>

O esporte baiano sem apoio

set/2017

Todo mundo sabe que os quenianos são os melhores do mundo, ou pelo menos essa é a percepção, na pratica das corridas de fundo: maratona, meia maratona, 10 mil metros. Uma expertise que eles desenvolveram nos últimos vinte anos, antes disso o protagonismo era de outros países, entre os africanos apenas os etíopes marcavam presença no pódio das competições de fundo.

O que eu estou querendo dizer ou sugerir, é uma reflexão:  se os quenianos são bons de corrida, nós baianos, somos bons de que mesmo?

Nos esportes coletivos não somos bons em nenhum e nunca fomos. Não há nenhum time de futebol, basquete, ou, vôlei que tenha sido destaque nacional. Tivemos ao longo da história algumas individualidades nesses esportes, por mérito próprio, que chegaram às seleções nacionais. Zózimo, Dida, Bebeto, Vampeta, Daniel Alves, Edilson, Júnior no futebol; Formiga no futebol feminino; Nilton Pacheco e Israel Machado no basquete; Ricardo no vôlei de praia…. E outros. Poucos.

Dois esportes individuais, contudo, poderiam ter nos proporcionado grandes campeões; o remo e a natação em águas abertas. São esportes com DNA da terra. No primeiro a Bahia chegou a fazer nome como um dos Estados mais competitivos, ninguém no Norte e Nordeste era páreo, sem trocadilhos, para nós. Perdemos esse protagonismo por falta de apoio governamental.

O remo baiano, praticado durante décadas, na Ribeira de Itapagipe, praticamente morreu por não termos recursos para adquirir os barcos de fibra e outros equipamentos de ponta de alto custo. Enquanto o esporte foi amador com equipamentos amadores fomos bons. A tecnologia nos derrotou. Os nossos atletas não tiveram a oportunidade da reciclagem e morremos na praia. Culpa de quem? Do poder público, obvio. Nenhum governo, em momento algum, apoiou essa modalidade esportiva.

Na natação em águas abertas tivemos melhor sorte. Praticada na Bahia desde o século XIX, tivemos um pouco mais de apoio oficial do que o remo, por conta da cobertura de mídia que o tornou de alguma forma popular. Nos deu dois campões mundiais: Ana Marcela Cunha e Alan do Carmo. Ambos tiveram, porém, um fraco desempenho nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e a tendência é que águas abertas também deixe de ser uma de nossas expertises.

Na Bahia ficamos sem piscina olímpica alguns anos e se repôs a da Fonte Nova com uma de segunda classe. O que as pessoas não sabem é que o treino básico, o dia a dia, para as competições em águas abertas é feito em piscinas e como estamos sem uma adequada, será difícil ter outros campeões.

A omissão do poder público na Bahia em relação aos esportes, é lamentável. Não há orçamento e não há competições em colégios, universidades, cidades. É tudo um faz de conta para parecer que o esporte amador baiano ainda existe. Perspectivas de fazermos campeões e confirmarmos a nossas expertises? Nenhuma.

Se os quenianos são bons de corrida, tenho a impressão que nós também somos. Especialistas em corridas de obstáculos. O problema é que esta modalidade não rende medalhas, apenas frustações.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Três aniversariantes

É hora de ascender as velhinhas e comemorar. Três importantes veículos de comunicação da terra comemoram este ano marcos cronológicos de sua fundação: Correio *, TV Aratu e Tribuna da Bahia. O Correio* que nasceu Correio da Bahia, em 15/01/1979, já festeja os seus 40...

ler mais

Espiritualidade e competição no mundo corporativo

Recentemente, no centro espírita, vivi experiências que me levaram a refletir sobre como nossos espaços vão sendo estabelecidos na dinâmica das relações do mundo corporativo. Aos que não sabem, é práxis, ao fim da doutrinária, a distribuição de copinhos d'água...

ler mais

Comemorações Institucionais: 470 anos a serviço do bem

De acordo com dados do Sebrae divulgados no fim do ano passado, o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil é preocupante. A cada quatro abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado. Estes 25% representam não apenas o momento atual,...

ler mais

Janeiro, fevereiro e março

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano...

ler mais

Brasil 2019: entre Cassandra e Poliana

Pobre Cassandra, ninguém lhe dá ouvidos, ninguém mais acredita em suas profecias, parece que ela só sabe criticar e torcer contra. Por mais que grite e demonstre com firmeza o que está por vir, ninguém aposta uma ficha sequer em  sua clarividência. Ainda que ela...

ler mais

junte-se ao mercado