Espiritualidade e competição no mundo corporativo

fev/2019

Recentemente, no centro espírita, vivi experiências que me levaram a refletir sobre como nossos espaços vão sendo estabelecidos na dinâmica das relações do mundo corporativo.

Aos que não sabem, é práxis, ao fim da doutrinária, a distribuição de copinhos d’água fluidificados aos participantes. É um momento importante para todos os que buscam ajuda ali.

Cena1

Algumas pessoas afoitas perseguem seus copinhos, receosas de não serem em números suficientes e não os receberem.

“Cada um por si e Deus por todos” – olhos competitivos confessam.

Observo a cena e lembro-me que semanas antes era eu a fazer mirabolantes projeções matemáticas, tentando antever se os copinhos seriam suficientes. Depois de algumas idas e de ver que os copinhos chegavam para todos, me convenço que bastaria esperar e que a minha vez chegaria.

“O que é do homem o bicho não come” – pragmaticamente, entendi.

Fazendo uma analogia simples com o mundo do trabalho, hoje entendo que gastar energia contando copinhos é o mesmo que acreditar que seremos “o escolhido” em uma vaga muito disputada, se ao invés de 100 tivermos 70 concorrentes. Obviamente não serão esses “menos 30” que mudarão o resultado. Contar copinhos é desperdiçar preciosa energia e nos desviar do essencial: o nosso preparo.

 

Cena2

Vejo o salão muito cheio e volto a me inquietar diante da possibilidade de ficar sem a água.

“Calma. Tudo chega na hora certa”, penso.

E me acautelo: “Se estivermos preparados no momento em que a hora chegar” – e volto assim à concentração.

Como em muitos momentos na vida, sentir-se preparado é fruto de uma atitude perante a vida contínua e perpassa por valer-se do melhor em nós – o que exige clareza de desígnios, dedicação e um tanto de crença de que da vida obtêm-se o merecido. Se sentir assim, traz uma serenidade e confiança que muitos chamariam de “paz de espírito”. Eu chamo também de consciência em paz – o que muito me ajudou em todas às vezes na vida em que fui a escolhida e, principalmente, nas quais não fui.

 

Cena3

Do fundo do salão vejo a bandeja se aproximar com 3 copinhos, mas somos 4 pessoas a esperarem sua vez. Em algum outro momento da vida, talvez me adiantasse para garantir o meu. Mas instintivamente recuo, de modo que a equação insolúvel não causasse constrangimentos.

“Não era para ser meu.” – penso.

Em seguida, me ocorre também que provavelmente aquelas pessoas necessitavam mais do que eu daquela água e que o acontecimento teve o seu fluxo correto.

“Deus sabe o que faz” – confio absolutamente tranquila e convencida.

E me preparo para voltar para casa, constatando que o que tanto já tinha me preocupado, naquele momento, já não tinha a menor importância. Estava inteira, íntegra e certa de que não é “o outro” que nos dá ou tira nada. Nem a paz, nem a vaga, muito menos o cliente.

 

Cena4

“Espera! Vimos que ficou sem água.” – alguém grita lá de dentro quando já estava para sair do salão.

“Não tem problema”, respondo.

“Temos garrafas separadas aos médiuns. Gostaríamos que levasse uma. É uma água especial.”

“Mas não sou médium”, digo.

“Mas é merecedora.” – retruca.

Segura do meu espaço no mundo e do quanto esse espaço está relacionado às minhas próprias atitudes, me retiro fortalecida e um tanto emocionada. Finalmente entendo que a real entrega à verdade que carregamos dentro de nós e ao que nos propomos fazer, aliada à verdade dos nossos propósitos definem nosso lugar ao sol. É um pacto da gente, com o melhor da gente e nada tem a ver com disputar com as outras pessoas.

Ainda que no mercado de trabalho a competição de pessoas por vagas e de empresas por clientes, sempre esteja em jogo, não será fazendo do outro um rival que conquistaremos o nosso espaço. Isso não constrói carreiras, muito menos reputação. É na lapidação do humano, acolhendo e enxergando generosamente as pessoas e trabalhando duro pelo nosso melhor que o mercado naturalmente nos enxergará e buscará.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br
(Adaptação do artigo originalmente publicado no Jornal A Tarde)

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado