“O que os olhos não vêem o coração não sente”

jun/2024

Sentado no sofá. Deitado na cama. Passando o dedo na tela. Muitas fotos e vídeos. Meio segundo em cada. Vai ser difícil desse jeito a gente virar o jogo.

Conhecimento é a chave da consciência. O saber nos leva a um modo irreversível de sensibilidade e sensações. E a gente só se movimenta pelas emoções.

Passei 10 dias imersa no ecossistema de inovação de Belém, do Pará, à convite da Confederação Nacional das Indústrias do SEBRAE. A comitiva levou representantes das empresas vencedoras do Prêmio Nacional da Inovação, em que a SOLOS, startup que lidero, foi eleita a pequena empresa que mais inova no Brasil. Na mesma categoria, como grande empresa, venceu a Natura. 

Eu trabalho essencialmente em cidades, com resíduos recicláveis, que são materiais inorgânicos. O contraste dessa matéria na natureza assusta. Ainda assim, a urbanização transformou tudo em coisa pouca e a gente as vezes nem percebe o lixo.

Em lugares como Belém os olhos tudo vêem.

Se torna impossível desver a força dos rios, a exuberância das árvores, a diversidade e marcas de seus frutos e gente. É impossível não notar as divergências. Amazônia em pé. Até quando?

A cidade se prepara para ser a capital das discussões sobre o clima durante a COP 30. Belém vai receber 60 mil pessoas ao longo de duas semanas. Os líderes mundiais de países e empresas; estudiosos; entusiastas; um monte de gente para rever resultados e refazer os planos para reverter a crise climática e estabelecer compromissos para adaptação.

Talvez ali onde o esgoto encontra a floresta, talvez ali onde estão 6 dos 10 município com menor IDH do Brasil, talvez ali onde a gastronomia encanta e as pessoas são acolhedoras, talvez ali onde o agro e a mineração derrubam tudo e concentram renda. Talvez ali a COP se torne a nossa única esperança. Onde os olhos possam ver, o coração sentir e a caneta assinar a alforria do desastre anunciado. 

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Saville Alves

Saville Alves

Colunista

“Eu sonho, eu crio, eu faço acontecer”, este é o mantra de Saville Alves, cofundadora da SOLOS, startup de impacto que tem transformado a economia circular em presença na vida das pessoas, dos territórios e de marcas. Formada pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em comunicação social, sua militância iniciou a partir das experiências na universidade pública, quando atuou como uma das principais lideranças em movimentos de jovens empreendedores. Essas vivências levaram Saville a atuar no mercado em empresas como Braskem S.A. e Oi S.A, e no terceiro setor nas ONGs TETO e ARCAH. Essa pluralidade de percepções gerou um olhar que busca harmonia e levou Saville a ser eleita pela Forbes uma das 20 mulheres mais inovadoras das AgTechs.

Mais artigos

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

O furar bolhas necessário se cada dia

Você ainda acredita que furar bolhas é mimimi? Acorde, viu! Furar bolhas é fundamental para se tornar um profissional completo e capaz de agregar valor em sua área de atuação. Ao se manter restrito em um determinado ambiente, sem buscar experiências e conhecimentos...

ler mais

junte-se ao mercado