“Quem comanda nosso mundo?”

out/2022

Já estamos em meados de outubro, chega a nostalgia do ano, dos planos não realizados. A felicidade de um mundo praticamente “pós-pandemia”, que também chega repleto de expectativas, planos e realizações. Ainda posso acrescentar que, muitas pessoas ainda seguem com o sentimento reprimido dos últimos anos, seja de realizações psicológicas, materialistas ou quaisquer que sejam.

Felizmente, nesta mesma época, tive o meu despertar espiritual principalmente em busca pela fé, para compreender mudanças externas e internas que vinham acontecendo comigo.  Paralelamente a isso, busquei diferentes formas de apoio, ou até mesmo de compreender sentimentos paralelos que me vinham em mente. Me agarrei de diferentes formas às mais diversas crenças, buscando explicações ou até mesmo um consolo.

Entretanto o que eu posso afirmar hoje é que eu aprendi a me render no último ano! Mas Fred, se render a que? Simplesmente a acreditar que, quanto mais eu aceitar que quem comanda a minha vida e o meu mundo são forças muito superiores à nós, mais fácil é nossa jornada. O espiritual deve vir sempre em primeiro lugar, e precisamos nos render e ter fé, acima de tudo.

Afinal de contas,  já dizia minha conterrânea Martha Medeiros:

“…. Felicidade depende basicamente de duas coisas: sorte e escolhas bem feitas. Tem que ter a sorte de nascer numa família bacana, sorte de ter pais que incentivem a leitura e o esporte, sorte de eles poderem pagar os estudos pra você, sorte por ter saúde. Até aí, conta-se com a providência divina. O resto não é mais da conta do destino: depende das suas escolhas.

Os amigos que você faz, se optou por ser honesto ou ser malandro, se valoriza mais a grana do que a sua paz de espírito, se costuma correr atrás ou desistir dos seus projetos, se nas suas relações afetivas você prioriza a beleza ou as afinidades, se reconhece os momentos de dividir e de silenciar, se sabe a hora de trocar de emprego, se sai do país ou fica, se perdoa seu pai ou preserva a mágoa pro resto da vida, esse tipo de coisa.

A gente é a soma das nossas decisões, todo mundo sabe. Tem gente que é infeliz porque tem um câncer. E outros são infelizes porque cultivam uma preguiça existencial. Os que têm câncer não têm sorte. Mas os outros, sim, têm a sorte de optar. E estes só continuam infelizes se assim escolherem.”

Mas, afinal de contas, quem define a nossa sorte? São as forças muito superiores à nós.

E quem nos auxilia a fazermos as escolhas bem feitas? São as forças muito superiores à nós. E essas forças só nos auxiliarão se nós tivermos fé e nos rendermos a ideia de que “Só os Orixás ajeitam a nossa vida.”

 

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Fred Mette

Fred Mette

Colunista

Doutora em administração, amante e atuante nas áreas de finanças, marketing, empreendedorismo e inovação. Possui com experiência em consultoria, avaliação de negócios e planejamento estratégico e financeiro. Sócia e idealizadora da U-Plan Startup. Seus interesses de pesquisa incluem, principalmente, psicologia econômica, endividamento e bem-estar financeiro. Atualmente é professora e coordenadora do curso de Administração na ESPM SP.

Mais artigos

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

O furar bolhas necessário se cada dia

Você ainda acredita que furar bolhas é mimimi? Acorde, viu! Furar bolhas é fundamental para se tornar um profissional completo e capaz de agregar valor em sua área de atuação. Ao se manter restrito em um determinado ambiente, sem buscar experiências e conhecimentos...

ler mais

junte-se ao mercado