Você está comunicando bem os seus projetos sociais?

maio/2017

Você pode até não se dar conta, mas quase diariamente você tem acesso a formas de contribuir com as instituições filantrópicas e ONGs. Nas urnas dos mercados, no telefonema do call center, nos anúncios das redes sociais, nos correios, na caixa de e-mails ou nas campanhas apoiadas por grandes empresas de comunicação. As instituições que realizam trabalho social precisam sobreviver garantindo recursos para suas ações e, para isso, a contribuição da sociedade é fundamental. Seja com doação única, participação em eventos, voluntariado, valores mensais, ou de nota fiscal, as propostas estão aí. Mas o que faz o consumidor decidir para qual instituição doar recursos financeiros ou seu tempo de trabalho?

A resposta é simples: aquela que consegue estabelecer uma conexão real com o público. E, é claro, isso envolve um trabalho de comunicação planejado e eficaz. Mas ainda precisamos analisar um pouco mais esse contexto.

O que já sabemos é que quando um cliente adquire um produto ou um serviço, ele não está obtendo apenas o objeto ou benefício em si, mas ele está interessado no conceito, no que diz a marca, no que significa usar, vestir ou ser aquela determinada empresa.  E diante do consumidor ativo, que é consciente dos seus direitos e quer reconhecer seus próprios valores naquilo que consome, o trabalho de comunicação, através de estratégias de branding e ações de marketing, é crucial para atribuir valor significativo às marcas.

Neste sentindo, alguns estudiosos apontam a existência de três estágios de relacionamento com o consumidor. Um primeiro estágio, que é assertivo, no qual a marca fala com seu público, explicando seu ponto de vista e dizendo que suas escolhas são as melhores, basta apenas confiar; um segundo momento, dito assimilativo, onde as marcas passam ao nível de diálogo e dá ao consumidor a oportunidade de dizer o que acha importante para o crescimento da empresa; e, finalmente, um terceiro estágio, absorvitivo, onde as marcas passam a ser parte da vida do seu público, motivando não apenas o uso do seu produto, mas também o seu life style.

Quando analisamos essas prerrogativas num contexto de empresas e marcas que promovem ações socais com intuito de angariar fundos, torna-se ainda mais importante que esses negócios tenham um relacionamento estreito com seu público, bem como seu total respeito e confiança. É claro que esse trabalho começa com a prática de políticas de gestão, governança e compliance bem definidas e ativas. Mas, no outro extremo dessa teia, a comunicação precisa dizer ao consumidor que, ali, seus valores são reconhecidos e valorizados e que sua aplicação – monetária ou não – será usada da forma mais correta e eficaz. Que o seu interesse em ajudar está sendo valorizado e os recursos serão bem aplicados.

Mas este caminho precisa ser trilhado através da transparência, do diálogo participativo e da prestação de contas à sociedade, principalmente quando as instituições estão num contexto de desconfiança, onde o seu público já está exposto a casos de desvio de verbas e corrupção. E nem sempre é o maior negócio que vai gerar mais confiabilidade e segurança. Sai na frente aquele que usa as ferramentas de comunicação certas para chegar ao seu público e que consegue estabelecer uma relação concreta e efetiva.

Um bom plano de comunicação, ao final, não só te levará da forma certa ao consumidor. Vai engajá-lo e torna-lo um multiplicador. Nas instituições que realizam trabalhos e ações sociais, aí está o verdadeiro ouro! E não esqueça: de nada adianta realizar uma boa comunicação se o trabalho não for realmente significativo, ou estiver sendo realizado sem gestão criteriosa.

 

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

Está na moda ser publicitário de novo. E você sabe porquê?

Você sabe como os influenciadores ganham dinheiro? E quem paga a assinatura da Netflix pela metade do preço? E aquele post sensacional do prédio novo? E o vídeo do mais novo lançamento da Apple? E a ação de marketing do novo carro da Tesla? Pois é meus amigos e minhas...

ler mais

Axé para quem é de Axé! Axé, Anitta!

A perda de seguidores após uma revelação religiosa pode ser encarada como um verdadeiro livramento divino. Aqueles que se afastam de nós nesse momento estão apenas mostrando que não estavam verdadeiramente alinhados com nossos valores e crenças mais profundas. É...

ler mais

IA na Publicidade: Estímulo ou Ameaça à Criatividade? 

O mundo da publicidade vive uma revolução com o avanço da Inteligência Artificial (IA), especialmente no campo da IA generativa (GenAI), que traz uma disrupção para a forma como o trabalho criativo e analítico é feito. Isso gera desejo e medo nos profissionais da...

ler mais

Seja bem-vinda Madonna, e volte mais vezes.

Sou educado, mas não me julgue, pois não assisti ao show ou me empolguei com a artista no Brasil. Motivo – não gosto muito desse tipo de evento miraculoso, que envolve mais encenação do que recursos e talentos em si. Todavia, isso não invalida a minha noção de que a...

ler mais

WEB SUMMIT: o que o summit dos summits resolve pro Brasil?

Para saber agora mesmo se você faz parte da bolha dos bem-sucedidos é simples: abra o LinkedIn e veja se no seu feed alguma das últimas cinco publicações é sobre o Web Summit.O summit dos summits aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio, no Rio de Janeiro. Nos palcos,...

ler mais

Não era amor. Era pix. A relação por interesse.

Em um mundo cada vez mais movido por interesses e conveniências, é comum nos depararmos com relacionamentos que se baseiam em trocas e benefícios mútuos, em detrimento de sentimentos genuínos e conexões emocionais reais. O que antes era conhecido como amor, agora...

ler mais

junte-se ao mercado