Responsabilidade Social é um compromisso individual

out/2018

A responsabilidade social é um compromisso de todos. Ao assumirmos isso, o exercício da cidadania sai do campo da teoria e vai para a prática. Afinal, todos podemos realizar ações em prol do coletivo.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na pesquisa Outras formas de trabalho 2017, 7,4 milhões de pessoas realizam trabalho voluntário no país, o equivalente a 4,4% da população com 14 anos de idade ou mais. Só na Bahia, são 540 mil pessoas dedicadas ao voluntariado, o que corresponde a 3,5% da população do estado na mesma faixa etária.

Na Santa Casa da Bahia, instituição reconhecida por sua atuação social, ética e transparente, temos hoje cerca de 200 voluntários atuantes nas unidades em diversas áreas como contadores de histórias, palhaços, músicos, aplicadores de reiki, massoterapeutas, instrutores de artesanato, pintura, culinária e dança, além daqueles que atuam no apoio administrativo.

Ser voluntário requer disponibilidade, tempo e entrega de si para ajudar outras pessoas. Mas é possível encontrar também diversas maneiras diferentes de fazer o bem. As doações em dinheiro apoiam e muitas vezes sustentam diversas instituições e, por isso, é a opção escolhida por muitas pessoas. No Grupo de Apoio à Criança com Câncer (GACC-Ba), temos cerca de 10 mil doadores mensais, que contribuem de forma significativa para o suporte oferecido às famílias das crianças e jovens na luta contra a doença. Segundo dados da Pesquisa Doação Brasil, encomendada ao Instituo Gallup pelo Instituto pelo Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), os brasileiros doam em torno de R$ 20,00 a R$ 40,00 por mês, o que totaliza 13 bilhões de reais em doações de pessoa física por ano. O Nordeste foi apontado pelo levantamento como a segunda região do país que mais doa.

Cuidar da natureza e do ambiente que nos rodeia, atuando para garantir a sustentabilidade e um planeta melhor para as próximas gerações é outra maneira de exercitarmos nossa responsabilidade social. Segundo pesquisa realizada pela Gfk (Growth for Knowledge), cresceu a preocupação do brasileiro com o impacto ambiental dos produtos que consome. 57% dos entrevistados declaram que se sentem culpados quando fazem algo que desrespeita o meio ambiente e também 53% afirmaram que onde e como um produto é produzido é muito importante para eles na hora de decidir o que levam para casa.

Portanto, existem diversas maneiras de nos conectarmos com o próximo e exercitarmos nosso compromisso social. Assuma sua responsabilidade na construção de um mundo melhor e vá para o campo de ação!

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

Cultura Uber: a ascensão do trabalhador por portfólio

Motoristas de aplicativo, podem reparar, falam pelos cotovelos. Ficam à espreita de algum sinal do freguês para iniciar um papo e, quando acontece, soltam o verbo. São treinados e permanecem calados até que o usuário resolva puxar conversa. Eu sou muito curioso sobre...

ler mais

Os cães ladram e a caravana não passa

Há um ditado antigo que diz que “em casa que não tem pão, todos brigam e ninguém tem razão”. Sabedoria para dizer que na falta de atendimento ao básico, sobra tempo para cada um expor suas frustrações, de preferência acusando ao outro pelo infortúnio. O Brasil parece...

ler mais

Foresight: como será o amanhã?

Prever o futuro já foi propriedade de profetas, gurus, bruxos, oráculos, xamãs e magos e argumento de ficção científica. Imperadores e reis antigamente dispunham de astrólogos residentes nos palácios dispostos a interpretar sinais do devir e ajudar aos monarcas nas...

ler mais

A campanha da Previdência: o caro e o barato

Propaganda é cara. Todo mundo sabe e quando digo todo mundo me refiro a quem é da área, ou seja, quem conhece a matéria. Propaganda é cara, sempre foi e nunca deixará de ser, pois no seu objetivo final que é massificação, ou público alvo definido, viabiliza dezenas de...

ler mais

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

junte-se ao mercado