O mercado publicitário no labirinto do Minotauro

mar/2017

As águas de março no Brasil de 2017 andam turvas e opacas, suas margens se encontram tão devastadas e tristes quanto as do Rio Doce, após o desastre em Mariana. Causas múltiplas, vem de anos de governos sem ética e possuídos de delírios de grandeza. Resultou na atual crise política, econômica e social, no mal estar de um labirinto kafkiano de delações, desvios de dinheiro público, desemprego e drama coletivo.

As águas de março da recessão de 2017 desafiam a todas as lideranças e profissionais. Desafiam a você, profissional do mercado publicitário. Como encontrar saída em meio à turbulência? Como suscitar  desejo e consumo diante de um mercado descapitalizado? As águas de março trazem o quadro trágico de empresas e lojas fechando, desemprego em alta e consumo em baixa, crédito retraído, varejo atônito, PIB minguando, endividamento das famílias, menor poder de compra e suspensão de novos investimentos. Como seduzir quando o medo de investir e ousar se instala e drena o desejo?

Perdidos neste labirinto, profissionais e gestores de negócios sofrem de desorientação e confusão. Reza a lenda que havia um labirinto na ilha de Creta, um lugar construído para abrigar umas das feras mais terríveis do mundo antigo: o Minotauro, monstro com corpo de homem, cabeça de touro e dentes de leão. O Rei Egeu, de Atenas, tinha uma dívida de guerra com o Rei Minos, de Creta, que o forçava a mandar 14 jovens por ano para serem oferecidos em sacrifício dentro do labirinto. Para aplacar a fome do Minotauro, Teseu, filho de Egeu, embarcou certa vez entre os 14 jovens com o intuito de matar o Minotauro. Em Creta, conseguiu convencer o Rei Minos a aceitar o acordo: libertar Atenas da obrigação caso conseguisse matar a fera.

Na véspera da empreitada, Ariadne, filha de Minos, presenteia a Teseu um punhal e um carretel de fios de ouro.  Uma mulher sagaz. Além da lâmina e da coragem, seria necessário pensar uma estratégia de retorno. Afinal, mesmo que matasse a fera, se não houver retorno, não se fez  história.

Ariadne e seus fios simbolizam, para muitos, a Filosofia. Um pensamento reflexivo, que dá sentido e significado aos atos. Cairia bem aos especialistas em comunicação e publicidade pensar em estratégias de ida e, sobretudo, de volta, de certas empreitadas. A Teseu ela deixou claro que não bastava a potência e a força para matar o monstro.

Os fios de Ariadne simbolizam a consciência dos riscos presentes no labirinto para superar as sombras, as curvas constantes e desorientadoras, os desvios escuros, as passagens falsas e as vias sem saídas. Como os vãos palacianos de Brasília, a criminalidade límpida dos colarinhos e guardanapos, os conchavos de sempre.

Mas ela não parece ter sido escutada por boa parte dos donos do poder: representantes notáveis da política brasileira, empresários de peso, doleiros de lavanderia e publicitários da Máfia entregaram o país ao Minotauro. Sem planejamento de volta, o Rio Doce foi devastado, a Copa e as Olimpíadas só drenaram verba, a Petrobrás sofreu escalpo, o investimento em obras faraônicas na África e alhures não tem volta. A economia sangra e 12 milhões de trabalhadores erram no labirinto do desemprego.

Atordoado, dentro do labirinto, Teseu constata uma das maiores armadilhas daquela arquitetura de morte: a repetição. O retorno ao mesmo ponto, a reprodução de padrões, a neurose e a compulsão de voltar muitas vezes ao mesmo lugar por onde já se passou, adentrando cada vez mais no Labirinto do esgotamento, do cansaço e do deja-vú. Repetir modelos de negócios, esquemas, pactos sórdidos, atos secretos, tratar o mercado como um rebanho de otários, mero gado, sem opinião, sem reconhecer a dignidade de clientes.

Mas Teseu seguiu à risca a advertência de Ariadne e tão logo os guardas o deixaram na entrada, atou a ponta do fio a uma pedra e partiu, segurando-o firmemente, atento aos sinais da presença do monstro. E se depara com uma imensa pilha de ossos e percebe o Minotauro perto, arfando como um touro e, pior, vindo em sua direção. A luta épica entre Teseu e o Minotauro é fantástica: no primeiro golpe, o jovem herói perfura os olhos da besta e o Minotauro uiva de dor e tateia, cego, se debatendo e mordendo as paredes com seus dentes de leão. O Minotauro passa entra em estado de labirinto: perdido e sem direção.

E  Teseu tira proveito disto, se esgueira por trás e desfecha um golpe rápido nas pernas da besta, levando-a estrondosamente ao chão, e a apunhala por três vezes. Ajoelha-se, ao final, para agradecer aos deuses. Degola o Minotauro e carrega consigo sua cabeça, tornada troféu. Sai da caverna exaurido. Se não fossem os fios de Ariadne, sucumbiria no Labirinto. E não haveria história para contar. Desmaia de cansaço quando atinge o portal, é carregado pelos guardas.

Qual serão os fios de Ariadne do mercado publicitário? Como ele pode sair da caverna das incertezas e ameaças? Talvez seja hora de retomar os fios da história, ouvir os anciãos da tribo. E agradecer às Ariadnes. Talvez seja hora de co-memorar. Fazer memória de como os profissionais legendários deste mercado entraram e saíram do labirinto, deixando legado e história. A lenda reza que Teseu foi aclamado como herói, o Rei Mino anistia a Atenas dos sacrifícios, e abençoa seu casamento com Ariadne.

Mitos gregos são fármacos. Remédios eficazes que devolvem lucidez. Servem para cada um projetar seus sonhos, transcender a dureza do real e sua tragédia. Despertam forças internas para se retomar a potência de viver o drama destes dias em que as águas de março no Brasil de 2017 andam turvas e opacas, e suas margens estão tão devastadas e tristes…

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.

Mais artigos

Está na moda ser publicitário de novo. E você sabe porquê?

Você sabe como os influenciadores ganham dinheiro? E quem paga a assinatura da Netflix pela metade do preço? E aquele post sensacional do prédio novo? E o vídeo do mais novo lançamento da Apple? E a ação de marketing do novo carro da Tesla? Pois é meus amigos e minhas...

ler mais

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

IA na Publicidade: Estímulo ou Ameaça à Criatividade? 

O mundo da publicidade vive uma revolução com o avanço da Inteligência Artificial (IA), especialmente no campo da IA generativa (GenAI), que traz uma disrupção para a forma como o trabalho criativo e analítico é feito. Isso gera desejo e medo nos profissionais da...

ler mais

Seja bem-vinda Madonna, e volte mais vezes.

Sou educado, mas não me julgue, pois não assisti ao show ou me empolguei com a artista no Brasil. Motivo – não gosto muito desse tipo de evento miraculoso, que envolve mais encenação do que recursos e talentos em si. Todavia, isso não invalida a minha noção de que a...

ler mais

WEB SUMMIT: o que o summit dos summits resolve pro Brasil?

Para saber agora mesmo se você faz parte da bolha dos bem-sucedidos é simples: abra o LinkedIn e veja se no seu feed alguma das últimas cinco publicações é sobre o Web Summit.O summit dos summits aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio, no Rio de Janeiro. Nos palcos,...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

junte-se ao mercado