pessoas, com a gente chegando naquele hotel 5 estrelas, os dois, literalmente em cima de mangas, abóboras, batatas, aipim etc .Grande carnaval!

Sérgio Siqueira

Sérgio Siqueira

Colunista

Formado em Administração de Empresas pela Ufba com especialização em programação visual , marketing institucional , propaganda e eventos. Gerente de Criação e Produção e desenvolvimento de projetos e campanhas institucionais e culturais da Rede Bahia.

Mais artigos

Perspectivas da publicidade sobre o que virá

Uma frase antiga diz que "a publicidade é a alma do negócio". Podemos extrapolá-la e dizer que "a publicidade é a alma da economia". A indústria publicitária realiza atividades que são "meio" para gerar demanda e agregar valor às atividades fins de outros setores,...

ler mais

Sou culpado de abandono de redes sociais, eu confesso!

Quem nunca abandou uma plataforma de mídia social, que me dê o primeiro “deslike” (estou usando liberdade poética para expressar minha ironia). Antes de adentrar no texto, alguns dos meus motivos para “desencanar” de algumas redes sociais: falta de criatividade da...

ler mais

SEPARAÇÃO não é um BICHO PAPÃO (não deveria ser)

A lei do divórcio (6.515/1977), sancionada em 26 de dezembro de 1977, foi responsável por mudanças profundas na sociedade brasileira. Antes dela, o casamento era pautado pelo vínculo indissolúvel, e, por isso, muitas pessoas se mantinham juntas, mesmo quando...

ler mais

Por um letramento histórico e racial na propaganda

Adoro passear na cidade e observar as propagandas que estão em todos os lugares. Dos outdoors duplos e triplos que visam impactar de forma estratégica seu público-alvo, aos cartazes de quando andamos nas ruas em pequenos centros comerciais. Gosto de observar o que as...

ler mais

Comporte-se e liberte-se!

São muitas variáveis que percorrem o entorno dos consumidores e, quando se trata de entender seu comportamento, testar opções pode ser mais adequado considerando um ambiente em constantes mudanças. Além das análises tradicionais que, atualmente, muitos softwares de...

ler mais

junte-se ao mercado