De olho em 2020

jun/2019

Enquanto costuras políticas desenham o quadro de candidaturas para 2020, profissionais envolvidos com as eleições ainda batem a poeira das roupas por conta da rasteira de 2018. Afinal, “nunca antes na história desse país” certezas convencionadas estiveram tão na berlinda. Só para refrescar a memória, um exemplo emblemático: Alckmin com a metade de todo o tempo disponível na TV e atendido por uma equipe experiente, acabou quase  atrás do Cabo Daciolo. E assim foi pelo Brasil inteiro, surpresa atrás de surpresa.

O ano que vem promete. Vai ser a nossa primeira eleição depois de uma dolorosa quebra de paradigma. A se confirmar a promessa do Big Data, tudo se resolverá nos algoritmos e nas redes sociais. Robôs vão decidir o destino das candidaturas em mais de 5 mil municípios. Vamos precisar de pesquisas qualitativas? Para quê? Basta varrer os grupamentos de interesse nas redes e teremos um panorama do pensamento do eleitor. Tudo num clic, muito mais barato do que bancar o deslocamento de equipes por esses rincões afora. Com a vantagem de que essas mesmas pessoas receberão diretamente as nossas mensagens, “conversando” especificamente com seus posicionamentos.

Perfeito. Profissionais de marketing e de pesquisa estão todos dispensados. Inclusive, os redatores, pois os robôs já estarão programados com o texto exato para quebrar a resistência de qualquer argumento contrário. Tudo com uma precisão matemática. Enfim, o sonho dourado de qualquer candidato. Só uma perguntinha: e se todos os candidatos de todos os partidos contratarem esses robôs, o que acontece? Tudo indica que teremos o mais espetacular empate da história das eleições.

Esse panorama ficcional não é novo, apenas se sofisticou. Mas o princípio que rege seu apelo não é muito diferente das fitas VHS que eram vendidas pra gente fazer ginástica em casa. Em tese, decretariam o fim das academias e o desemprego dos personal trainers. Só que não. Pois quanto mais absolutos tentamos ser na compreensão da diversidade humana, paradoxalmente mais limitados nos tornamos em termos de informação. Por uma razão muito simples: o robô identifica valores passíveis de se converter em dados precisos, descartando (por não “enxergar”) os meios tons e as instabilidades do pensamento. Em momentos como em 2018, em que se estabeleceu uma polarização radical, pode funcionar por ser uma circunstância à feição da “matemática”: esquerda ou direita, preto ou branco, Bahia ou Vitória. 2020 deve ser diferente.

O radicalismo já terá sido avaliado. Algum bom senso voltará à tona. Só uma conversa olho no olho, portanto, será capaz de identificar o padrão das pré-disposições e todas as suas nuances. E, quem sabe, a máxima da pensadora alemã Hanna Harendt, será lembrada: “a única coisa que todos temos em comum é sermos todos diferentes uns dos outros”.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado