O que você quer do futuro?

jun/2021

Há uns 10 anos, mais ou menos, em meio a uma das fases mais conturbadas da minha vida, li Martha Medeiros e aquilo foi uma das coisas que mais me marcou:

 

“Felicidade depende basicamente de duas coisas: sorte e escolhas bem feitas. Tem que ter a sorte de nascer numa família bacana, sorte de ter pais que incentivem a leitura e o esporte, sorte de eles poderem pagar os estudos pra você, sorte por ter saúde. Até aí, conta-se com a providência divina. O resto não é mais da conta do destino: depende das suas escolhas. …

A gente é a soma das nossas decisões, todo mundo sabe. Tem gente que é infeliz porque tem um câncer. E outros são infelizes porque cultivam uma preguiça existencial. Os que têm câncer não têm sorte. Mas os outros, sim, têm a sorte de optar. E estes só continuam infelizes se assim escolherem.”

E marcou justamente porque eu parei de simplesmente buscar atingir minhas tarefas cotidianas e realizar coisas que todos fazem e acabam sendo automáticas, como: me formar na faculdade, buscar um bom emprego, um relacionamento legal, e por ai vai. Naquele momento eu parei e pensei: mas o que eu quero da minha vida? O que a Fred busca? O que fará ela feliz?

E tudo isso foi para eu aprender (ou seria conscientizar?) que estamos nessa vida para sermos felizes. E a felicidade não vem em manuais, ela não tem um padrão de conquista e muito menos requisitos básicos. Felicidade é aquilo que te deixa em paz e com o coração leve. Felicidade é olhar para a sua trajetória e sentir orgulho da pessoa que você é.

Com tudo isso vieram alguns aprendizados….

Aprendi a não me cobrar. Aprendi a ver cada erro ou derrota como oportunidade. Aprendi que nem sempre os planos de Deus são os meus planos. Aprendi que para ser feliz é preciso de coragem (e como!). Aprendi que a felicidade é individual e subjetiva, que cada pessoa tem um sinônimo para ela. Aprendi que as prioridades são diferentes. Aprendi que quem é diferente de mim não é errado, e eu devo aprender com todos. Aprendi que a gente deve agarrar todas as oportunidades que aparecem e que vão de acordo com o que acreditamos.

E por que escrevo tudo isso? Para tentar trazer um pouco de “luz” para esses momentos tão sombrios que estamos vivendo. E, mais do que isso, para vocês também pararem e refletirem: O que vocês querem do futuro? O que vocês querem da sua vida? O que vocês têm feito vai ajudá-los nisso tudo?

Nunca é tarde para nos organizarmos e irmos em busca do nosso equilíbrio. E, sim, o equilíbrio também é individual e cada um deve buscá-lo do seu jeito e como funciona melhor para você. É sobre isso que eu escrevo e acredito, que cada pessoa tem o seu jeito de fazer as coisas funcionarem, e não existe o jeito certo e sim aquilo que faz sentido para você e para a sua busca pelo seu “eu” do futuro.

Uma busca pelo autoconhecimento é sempre necessária. Assim como traçar planos e desenvolver atitudes neste sentido. Nenhuma escolha é permanente, mas, como diz a Martha, a gente é a soma das nossas decisões. Decisões essas que vão me auxiliar a traçar meu caminho para chegar aonde eu quero no futuro. E, por favor, não olhe para o lado cobiçando ou menosprezando as conquistas de cada um, mas faça a sua parte nesse mundo.

Assim, desejo a todos que têm sorte, escolhas bem feitas. E àqueles que não tem sorte, que possuam sabedoria para compreender o seu caminho (ai já é um papo para a próxima vez).

Fred Mette

Fred Mette

Colunista

Doutora em administração, amante e atuante nas áreas de finanças, marketing, empreendedorismo e inovação. Possui com experiência em consultoria, avaliação de negócios e planejamento estratégico e financeiro. Sócia e idealizadora da U-Plan Startup. Seus interesses de pesquisa incluem, principalmente, psicologia econômica, endividamento e bem-estar financeiro. Atualmente é professora na PUCRS, onde atua como agente de inovação e coordenação de programas de MBAs

Mais artigos

uma curtição chamada São João

Pelo segundo ano consecutivo, não será possível sentir os aromas das festas juninas nas ruas ou em espaços onde costumávamos “pular a fogueira” ou “dançar a quadrilha”. Assim como o trabalho e os estudos, as celebrações tradicionais tiveram que se transformar,...

ler mais

Viagem a um passado presente

Meio do ano chegando e a gente começa a avaliar o que fizemos da vida (ou o que ela fez de nós) na primeira metade de 2021. São tantas coisas a dizer – e a escrever – e, por isso, vou me ater ao último mês: maio. As efemêrides são elementos quase obrigatórios do mundo...

ler mais

Conecchão: eu era, eu sou ou eu serei?

Todo e qualquer lugar do mundo é um berço de conhecimento pra mim. Os Brasis dentro do Brasil são como salas de aulas... e a Bahia, sem dúvida, é uma das minhas aulas prediletas. Aqui nasceram seres humanos extraordinários, como o terapeuta indígena Ubiraci Pataxó. E,...

ler mais

A vida é agora

Já vi este título em alguns status de WhatsApp de amigas e amigos. Realmente, parece mesmo palavras de um “status” do tempo presente, mas que conversa com o passado e flerta com o futuro. É onde nos pegamos com nossas verdades e dilemas: a vida é agora? No livro...

ler mais

Coerência na essência

Sempre digo que de nada vale a teoria sem a prática. Isso se aplica ao “meu mundo da coleta e análise de dados” mas, essencialmente, se aplica à vida. As tendências nos levam para inovação, inclusão, equidade, diversidade... e então, as empresas e seus profissionais...

ler mais

junte-se ao mercado