Hora de “chamar a responsabilidade”

abr/2019

Vemos em curso a lógica da campanha transplantada para a lógica do governo. Com seus tweets e declarações, Bolsonaro mantém o país dividido, jogando para a sua torcida.  Como estratégia para salvaguardar acesa a dinâmica da polarização, tem sido bastante eficiente. Afinal, a comunicação orientada às redes sociais tem por base mobilizar afetos, mantendo assim, o seu público (fiéis) excitado permanentemente e comportando-se como se em campanha ainda estivéssemos. A formação de opinião navega na troca agressiva de acusações sustentada por discursos que dispensam fatos, em meio a um bombardeio de versões desencontradas de assuntos diversos, onde qualquer dissenso, surpreendentemente, parece implicar na anuência com o seu oposto, atestando a superficialidade do pensamento vigente. É a tendência infantil de não admitirmos ser contrariados. É a pós- verdade se impondo através desses receptores impermeáveis a tudo que os contradizem.

A atitude do Presidente, que deveria servir de modelo para que o padrão de relacionamento entre os brasileiros voltasse a um equilíbrio, só atiça as torcidas. Deveria ser sua missão, juntar os cacos de uma nação que extrapolou os limites do bom senso no empenho de elegê-lo ou de não elegê-lo. Já está mais do que na hora dele entender que a campanha acabou e deveria ser lembrada como um dia de clássico no futebol, em que não se economizou o pior palavreado e se provocou o adversário sem dó, e que agora, jogo terminado, tendo perdido ou ganhado nosso time, nos toca ganhar a vida. É hora, portanto, de abrandar o tom que acirra adversários e abraçar o regulamento.

Precisamos de um Presidente adulto, focado em promover estabilidade e que compreenda que seu comportamento, como estratégia de governabilidade, racha a nação e desvia-o do foco ao ter que permanentemente refutar crises fabricadas por polêmicas declarações, quando deveria estar ocupado em estimular pautas positivas.  

Quanto a nós, importante tentar entender a encrenca na qual nos metemos com esse diálogo de surdos. A questão agora não é quem errou mais, mas encarar as contradições de ambos os lados para romper com essa espécie de alucinação coletiva. Sem esse necessário desencanto, não conseguiremos atingir o amadurecimento político para suplantar os obstáculos.

Acabou o Fla x Flu, acabou o Ba-Vi, acabou o Grenal. Daqui pra frente, a catimba, a cera técnica, o gol com a mão, a entrada faltosa, a pressão no juiz e o gesto malcriado pra torcida adversária já não têm mais lugar. Agora, Bolsonaro e seu time precisam começar a jogar pelos vinte e dois em campo e pelos torcedores do estádio inteiro. E, como dizem os craques “chamar a responsabilidade”. E quanto a nós, cabe abrir espaço para o divergente. Afinal, quem só corre atrás do rabo não avança para frente.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br
(Publicado originalmente no Jornal A Tarde)

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

Consumo insustentável na sociedade do excesso

Recentemente, fui convidado pelo Instituto Multiversidad Popular, em Posadas, na capital da Província de Missiones, na Argentina, para falar para os alunos de curso de pós-graduação. A missão da “Multi”, como a instituição é carinhosamente conhecida, é difundir...

ler mais

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

junte-se ao mercado