Entre Fatos e Sentimentos

jul/2023

Por que existem momentos em que você acredita que nem vale a pena falar?

Para decidir o que falar, avaliamos os ganhos e perdas. Tudo isso é automático e nem percebemos que selecionamos nossas falas. Viver sempre no modo “selecionar as falas” é desgastante e gera insatisfação. Por isso os papos no bar são gratificantes.

Num bar, dependendo do momento, você liga pouco o botão “selecionar as falas”. Nem encontra mais o botão. Mas na reunião de apresentação de resultados para a diretoria, em um ano de crise, o botão estará sempre ativo.

“A relutância por falar ideias relevantes ou questionamentos no ambiente de trabalho é frequentemente atribuída à preocupação dos colaboradores sobre as consequências pessoais”. É o que afirmam os professores Amy C. Edmondson, da Universidade de Harvard e James R. Detert, da Universidade de Cornell, no artigo Implicit Voice Theories: Taken-for-Granted Rules of Self-Censorship at Work (“Teorias de Voz Implícita: Regras Dadas por Pressuposto de Autocensura no Trabalho”). Falar em publico e estar preocupado se seu discurso poderá trazer consequências negativas são reflexos da ação das vozes implícitas que os autores pesquisaram.

É importante saber que o cérebro é uma maquina de sobrevivência. A ordem é sentir primeiro e pensar depois, é o instinto de preservação agindo. Por exemplo: ao escutarmos um barulho de freada próximo ao nosso carro, entramos em estado de alerta – primeiro vem o sentimento e depois o pensamento.

Entre fatos e sentimentos, o sentimento carrega um peso maior. Por isso, selecionamos as nossas falas em função da percepção de ganho ou perda que temos do histórico de nossas vidas em ambientes diferentes.

O sociólogo Peter Berger, em seu livro Perspectiva Sociológica, comenta que em cada ambiente é criado um conjunto de regras que moldam as nossas ações, preferências, expectativas e atitudes intimamente ligadas ao papel que cada um de nós assume na sociedade.

Fica evidente que atuamos com um repertorio de papéis em locais diferentes. Atuamos em cada cena específica de acordo com o nosso papel no momento e os outros personagens são esquecidos enquanto durar a cena.

Portanto, é importante entender o seu limite de ação ao buscar melhorar sua vida profissional. Saiba que poderá mudar o script do seu personagem e a peça em que prefere atuar. Busque o melhor de si em ambientes que fazem o ser humano, ser humano.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Roberto Camanho

Roberto Camanho

Colunista

Professor e Coordenador do Hub de Inovação do curso de Administração da ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing. Mestre em gestão de inovação e engenheiro mecânico. Especialista em processos decisórios.

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Não aperte a minha mente: saúde mental em tempo de urgência

O tempo está passando muito veloz, a velocidade é o novo valor,  virou uma commodity, a regra do quanto mais rápido melhor se consolidou. Não apenas comemos fast food, como também escutamos música e recados no WhatsApp de forma acelerada. E há quem assista filmes em...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado