ESG no metaverso: soluções da Web 3 para que as empresas gerem impacto positivo

set/2022

O ambiente corporativo é sempre muito dinâmico e impactado por diferentes tendências, que, por vezes, vemos de maneira estanque. Agora, por exemplo, todas as grandes corporações estão levando em consideração o ESG e o metaverso em suas estratégias. Mas será que estão vendo como estes dois fenômenos se conectam? 

Provavelmente não, e neste texto quero jogar luz nas soluções que a Web 3, a web do metaverso, oferece para o ESG.

Relembrando, ESG é uma sigla que em inglês se refere a Meio ambiente (Environment), Social e Governança, e representa um conceito de gestão em que as empresas precisam gerar, além do resultado financeiro, um impacto ambiental e social positivos, bem como ter práticas de governança que busquem a perenidade do negócio, que incluam minorias nos processos decisórios e que não coadunem com práticas de corrupção.

A Web 3 é a internet descentralizada, baseada na tecnologia de blockchain, que aumenta a confiabilidade das transações, garante a liberdade dos usuários, permite o compartilhamento de valores sem a necessidade de intermediários, o que possibilita a construção de mundos virtuais, os metaversos.

Vamos agora ver como ESG e Web 3 se conectam. Focando na questão ambiental (o E do ESG), há protocolos e empresas da Web 3 focadas na tokenização e transação de créditos de carbono, por exemplo. 

Posso citar o caso da Moss, que vende direitos de emitir CO2 para empresas que precisam, e usa a receita gerada por esta venda para financiar projetos de preservação e reflorestamento na Amazônia. Tudo isso usando a tecnologia inviolável da blockchain (é impossível fraudar o processo de neutralização de carbono feito por eles).

Outro exemplo é a Polen, que auxilia empresas a cumprir a Lei de Resíduos Sólidos ao cuidar da logística reversa de bens recicláveis. A empresa coleta os itens, tokeniza isso e vende estes créditos às empresas. Novamente, a blockchain garante que todo o processo é inviolável. Numa linha similar há a Detrash, que recolhe lixo dos oceanos, os tokeniza e vende os créditos para empresas que queiram ajudar a limpar os mares.

Endereçando o S do ESG, a Play4change ensina jovens de comunidades carentes a jogar os games play to earn, ou seja, jogos que pagam para jogar. Usando celulares de baixo custo, estas pessoas se divertem enquanto geram uma renda extra, por vezes maior do que sua atividade de trabalho principal. Ainda focada em aspectos sociais, a Impact Plus oferece capacitação e mentorias para que pessoas de baixa renda aprendam sobre blockchain e possam atuar nesta indústria. Um outro exemplo é a venda de NFTs de impacto feita pelo Mercado Bitcoin recentemente: obras de arte foram tokenizadas, vendidas na plataforma e a receita financiou projetos sociais.

Por fim, chegamos ao G do ESG, a governança, e aqui a Web 3 tem a oferecer as DAOs. Estas são organizações autônomas descentralizadas, que definem regras de funcionamento, distribuem tokens de governança e usam a tecnologia de blockchain para garantir que as regras serão cumpridas. 

Esta estrutura tem permitido a colaboração de pessoas que não se conhecem ao redor do mundo, pois a confiança no protocolo blockchain as deixa à vontade para colaborar.

Há DAOs com diferentes propósitos. A brasileira Alma DAO é uma associação de empresas interessadas em fomentar o desenvolvimento da Web 3. A Black Leaders DAO busca formar uma geração de lideranças negras para o mundo cripto. A MakerDAO oferece serviços financeiros descentralizados e é gerida como uma DAO. 

Pode parecer que a Web 3 e o ESG são assuntos que não se tocam, mas, como mostrado acima, há muita relação entre eles. Empresas tradicionais podem buscar no mundo cripto parceiros para auxiliá-las a diminuir seu impacto ambiental, ampliar seu impacto social e entender o funcionamento da DAO para aprimorar sua governança. 

Cabe a nós, profissionais da inovação, enxergar a floresta (o ecossistema geral) e não cada árvore isolada (cada tendência) e auxiliar nossos clientes a aderir às oportunidades que façam sentido aos seus negócios e tenham impacto positivo na sociedade. 

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Lucas Reis

Lucas Reis

Colunista

Presidente da ABMP, CEO da Zygon e Doutor em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado