Um país chamado Bahia

jan/2024

Quem já mergulhou no mar da Bahia sabe que não adianta chegar em Salvador acreditando que títulos e diplomas lhe garantirão um lugar ao sol. Para chegar bem na terra do dendê, é preciso ter “as manha”.

De ‘cara’ é até possível que você ganhe uns convites, apareça em uns coquetéis por aí, seja notícia (ou fofoca!) na cidade, ganhe um acarajé de Regina e até mesmo uma dose de cravinho no Pelô, mas para se manter bemquisto(a), você vai ter que entender a energia do lugar.

Seja no verão ou em qualquer época do ano, não é anormal vermos marcas nacionais descobrindo Salvador como uma ‘oportunidade de negócio’. De repente, não mais que de repente, nasce o interesse em se aproximar dessa gente tão receptiva, calorosa e acolhedora, para então expandir a atuação pelo Nordeste. 

Acontece que muitas empresas ainda não entenderam as especificidades do lugar. Parece defesa para reserva de mercado, mas de nada adianta “ativar” Salvador com agencias e profissionais de outros estados sem entender os seus detalhes. Nós temos jeitos, manias, manhas e comportamentos que não são aprendidos nos livros de Jorge Amado e tampouco nas novelas da Globo.

Foca aqui.

Me lembro certa vez quando gravando para um canal de fora, o diretor soltou um “meu rei” muito simpático como forma de se aproximar da entrevistada.

Dois segundos de silêncio.

Eis que a negona coloca a mão na cintura, levanta o dedo em riste e diz: aqui ninguém fala Meu Rei não, viu?! Isso é coisa sua. Oxe!

É isso.

Eu sei, você sabe, ele não.

Mas o principal é que muitas empresas também não. A regionalização de um bom trabalho deve e precisa ser feita em sintonia com profissionais locais, elevando o grau de aderência e assertividade de entrega. Justificar carência profissional na contratação beira a xenofobia, fortalecendo estereótipos há muito combatidos e altamente ultrapassados.

Hoje, atendendo marcas nacionais e dialogando com profissionais de outros estados, posso garantir que a Bahia não perde em nada quando falamos sobre qualidade de entrega, criatividade, empenho e profissionalismo. O alto nível profissional que exportamos – para todo o mundo –, tem nos colocado em lugares de destaque em todo o país, provando que Nizan sempre esteve certo ao afirmar que “baiano não nasce, estreia”!

Mas para quem não entende dos macetes, fica aqui o meu alerta: rapadura é doce, mas não é mole não.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Rodrigo Almeida

Rodrigo Almeida

Colunista

Relações Públicas, Mestre em Gestão e Tecnologia Industrial, Professor Universitário e Diretor da agência CRIATIVOS.

Mais artigos

O que o povo não sabe, não destrói.

Ei! O que você anda postando em redes sociais digitais? Até que ponto é válido postarmos tudo o que fazemos? Bora refletir. Em tempos de redes sociais digitais, é comum nos depararmos com a tentação de compartilhar cada detalhe de nossa vida online. No entanto, é...

ler mais

Crescer é ótimo! Mas você está preparado para isso?!

Diz aí! Qual a sua meta para 2024? Sabemos que o planejamento é a chave para evitar quedas e garantir a fidelização dos clientes, pois é através dele que antecipamos desafios, identificamos oportunidades e construímos estratégias sólidas para manter o sucesso...

ler mais

2024 | o ano das (re) descobertas

Ei! Se apresse! Você está preparado para 2024? O futuro está cada vez mais próximo e é importante estarmos preparados para as mudanças que estão por vir. O ano de 2024 promete ser um marco em diversos aspectos, desde avanços tecnológicos até transformações sociais e...

ler mais

CURAr a alma

A cura da alma é um processo fundamental para o bem-estar e a plenitude do ser humano. Assim como cuidamos do nosso corpo físico, é igualmente importante cuidar da nossa saúde mental, emocional e espiritual. A alma é o centro de nossas emoções, pensamentos e...

ler mais

junte-se ao mercado