O que uma das comunidades mais violentas do mundo pode nos ensinar sobre inovação?

dez/2021

O Caso da Comuna 13, Medellin – Colômbia

Quantas vezes nos perguntamos o que podemos fazer pelo mundo? Não importa se, quando falo de mundo, você lê planeta, ambiente, pessoas. Mas quantas vezes reclamamos do mundo e de como as coisas acontecem à nossa volta e quantas vezes, de fato, nos mexemos de forma consciente para que algo mude?

Se você colocar isso em uma balança, quem ganha?! O seu lado que reclama ou o seu lado que ajuda?

Acabo de chegar da Colômbia. Fui uma das painelistas da SheIs, Fórum Internacional sobre Inovação e Equidade de Gênero. E, claro, não poderia deixar de falar sobre o tema sem puxar o gancho do ESG ou a importância de um Capitalismo Consciente como um dos pilares para que ações de equidade de gênero aconteçam.

Muito se fala sobre o espaço de poder ocupado pelas mulheres atualmente, mas o que de fato se vê na prática? Quais empresas você conhece (de perto) que desenvolve políticas de igualdade de gênero e de governança com grande eficiência?

A verdade é que estamos todos aprendendo com o bonde andando.

Trago essa provocação neste espaço da LetsGo, justamente para que a gente possa pensar junto o que nós, como pessoas jurídicas, físicas, Estado e ONGs podemos fazer para inovar e solucionar problemas antigos com novas abordagens.

E assim como comecei a minha palestra em Barranquilla, uma das cidades mais portuárias da Colômbia, começo esse texto reforçando que: Inovação não é só tecnologia. Tecnologia é um dos meios por onde se inova. Inovação é o ato de tentar resolver um problema antigo com soluções novas.

Como exemplo, trago a Comuna 13, uma comunidade pacificada em Medellin, que depois de passar por anos de violência, brigas de facções, milícias, mortes de inocentes, população assustada, sequestros e diversas outras atrocidades que a rotularam como uma das cidades mais violentas do mundo, hoje respira ciência, tecnologia e inovação e está construindo o futuro da segunda maior cidade colombiana.

O grafite de rua, por exemplo, foi um dos pilares fundamentais para transformação local. E isso é inovação.

Hoje, a comunidade vive do turismo, do artesanato e dos moradores locais que fizeram de suas janelas, vitrines para vendas de produtos. Cada ladeira respira arte e história. Cada morador estampa nos olhos o sentimento de pertencimento e orgulho de ter se tornado uma das comunidades mais inovadoras do mundo.

Com Wi-Fi grátis por todos os lados e escadas rolantes que facilitam o sobe e desce da população e dos turistas, a comunidade tem bondinhos a cabo como meios de transporte que fazem boa parte da conexão entre as ruas da Comuna 13 e o centro da cidade de Medellin.

Subir, descer, se perder e conhecer os moradores e empresários locais, as crianças e toda a enxurrada de cultura e lição de superação que eles nos deram durante um dia inteiro, para mim, não tem preço.

 

A comunidade também tem um Centro de Inovação Social que participa ativamente da formação gratuita dos moradores e na construção coletiva da cidade, tendo como eixo central o trabalho colaborativo para enfrentar os desafios sociais que exigem ideias transformadoras.

Lá, a união do setor público, privado e academia dão força a um trabalho que é visível e palpável em cada esquina. É uma escola experiencial a céu aberto.

Não adianta termos políticas criminais apenas com ações de combate à violência. Precisamos pensar nas pessoas que estão ali e como reintegra-las de forma digna ao restante da sociedade.

Segundo os próprios moradores da comunidade, além de todo processo de pacificação, um dos fatores mais impactantes foi a mudança de consciência da população local e da sociedade como um todo. Uma mudança de mentalidade que aquece o coração e aumenta o sentimento de pertencimento das pessoas que vivem por lá.

Sabemos que problemas de igualdade de gênero, política ambiental, social e planetário não são assuntos novos para ninguém, mas de um tempo para cá, as organizações se colocaram ainda mais à disposição para discutir questões de ESG (Environmental, Social e Governance, em português: Ambiental, Social e de Governança). Mas e daí? Quero ver na prática.

O Estado também precisa inovar e avançar. Combater a criminalidade exige criatividade e muita inovação tecnológica, social e, principalmente de mindset. Não adianta termos políticas criminais apenas com ações de combate à violência. Precisamos pensar nas pessoas que estão ali e como reintegra-las de forma digna ao restante da população.

Precisamos inovar na forma de pensar em nosso mundo e nas pessoas que vivem nele.

 

Frase destaque: Inovação não é só tecnologia. Tecnologia é um dos meios por onde se inova. Inovação é o ato de tentar resolver um problema antigo com soluções novas.

 

Fotos:

  • Foto Mel Oliveira
  • Fotos Comuna13, Medellin – Colômbia
Mel Oliveira

Mel Oliveira

Colunista Convidada

Publicitária, Master em Negócios Internacionais pela Universitat Politècnica de Catalunya, Barcelona. Habilitada em E-Marketing pela Middlesex University, E-Branding pelo Chartered Institute of Marketing – Inglaterra – e Especialista em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas.

Atualmente é Empresária, Professora de Pós-Graduação, Sócia-Fundadora da Agência Converse, Business Agency focada em negócios digitais, Sócia-Fundadora da MChannel.Ad, empresa focada em tecnologia para o mercado de publicidade e Diretora Local do Founder Institute, uma das maiores aceleradoras de startups do mundo com sede no Vale do Silício.

Linkedin: https://www.linkedin.com/in/meloliveira/
Instagram: @meloliveirab
E-mail: meloliveirabo@gmail.com

Mais artigos

Me respeite. Eu sou favela.

Confesso que tentei criar um outro título para este artigo, mas foi uma missão quase impossível não considerar o nome do estudo recentemente realizado pela Youpper Insights. O orgulho e a satisfação já eram imensos por ter feito parte da organização do SCREAM –...

ler mais

O empreendedorismo saiu do armário

Ter um bom emprego, usufruir dos benefícios e contabilizar décadas dentro de uma mesma empresa já foi o sonho da maior parte da população profissionalmente ativa. Até eu, mesmo ciente do meu espírito empreendedor desde muito jovem, já vivi isso. As crises que mudam...

ler mais

Que roque sou eu?

O que vende mais, ficção ou realidade? Ou a junção de ambos? Não nego que sou apaixonado pela televisão. E a teledramaturgia está entre minhas paixões. Mesmo antes de contar com as novelas nas estratégias de marketing, elas já me encantavam com a majestosa arte de...

ler mais

O dia em que a terra parou

A Bahia nos deu grandes e inesquecíveis artistas. Uma das músicas do gênio Raul Seixas é a inspiração para o título deste artigo. Embalado por versos como:  “Essa noiteEu tive um sonho de sonhadorMaluco que sou, eu sonheiCom o dia em que a Terra parouCom o dia em que...

ler mais

Contagem regressiva – Já?!

Há pouco mais de um mês acompanhávamos as Olimpíadas e depois as Paraolimpíadas. Praticamente todas as competições das modalidades esportivas tinham início após uma contagem regressiva. Esportes como salto ornamental ou tiro esportivo não precediam uma contagem em voz...

ler mais

Tempo a nosso favor

Sempre gostei de me comunicar, ouvir e contar histórias, colocar pra fora ideias, críticas, elogios ou indignações. E quando escolhi trabalhar nas diferentes áreas da comunicação e do marketing, esse meu prazer só foi aumentando. Com o advento das mídias sociais,...

ler mais

junte-se ao mercado