Ainda é possível escolher

maio/2023

Estamos vivendo em um mundo acelerado. Cientificamente falando há o registro que a rotação do planeta, em função de pequena mudança do eixo da Terra, tem feito com que essa velocidade de rotação e translação aumente um pouco, mas a aceleração mesmo está se dando pelo avanço tecnológico que impõe novos e sucessivos paradigmas possibilitando fantásticos avanços na ciência e em vários campos.   

Por outro lado, o que predestina o ser humano como a espécie evolutiva na existência humana, traz também um crescente e assustador cenário de degradação e desestruturação das bases essenciais do convívio sustentável e civilizatório. 

Hoje tememos o sucateamento da inteligência humana em função da criação da Inteligência Artificial. Vivemos a era da abundância das informações e do acesso ao conhecimento e por outro lado estamos vivenciando um enorme retrocesso nas relações entre as pessoas, as nações e consequentemente o planeta. 

O campo semeado por tão avançado conhecimento confirma teorias e traz novas revelações que, até talvez, sequer estejamos preparados para absorvê-las.  É esse mesmo mundo novo que retrocede a humanidade ao tempo da Idade Média onde o terror, o medo, a intolerância e o ódio se espalham. Estamos semeando rápido a tecnologia e não semeando valores e humanidades. Assistimos a escalada das guerras, a iminência de uma Terceira Guerra Mundial catastrófica; convivemos com o retorno ao mapa da fome e do desalento; a corrupção endêmica que alveja a saúde moral das instituições que deveriam ser o depósito maior e soberano de nossas confianças; vemos a banalização da maldade; a deturpação mental acometendo nossas crianças e jovens; vemos adultos focados na ode ao corpo, na (des) harmonização facial e no distanciamento das responsabilidades. Estamos desarmonizados como indivíduos e como cidadãos. 

A tecnologia permite que todas as nossas ações (ou inações) sejam transformadas em dados. Somos lidos como rótulos de um QR Code. Tudo está filmado, registrado e rastreado e nós somos os dados. 

Infelizmente, o que deveria ser rejeitado veementemente é vorazmente consumido pelas pessoas: as notícias e informações (fakes ou não) que escancaram a violência humana e a deturpação dos serviços das instituições. O apodrecimento social é conteúdo que movimenta audiências gerando então monetização.  

Na mídia, nas redes sociais e/ou nos inúmeros possíveis meios de acesso aos conteúdos está difícil distinguir o que é verdadeiro ou falso; o que é manipulação ou oferta para opinião. A tecnologia é meio. A mídia é meio. A conexão total e viciante aos assuntos mórbidos é moda. 

Estamos virtualizados num mundo que inexiste ou estamos num mundo que existe e estamos aprisionados confinados ao bombardeio de notícias e exposições das barbáries humanas, espetacularizadas e, então pelo medo, vemos tudo isso e desejamos “fugir”. 

Ouço: “é o que o público quer”; “gosto de ver isso porque é a verdade e mostra a cara de quem fez”; “no meu bairro é assim mesmo”; “olha fulano de tal que é filho de tal pessoa….vizinho nosso…” 

Armas, mortes, corpos e sangue. Todo dia sem refresco. Agressões contra mulheres, homossexuais, religiões, um torcedor de outro time, um professor ou mesmo um pobre e desgraçado morador em condições de rua. Tudo é mostrado de forma crua, repetidamente e narrado por vozes salvadoras e  indignadas. 

Para quem não sabe, bandidos filmados e pegos em operações policiais viram celebridades em suas bolhas. Eles riem. A mídia não cumpre seu papel essencial ao banalizar e espetacularizar o mal. Não é fácil fazer a inflexão dessa rota pois, de fato, “gera audiência” e atrai anunciantes. Como assim? Atrai quem financia a Ode ao conteúdo do mal? Empresas, empresários que compram apenas audiência não estão vendo que essa é uma forma de degradar ainda mais a sociedade. 

É preciso dar um basta. Estamos reféns desse roteiro do ódio, da violência e da “desnatureza”.  Chega de influencers do nada existencial. É preciso mudar e quem tem propósito verdadeiro deve apoiar e se irmanar na inflexão necessária dessa rota destrutiva. Os líderes de audiências estão reféns das narrativas do mal. A sociedade está esgotada, não aceita mais. Ninguém aguenta mais e é impossível projetar o limite a que se chegará pela audiência. 

O dever chama: parar enquanto ainda há chance. A mudança dos editoriais nacionais no dia fatídico da creche de Santa Catarina mostrou que a mídia potencializa e gera gatilhos. Cobrar e relatar a verdade, ainda que brutal, é dever da imprensa. Celebrizar a delinquência e o deliquente é irresponsável. Que ao menos haja temperança promovendo o Bem, os bons exemplos e servindo melhor nossa carente sociedade. Mídia é meio e não “fim”. Apesar de tudo, ainda é você, cidadão, que escolhe o que ver, ler, ouvir e assistir. Se o mal entra em sua casa por conteúdos de baixo calão e que incitam o consumo de drogas, banalizam o ato sexual e colocam as mulheres em posições de vulgaridade e inferioridade, mesmo com ampla oferta de opções essa ainda é uma opção sua. Ainda é possível escolher. 

Por uma cultura de paz e de melhores escolhas pelo caminho do bem.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

João Gomes

João Gomes

Colunista

Superintendente do Grupo Aratu de Comunicação

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado