Sobre Valores e Valores

nov/2020

Entre as décadas de 80 e 90, uma empresa chamada Talent estava entre as 15 maiores agências de propaganda do país. Para quem não sabe, a Talent foi responsável por criar, durante os anos 80, o clássico “Bonita Camisa Fernandinho” para a marca de Camisas US Top e a campanha memorável “Não é assim nenhuma Brastemp” que mesmo depois de tanto tempo, volta e meia recebe uma nova roupagem.

Apesar do seu mérito criativo, a Talent se destacava realmente por ser uma das melhores agências de Planejamento do mundo. Devia isso ao talento incontestável do seu sócio fundador, Júlio Ribeiro que, além de ser um planejador incrível tinha convicções muito sólidas. Ao fundar a Talent, Júlio prometeu que jamais faria propaganda para empresas de cigarro, bebidas alcoólicas ou governos. Costumava dizer que todos esses faziam muito mal as pessoas. Foi fiel aos seus valores até o final da sua vida, mesmo reconhecendo ter perdido muito dinheiro com essa sua decisão.

Os anos passaram e a Propaganda Brasileira se firmou entre as melhores do mundo. Foi responsável por construir marcas memoráveis e grandes impérios. Como acontece em todas as partes do mundo, é também associada ao estímulo de hábitos consumistas que torna rapidamente obsoleto quase tudo o que compramos, fomentando o desequilíbrio social e ambiental, dizem os mais críticos. Há tempos a propaganda sente necessidade de se reinventar.

Eis que o futuro chega, surge a pandemia e Deus, que na bíblia do Kotler recebe o nome de Forças Macroambientais, resolve sacudir a poeira e acelerar vários processos, especialmente os tecnológicos, ecológicos e sociais. As questões que envolvem sustentabilidade têm sido debatidas constantemente em todo o mundo. Todos observamos a resposta do planeta ao turismo predatório ou as queimadas na Amazônia e Pantanal. As pautas da diversidade nunca foram tão imperativas.

Neste novo mundo não pode haver espaço para o racismo, machismo, homobofia e todas as formas de preconceitos que estruturaram a nossa sociedade desde que o mundo é mundo. Está na hora do reset. A SEMESP propôs resetarmos a educação em seu último congresso. O movimento Imperative 21, grupo formado por grandes empresas globalizadas, está propondo resetar o próprio capitalismo. E onde está você? Onde estamos nós publicitários neste contexto de reviravoltas e transformações? 

A que tipo de negócios você como profissional e/ou empresário da propaganda deseja associar o seu saber, o seu tempo e a sua energia de agora em diante? Não seria a hora de aproveitar a nuvem de poeira para espanar tudo o que nos faz mal e também aos outros? Não seria a hora de entrar mesmo na caverna não apenas para nos autoavaliarmos enquanto indivíduos, mas avaliarmos as configurações mais profundas das atividades profissionais e os seus impactos em todo o ecossistema? Eu acredito verdadeiramente que a propaganda, por meio das escolhas e capacidade consultora que possui, tenha força suficiente para fazer a roda econômica e social girar em outra direção. Pode me chamar de Poliana. Ou melhor, de Júlio Ribeiro.

Alessandra Calheira

Alessandra Calheira

Colunista

Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas, na linha de Cibercultura, pela UFBA; Especialista em Marketing pela ESPM e Publicitária pela UCSal. É sócia fundadora da Proxima e consultora para Gestão Educacional e Empregabilidade da Rede FTC. É ainda professora da Pós-Graduação da UNIFACS e colunista do Bahia Notícias. Atuou como criativa e redatora publicitária quando foi laureada com um Leão no Festival Internacional de Cannes, com uma medalha no Clube de Criação de São Paulo, Top de Marketing da ADVB, entre outros.
Mais artigos

Conecchão: eu era, eu sou ou eu serei?

Todo e qualquer lugar do mundo é um berço de conhecimento pra mim. Os Brasis dentro do Brasil são como salas de aulas... e a Bahia, sem dúvida, é uma das minhas aulas prediletas. Aqui nasceram seres humanos extraordinários, como o terapeuta indígena Ubiraci Pataxó. E,...

ler mais

O elefante no labirinto

Dizem por aí que psicoterapeutas e escutadores desenvolvem com o tempo orelhas de elefantes e são capazes de captar sons de baixa frequência, a longa distância. Eu conhecia outro extraordinário talento dos elefantes: sua habilidade de ler o chão, interpretar sinais...

ler mais

Vacina pouca, meu braço primeiro

Quando a gente tem que filmar a vacinação de idosos para que eles não sejam enganados pela malandragem de um agente de saúde cuja intenção secreta é ficar com a dose do imunizante, aí nos damos conta de que a ética que vigora na Grande Família do Brasil é a de...

ler mais

Janeiro: utopias, distopias e recomeços

Não me importo quando me chamam de utópico e sonhador. Encaro o senso de utopia de um jeito positivo, como uma competência criativa, uma capacidade de imaginar a vida para além das contingências. É uma ginástica da imaginação que nos estimula e dá propulsão. Como...

ler mais

junte-se ao mercado