>

Feliz Natal!!!!!

nov/2017

Essa é a voz que ouvimos do comércio, em especial dos shoppings centers onde já vemos, desde meados de outubro os primeiros enfeites natalinos, pelos corredores e nas áreas de alimentação, preparando o humor dos baianos para a retirada dos panos, da praça central, que nos revelam o grande cenário onde o Papai Noel estará fazendo a alegria das crianças e lá dentro um produtor do marketing ralará o DVD com as cantigas de época de tanta repetição. E no fim de semana, ainda bem, teremos um coral ao vivo.

 

Eu deveria estar feliz por Papai Noel chegar mais cedo este ano do que de costume, logo eu que sempre acreditei no bom velhinho e nunca permiti lá em casa que meus filhos, ou, netos duvidassem sobre a sua existência; até hoje ninguém na minha frente se atreve a dizer que Papai Noel não existe. E eu estava falando bom velhinho por força de hábito, pois já começo a desacreditar da bondade desse velhinho, como não duvidar se o comércio há mais de três anos é lamentação pura. E tristeza, assim aprendi, não combina com bondade.

 

Se o comércio não vende conforme as expectativas e não contrata funcionários extras como no passado e as agências de propaganda e os veículos de comunicação que divulgam as mensagens publicitárias sonham com atingir, na melhor das hipóteses, os índices de faturamento de 2013, quando estamos em 2017 , afinal, de quem é a culpa? Obvio que de Papai Noel que não está nos presenteando como deveria e uma amiga minha que via renas nesta época do ano sobrevoando os céus de Salvador, jura que não as viu nunca mais. Tão chateado fiquei com o desabafo que prometi a mim mesmo inventar uma rena, se preciso for, para agradá-la.

 

Como ia dizendo eu deveria estar feliz com a chegada de Papai Noel nesta primavera invernal, mas, não estou e se não fossem minhas convicções e minha admiração incondicional pelo personagem já o tinha xingado na minha coluna do Correio* e quem sabe renegado a sua existência. E sabem por que não estou feliz ? Por que imaginava para o bom velhinho, lá eu de novo dizendo que ele é bom, outra função mais pertinente, nestes tempos sombrios, do que distribuir presentes. Outro destino.

 

É que pensando bem, depois de olhar para o nosso quadro eleitoral, as cinzentas perspectivas para 2018 onde a nossa escolha parece reduzida a candidatos cujo perfil é o de ladrões, apedeutas, déspotas e aluados, nada melhor do que Papai Noel para Presidente do Brasil. Embarco nessa, conto com você na minha campanha e já fico por aqui antes que me surrupiem o trenô que está lá fora me esperando.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Como criar uma seita em oito passos

Há quase trinta anos que trabalho com grupos em organizações pelo Brasil. Uso os óculos teóricos da psicologia do trabalho e da antropologia para compreender e decifrar os problemas de relacionamento internos das tribos empresariais. Tenho observado uma atmosfera...

ler mais

Eleições quase limpas

O atual processo eleitoral pode não ser tão limpo assim, mas, convenhamos as ruas das cidades estão mais limpas do que em pleitos anteriores, nos livramos tudo indica que para sempre, das placas e armengues de propaganda eleitoral que tomavam conta das principais ruas...

ler mais

Responsabilidade Social é um compromisso individual

A responsabilidade social é um compromisso de todos. Ao assumirmos isso, o exercício da cidadania sai do campo da teoria e vai para a prática. Afinal, todos podemos realizar ações em prol do coletivo. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e...

ler mais

O consumidor real: você sabe com quem está falando?

Pensamos uma coisa e fazemos outra, desejamos o que não precisamos, fugimos do que desejamos, acumulamos coisas e descartamos pessoas. É nesse contraditório mundo intrapsíquico que se produzem os comportamentos, inclusive os de compra. Em tal conjunção, como definir o...

ler mais

Mentira, fake news e pós-verdrags

A manipulação de sofismas e falácias desafiou o mundo de Sofia, desde os primórdios. Grandes mentes conseguiram decifrar os vestígios do blefe e os truques da mentira. Sócrates, o gigante de Atenas, preferiu sorver o cálice da verdade enquanto os sofistas, artistas da...

ler mais

O resgate pela resiliência: o caso dos Javalis Selvagens

Era o dia 23 de junho, o time dos Javalis Selvagens havia acabado a partida de futebol. Um almoço festivo os esperava na casa de um dos integrantes do time para cantar parabéns. Mas eles convenceram a Ake, o técnico do time, a darem um passeio de bike na direção das...

ler mais

junte-se ao mercado