O esporte baiano sem apoio

set/2017

Todo mundo sabe que os quenianos são os melhores do mundo, ou pelo menos essa é a percepção, na pratica das corridas de fundo: maratona, meia maratona, 10 mil metros. Uma expertise que eles desenvolveram nos últimos vinte anos, antes disso o protagonismo era de outros países, entre os africanos apenas os etíopes marcavam presença no pódio das competições de fundo.

O que eu estou querendo dizer ou sugerir, é uma reflexão:  se os quenianos são bons de corrida, nós baianos, somos bons de que mesmo?

Nos esportes coletivos não somos bons em nenhum e nunca fomos. Não há nenhum time de futebol, basquete, ou, vôlei que tenha sido destaque nacional. Tivemos ao longo da história algumas individualidades nesses esportes, por mérito próprio, que chegaram às seleções nacionais. Zózimo, Dida, Bebeto, Vampeta, Daniel Alves, Edilson, Júnior no futebol; Formiga no futebol feminino; Nilton Pacheco e Israel Machado no basquete; Ricardo no vôlei de praia…. E outros. Poucos.

Dois esportes individuais, contudo, poderiam ter nos proporcionado grandes campeões; o remo e a natação em águas abertas. São esportes com DNA da terra. No primeiro a Bahia chegou a fazer nome como um dos Estados mais competitivos, ninguém no Norte e Nordeste era páreo, sem trocadilhos, para nós. Perdemos esse protagonismo por falta de apoio governamental.

O remo baiano, praticado durante décadas, na Ribeira de Itapagipe, praticamente morreu por não termos recursos para adquirir os barcos de fibra e outros equipamentos de ponta de alto custo. Enquanto o esporte foi amador com equipamentos amadores fomos bons. A tecnologia nos derrotou. Os nossos atletas não tiveram a oportunidade da reciclagem e morremos na praia. Culpa de quem? Do poder público, obvio. Nenhum governo, em momento algum, apoiou essa modalidade esportiva.

Na natação em águas abertas tivemos melhor sorte. Praticada na Bahia desde o século XIX, tivemos um pouco mais de apoio oficial do que o remo, por conta da cobertura de mídia que o tornou de alguma forma popular. Nos deu dois campões mundiais: Ana Marcela Cunha e Alan do Carmo. Ambos tiveram, porém, um fraco desempenho nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e a tendência é que águas abertas também deixe de ser uma de nossas expertises.

Na Bahia ficamos sem piscina olímpica alguns anos e se repôs a da Fonte Nova com uma de segunda classe. O que as pessoas não sabem é que o treino básico, o dia a dia, para as competições em águas abertas é feito em piscinas e como estamos sem uma adequada, será difícil ter outros campeões.

A omissão do poder público na Bahia em relação aos esportes, é lamentável. Não há orçamento e não há competições em colégios, universidades, cidades. É tudo um faz de conta para parecer que o esporte amador baiano ainda existe. Perspectivas de fazermos campeões e confirmarmos a nossas expertises? Nenhuma.

Se os quenianos são bons de corrida, tenho a impressão que nós também somos. Especialistas em corridas de obstáculos. O problema é que esta modalidade não rende medalhas, apenas frustações.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

As presepadas de dezembro

Comemoramos em 04 de dezembro o Dia Mundial da Propaganda, mas, também reverenciamos Santa Bárbara, no sincretismo do povo de santo, Iansã, o orixá hoje mais popular que a santa de Nicodemia e os calendários de datas supostamente importantes nos informam que é também...

ler mais

Mutações da “baianidade”

“A novidade veio dar à praia na qualidade rara de sereia, metade o busto de uma deusa maia, metade um grande rabo de baleia...a novidade era o máximo do paradoxo estendido na areia, alguns a desejar seus beijos de deusa, outros a desejar seu rabo prá ceia”. E se a...

ler mais

Feliz Natal!!!!!

Essa é a voz que ouvimos do comércio, em especial dos shoppings centers onde já vemos, desde meados de outubro os primeiros enfeites natalinos, pelos corredores e nas áreas de alimentação, preparando o humor dos baianos para a retirada dos panos, da praça central, que...

ler mais

E Ivana virou Ivan: a força do querer diversidade

A telenovela da Rede Globo A força do querer trouxe a questão da diversidade sexual para o centro do debate. Glória Perez soube discorrer, com delicadeza e sensibilidade, a força do querer de Ivana em se tornar Ivan, um homem trans, promovendo o debate sobre a...

ler mais

Outubro Rosa. A bola da vez

Uma das características do mercado publicitário é a sua sintonia com as demandas comerciais ou sociais, o que gera modismos de época, nem todos se sustentam por muito tempo. A bola da vez nos últimos anos tem sido o Outubro Rosa que gera mídia de oportunidade em todos...

ler mais

junte-se ao mercado