O gosto e desgosto da mídia

jul/2017

Enxovalhar a mídia é uma das propostas e atitudes recorrentes dos internautas nas redes sociais, em especial no facebook. Parte-se do princípio de que se eu não gosto disso e não concordo com isso é por que o veículo que informa, ou, emite opinião, através de seus articulistas, faz parte de uma suposta conspiração, quando não é incompetente e outras adjetivações atribuídas. Não se assimila a informação pelo que ela diz, mas, através do filtro de “me agrada”, ou, “me incomoda”.

É que somos treinados para escolher e aderir a uma opinião na prateleira de manchetes que sites e blogs nos oferecem, renovadas a cada minuto. Amanhã a prateleira estará oferecendo-nos outra mercadoria e então uns irão adquirir o produto por afinidade da marca (simpatizo com uma suposta ideologia), enquanto outros optarão por ler o rótulo, inclusive a validade, para opinar com maior conhecimento de causa. O problema é que milhões de brasileiros não sabem ler o rótulo, que dirá interpretá-lo.

E esse quadro de “a mídia somos nós e o resto que se dane” que favorece essa atitude de depreciarmos a mídia, o equivalente de “a mídia não presta, salvo aquela que me agrada”. Em que pese esse pendor, ainda assim, o Brasil confia e muito nos seus veículos de comunicação, conforme recente pesquisa, realizada pelo Instituto Reuters para a Universidade de Oxford, com uma amostra de 70 mil consumidores de notícias em 36 países. O Brasil obteve um honroso segundo lugar, perdendo apenas para a Finlândia. A instituição imprensa brasileira ficou muito bem nessa fita do ranking de credibilidade.

Há contradição no resultado dessa enquete? Se confiamos tanto assim na mídia, por que falamos mal dela? Acho que não. Uma coisa é uma coisa. Outra coisa é outra coisa. Confiamos sim, mas isso não exclui a nossa afinidade, no consumo do conteúdo, com quem nos fornece o que queremos ver e ouvir. As redes sociais nos colocaram nessa armadilha ao facultar-nos a escolha de nossos seguidores e a possibilidade de excluí-los a qualquer momento. Formamos opinião através dos que pensam como nós queremos que pensem.

Avaliações aparte, que seria dos que disseminam o ódio nas redes sociais sem a mídia? É dela que se alimentam e sem ela não teriam como expressar seus sentimentos, em especial em relação à política, um campo fértil para as manifestações menos racionais e mais emotivas. Não atentamos para isso, mas, provavelmente, quando enxovalhamos a mídia, é de nós mesmos e de nossos piores sentimentos que nós queremos livrar. Os psicanalistas explicariam isso melhor.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Existe vida depois da Internet?

Espanta aos observadores do comportamento humano a velocidade da disseminação dos aparatos tecnológicos e sua crescente compatibilidade com os usuários. A conectividade mais acessível tornou o ambiente virtual o espaço mais importante para o fluxo dos processos. A...

ler mais

O esporte baiano sem apoio

Todo mundo sabe que os quenianos são os melhores do mundo, ou pelo menos essa é a percepção, na pratica das corridas de fundo: maratona, meia maratona, 10 mil metros. Uma expertise que eles desenvolveram nos últimos vinte anos, antes disso o protagonismo era de outros...

ler mais

Responsabilidade Social: Quem lucra com isso?

O conceito surgiu nas últimas décadas e adquiriu tamanha força e importância, que não deixou espaço para meias palavras ou controvérsias: atualmente, a Responsabilidade Social é parte fundamental das corporações. Somente no ano passado, segundo a pesquisa Benchmarking...

ler mais

Alto astral e bom humor, apesar dos pesares

A cabeça da gente contém um caldeirão de conexões, são muitas informações conflitantes e efervescentes onde se processa o humor. Sua manifestação externa se dará sobre a forma de anedotas, piadas, risadas, manobras mentais   inteligentes cuja função é devolver leveza...

ler mais

VIVA O SABER

Livros, debates, recitais, saraus e do nada, ou com tudo, o desabitado Pelourinho tem suas ruas invadidas por pessoas alegres, com riso estampado na face. Ali estava sendo oferecido algo, que não está presente no cotidiano, as escolas envelheceram. Na Flipelô tudo era...

ler mais

A morte do Teaser

O “teaser” nasceu no século XIX, teve seu auge no século seguinte e morreu de falência múltipla dos órgãos em inicios deste século e hoje permanece insepulto, aguarda talvez um cortejo fúnebre à altura da importância que teve, imagino todo o mercado ostentando...

ler mais

junte-se ao mercado