O gosto e desgosto da mídia

jul/2017

Enxovalhar a mídia é uma das propostas e atitudes recorrentes dos internautas nas redes sociais, em especial no facebook. Parte-se do princípio de que se eu não gosto disso e não concordo com isso é por que o veículo que informa, ou, emite opinião, através de seus articulistas, faz parte de uma suposta conspiração, quando não é incompetente e outras adjetivações atribuídas. Não se assimila a informação pelo que ela diz, mas, através do filtro de “me agrada”, ou, “me incomoda”.

É que somos treinados para escolher e aderir a uma opinião na prateleira de manchetes que sites e blogs nos oferecem, renovadas a cada minuto. Amanhã a prateleira estará oferecendo-nos outra mercadoria e então uns irão adquirir o produto por afinidade da marca (simpatizo com uma suposta ideologia), enquanto outros optarão por ler o rótulo, inclusive a validade, para opinar com maior conhecimento de causa. O problema é que milhões de brasileiros não sabem ler o rótulo, que dirá interpretá-lo.

E esse quadro de “a mídia somos nós e o resto que se dane” que favorece essa atitude de depreciarmos a mídia, o equivalente de “a mídia não presta, salvo aquela que me agrada”. Em que pese esse pendor, ainda assim, o Brasil confia e muito nos seus veículos de comunicação, conforme recente pesquisa, realizada pelo Instituto Reuters para a Universidade de Oxford, com uma amostra de 70 mil consumidores de notícias em 36 países. O Brasil obteve um honroso segundo lugar, perdendo apenas para a Finlândia. A instituição imprensa brasileira ficou muito bem nessa fita do ranking de credibilidade.

Há contradição no resultado dessa enquete? Se confiamos tanto assim na mídia, por que falamos mal dela? Acho que não. Uma coisa é uma coisa. Outra coisa é outra coisa. Confiamos sim, mas isso não exclui a nossa afinidade, no consumo do conteúdo, com quem nos fornece o que queremos ver e ouvir. As redes sociais nos colocaram nessa armadilha ao facultar-nos a escolha de nossos seguidores e a possibilidade de excluí-los a qualquer momento. Formamos opinião através dos que pensam como nós queremos que pensem.

Avaliações aparte, que seria dos que disseminam o ódio nas redes sociais sem a mídia? É dela que se alimentam e sem ela não teriam como expressar seus sentimentos, em especial em relação à política, um campo fértil para as manifestações menos racionais e mais emotivas. Não atentamos para isso, mas, provavelmente, quando enxovalhamos a mídia, é de nós mesmos e de nossos piores sentimentos que nós queremos livrar. Os psicanalistas explicariam isso melhor.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

As senhoras protetoras do mês de fevereiro

Os fãs de antigos calendários romanos e de suas estranhas métricas para a contagem dos anos, meses e dias da semana sabem que o mês de fevereiro era o último mês do ano. Seus dias eram consagrados à proteção da mãe de Marte, a deusa Fébrua, divindade do amor, da...

ler mais

Abaeté para os soteropolitanos

Quando eu cheguei em Salvador no distante ano de 1973 Abaeté ainda era a “lagoa escura, arrodeada de areia branca” como cantou Caymmi, um belo cenário nas noites de lua cheia, esta, refletida, nas águas sagradas; nas noites de verão os terreiros prestavam sua...

ler mais

2018 e o desafio da saúde

Começamos o novo ano com um cenário de incertezas para a área da saúde. Por ser um ano de eleições e, sobretudo, em um período de instabilidade política, é difícil fazer previsões. Mesmo após o ano de 2017 ter sido mais positivo em relação ao ano anterior, com tímida...

ler mais

Janeiro é o momento de consultar as pitonisas

A mídia é quem alimenta essas bobagens, desde tempos remotos quando um repórter se dava ao trabalho de ouvir Madame Beatriz e outras cartomantes e elas, sabendo isso, desde novembro do ano anterior já preparavam suas previsões que quase nunca se confirmavam, a não ser...

ler mais

Em 2018, vamos ser uma metamorfose ambulante!

Dezembro declara aberta a temporada de confraternizações de fim de ano, festas com amigos, parceiros da firma, grupos de Whatsapp se repetem com os rituais de amigo secreto, seguidas das celebrações de Natal em família e, uma semana depois, o ritual do Ano Novo que...

ler mais

junte-se ao mercado