Gutenberg e sua startup no século 15

jun/2019

Estou fascinado com a história de Johannes zum Gutenberg (1396-1468), o célebre inventor da imprensa, ele encarna um case de inovação disruptiva em pleno século 15. O inquieto metalúrgico de Mainz, Alemanha, tinha garra de empreendedor e contava com um empréstimo para transformar seus insights em ideias e projetos. Habilidoso no manejo de metais, chegou a ser ourives, sem abandonar o trabalho com ligas metálicas com as quais fazia molduras de espelhos que, naquela época, valiam muito. 

Era obcecado pela reprodução de gravuras e xilogravuras nos moldes orientais, muito em voga na Europa daquele século, mas a mecânica chinesa de impressão se baseava em madeira e Gutenberg queria trocar madeira por tipos de metais e, avançar mais ainda, com a impressão de textos. Criou uma liga flexível à base de chumbo e estanho e outros metais com a qual manufaturou os tipos moldáveis de letras e, no ano de 1450, conseguiu imprimir cópias de um poema em alemão, marcando historicamente a descontinuidade com os processos anteriores.  

Sua ambição era imprimir toda a Bíblia, o Livro dos Livros. Para tanto, montou uma startup com 25 parceiros, conseguiu apoio de um investidor da cidade e enfrentou três anos infernais de incerteza, frustração e conflitos, num percurso bastante familiar aos empreendedores de hoje em dia. Finalmente, em 1453, concluiu a denominada Bíblia de Gutenberg que rompeu com o ciclo das cópias feitas manualmente pelas mãos de monges. Foram impressas 180 Bíblias e comercializadas a peso de ouro. Tornaram-se um item exclusivo para nobres e poderosos de sua época e um negócio promissor que gerou um lucro exorbitante. E começou a rodar sua startup

Logo novas gráficas se espalharam numa velocidade exponencial e disseminaram cópias da Bíblia, livros de literatura e obras científicas por toda a Europa. Não tardou para Gutemberg começar a numerar as páginas, facilitando a impressão de trechos, o que facilitou a difusão da medicina, por exemplo, com as trocas de material impresso entre pesquisadores. 

Se antes uma cópia ornada com iluminuras do Evangelho exigia o sacrifício de anos a fio de monges nos claustros, a tecnologia emergente de Gutenberg se descolava do antigo processo e design e passava a entregar os livros numa velocidade inédita e exponencial. 

Na mesma velocidade exponencial as teses reformadoras do cristianismo do frei Martinho Lutero se disseminaram pelos quatro cantos da Europa, lançando as bases do protestantismo. Sim, Lutero hackeou Gutenberg e foi graças a sua tecnologia emergente e inovadora que concretizou seu propósito. Hackear é um neologismo do universo cultural das startups e significa inventar um caminho novo para chegar em algum lugar. Não tem nada de ilegal, nada de invasivo quando dizemos que Lutero hackeou Gutenberg. Tem a ver com mapear direito um problema e pensar numa solução para resolvê-lo.  Todo dia é dia da gente se hackear. 

Sem a nova tecnologia, a Reforma Protestante não se espalharia pela Europa nem os livros de autores como Martinho Lutero e Erasmo de Roterdam se tornariam best-sellers e alcançariam centenas de milhares de pessoas na época de seu lançamento, instigando corações e mentes. 

A inovação de Gutenberg serviu de lastro para a difusão da Reforma e se desdobrou em outras explosões culturais e sociais. Todas elas nos permitem compreender o que vem a ser o fenômeno da aceleração exponencial dos nossos tempos.  Em 1620, o filósofo inglês Francis Bacon chegou a afirmar que a impressão tipográfica tinha mudado o rosto e estado de coisas em todo o mundo, associando-a ao trio imprensa-pólvora-bússola.

No espaço de cinquenta anos, desde sua primeira impressão, a Bíblia de Gutenberg havia ultrapassado a quantidade de material que os monges produziram antes, ao longo de séculos de cópias manuais. 

Com a quantidade de livros disponibilizada no mercado – e em diversas línguas – impulsionou-se mais mudanças na cultura: o aumento de bibliotecas e o crescimento do número de pessoas desejosas de saber ler e escrever.

A tecnologia de Gutemberg decretou muitas descontinuidades. A disseminação dos livros favoreceu a propagação de ideias e a crescente relativização dos valores hegemônicos da Igreja da época. O antropocentrismo hackeou espaços do teocentrismo e a população de alguns países da Europa se hackeou numa bela Renascença. 

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.
Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado