Três aniversariantes

fev/2019

É hora de ascender as velhinhas e comemorar. Três importantes veículos de comunicação da terra comemoram este ano marcos cronológicos de sua fundação: Correio *, TV Aratu e Tribuna da Bahia.

O Correio* que nasceu Correio da Bahia, em 15/01/1979, já festeja os seus 40 anos, publicou em janeiro um caderno especial com o registro de seus principais destaques, editorias e institucionais, incluindo mais de meia centena de prêmios conquistados. E ao longo do ano promoverá especiais jornalísticos reforçando o conceito de 40, a exemplo do especial 40 anos de Carnaval com exposição de fotos aberta ao público no Salvador Shopping. Um livro contando a história do jornal é um dos projetos em curso.

Celebrar 40 anos parece pouco para um jornal. Parece. Na Bahia dos mais de 5 mil títulos jornalísticos editados desde 1811 quando surgiu o pioneiro, Idade D’Ouro do Brasil, menos de vinte atingiram a marca dos 40. A efemeridade sempre foi a regra. Celebrar os 40 não é para todos.

Também num dia 15 estreou na Bahia a TV Aratu que deveria se chamar TV Independência, ainda bem que não foi, e acabou sendo TV Aratu, conhecida como a emissora do galinho, graças à força conceitual da marca e que estreou em 15/03/1969, por tanto 50 anos transcorridos. Foi vítima da censura logo na estreia quando autoridades do estado e os proprietários da TV discursavam: chegando a vez de Milton Tavares os militares deram um jeito de interromper o sinal por alguns minutos.

Ao longo de sua história a TV retransmitiu várias redes. Começou independente, foi afiliada Globo, Manchete, CNT e SBT desde 1997, até hoje. Passou também por várias composições acionárias, a última data de 1992, quando a família Coelho assumiu o controle da emissora com Silvio Roberto Coelho como diretor presidente. A TV Aratu prepara, dentre outras ações programadas, uma campanha publicitária, a primeira etapa com a estreia do slogan “50 anos de Avenida”, nas transmissões do Carnaval, ela a emissora oficial da festa.

Também comemora meio século de existência a Tribuna da Bahia que estreou em 21 de outubro de 1969, ano emblemático, viu-se desde o início as voltas com a ditadura, vigorava o AI—5, fundada por Elmano Castro e Quintino de Carvalho. A Tribuna foi pioneira na Bahia na impressão em off-set. As agências de publicidade adoraram a novidade que na prática propiciava maior nitidez aos anúncios. Logo foi adquirida pelo empresário Joaci Goes, hoje Presidente da Academia de Letras da Bahia, e mais tarde por Walter Pinheiro.

Um dia a Tribuna convenceu o escritor João Ubaldo Ribeiro a assumir a direção de redação, escreveu magníficos editoriais, esbanjando talento. O peso da ditadura não esmoreceu a atitude corajosa de seus editores. Logo no número de estreia informava em manchete: “Milhares de políticos são agora inelegíveis”. Não foi o único episódio do gênero.

A Tribuna da Bahia prepara um super caderno especial para outubro e outras ações que serão anunciadas durante o ano. É hora de ascender as velhinhas, comemorar e desejar longa vida aos três aniversariantes.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

uma curtição chamada São João

Pelo segundo ano consecutivo, não será possível sentir os aromas das festas juninas nas ruas ou em espaços onde costumávamos “pular a fogueira” ou “dançar a quadrilha”. Assim como o trabalho e os estudos, as celebrações tradicionais tiveram que se transformar,...

ler mais

O que você quer do futuro?

Há uns 10 anos, mais ou menos, em meio a uma das fases mais conturbadas da minha vida, li Martha Medeiros e aquilo foi uma das coisas que mais me marcou:   “Felicidade depende basicamente de duas coisas: sorte e escolhas bem feitas. Tem que ter a sorte de nascer...

ler mais

Sociedade do cansaço: não aperte minha mente

A pandemia trouxe uma carga extra de cansaço, fadiga e exaustão. Ao estresse acumulado de antes, com as impotências nossas de cada dia, problemas, dívidas, prazos, metas desafiadoras, engarrafamentos e insegurança no emprego, etc., somaram-se novas doses de cansaço...

ler mais

O elefante no labirinto

Dizem por aí que psicoterapeutas e escutadores desenvolvem com o tempo orelhas de elefantes e são capazes de captar sons de baixa frequência, a longa distância. Eu conhecia outro extraordinário talento dos elefantes: sua habilidade de ler o chão, interpretar sinais...

ler mais

Vacina pouca, meu braço primeiro

Quando a gente tem que filmar a vacinação de idosos para que eles não sejam enganados pela malandragem de um agente de saúde cuja intenção secreta é ficar com a dose do imunizante, aí nos damos conta de que a ética que vigora na Grande Família do Brasil é a de...

ler mais

junte-se ao mercado