O que a mídia não vê nas festas populares

jan/2017

Os veículos de comunicação muito mais do que as políticas públicas são os responsáveis por manter algumas das tradições baianas que se não fosse a mídia já teriam desaparecido por completo. E falei em mídia num sentido genérico por uma questão de generosidade; na verdade estava me referindo às emissoras de televisão que costumam ser mais atentas e comprometidas nesse particular.

Uma dessas tradições que a televisão mantém viva é a da Festa de Reis que tem como referência a Igreja da Lapinha e que sobrevive a duras penas graças ao empenho de algumas famílias que se esforçam em manter a tradição dos Ternos e Ranchos, o que não é fácil. Motivar os jovens, ligados no dia a dia no pagode e no funk, a entoar cantigas de pastorinhas, não é uma tarefa simples, convenhamos.

O que a mídia deveria saber é que os Ternos de Reis e em especial os Ranchos são a matriz dos afoxés e das Escolas de Samba. Esses agrupamentos familiares e de vizinhos de bairro nos legaram os elementos simbólicos e coreográficos, incluindo o porta estandarte e o babalotim. Foi uma lenta transição que recebe influências do lundu, do maxixe e do frevo e então os cânticos de pastores ganharam versões chulas e mais tarde enredos. Não há como se fazer uma antropologia das festas Populares e do Carnaval baiano sem atentar para esse valioso legado de Ternos e Ranchos.

A cobertura da mídia televisiva a estas manifestações é razoável, mas garante a motivação dos grupos envolvidos e a sua sobrevivência. O mesmo não ocorre com outras festas populares que a mídia ignora no que deveras interessa, os elementos de raízes. É o caso da Lavagem de Itapoan que a mídia cobre, quando a “festa principal” já terminou. As emissoras de TV e alguns repórteres dos jornais aparecem no espaço da festa após as 10 horas da manhã para filmar e anotar as mesmas coisas de todos os anos, quase que cumprindo uma pauta de obrigação.

O cerne da festa de Itapoan é de madrugada, longe das câmaras e dos fotógrafos. Começa às duas horas da manhã com o Bando Anunciador que percorre as ruas do bairro e termina na alvorada das cinco horas com o legítimo samba de umbigada em frente à igreja. É a verdadeira Festa de Itapoan que a mídia não vê e não mostra para os baianos.

 

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Está na moda ser publicitário de novo. E você sabe porquê?

Você sabe como os influenciadores ganham dinheiro? E quem paga a assinatura da Netflix pela metade do preço? E aquele post sensacional do prédio novo? E o vídeo do mais novo lançamento da Apple? E a ação de marketing do novo carro da Tesla? Pois é meus amigos e minhas...

ler mais

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

IA na Publicidade: Estímulo ou Ameaça à Criatividade? 

O mundo da publicidade vive uma revolução com o avanço da Inteligência Artificial (IA), especialmente no campo da IA generativa (GenAI), que traz uma disrupção para a forma como o trabalho criativo e analítico é feito. Isso gera desejo e medo nos profissionais da...

ler mais

Seja bem-vinda Madonna, e volte mais vezes.

Sou educado, mas não me julgue, pois não assisti ao show ou me empolguei com a artista no Brasil. Motivo – não gosto muito desse tipo de evento miraculoso, que envolve mais encenação do que recursos e talentos em si. Todavia, isso não invalida a minha noção de que a...

ler mais

WEB SUMMIT: o que o summit dos summits resolve pro Brasil?

Para saber agora mesmo se você faz parte da bolha dos bem-sucedidos é simples: abra o LinkedIn e veja se no seu feed alguma das últimas cinco publicações é sobre o Web Summit.O summit dos summits aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio, no Rio de Janeiro. Nos palcos,...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

junte-se ao mercado