Mais do que processos, ferramentas e tecnologia, gente é a chave para inovação numa corporação.

out/2022

A evolução tecnológica vem ganhando cada vez mais velocidade, da invenção do telefone no final de 1800 até o primeiro computador foram 70 anos, daí até o primeiro computador pessoal, o Apple I lançado em 1976, foram mais 30 anos. E em pouco mais de 20 anos saímos da internet discada para uma realidade de trabalho remoto, metaverso e web 3.0. Com a evolução da tecnologia cada vez mais acelerada, qual o real diferencial que uma empresa pode oferecer para o mercado? Patrick Lencioni abre seu livro Os 5 desafios das equipes dizendo que “Não são as finanças. Não é a estratégia. Não é a tecnologia. O que continua resultando em maior vantagem competitiva é o trabalho em equipe”. E como potencializar o trabalho em equipe em um ambiente de atualização constante?

Indo além das metodologias de trabalho que surgem a cada dia, novos modelos de acompanhamento de metas,  KPIs e OKRs, um caminho possível para o sucesso da transformação digital nas empresas surge das reflexões do mesmo autor, no que ficou conhecido como a pirâmide de Lencioni, onde a base para qualquer trabalho em equipe é a confiança. Em um time onde a confiança é a base da relação, todos os integrantes se sentem confortáveis em debater ideias e tendo participado desse debate é natural que as pessoas se comprometam com as decisões e os planos de ação que foram determinados. Nesse ambiente surge a colaboração para que todos remem na mesma direção e alcancem os resultados de forma coletiva.

Na liderança de equipes multidisciplinares, onde o líder não terá, obrigatoriamente, o mesmo nível de conhecimento técnico do restante da equipe, a confiança se torna peça fundamental do relacionamento. E como em qualquer relação, precisamos entender que é um caminho de duas vias, o líder precisa confiar que cada membro da equipe desempenhará o seu papel da melhor forma e a equipe também precisa confiar nos direcionamentos e decisões do líder. E aqui me vem em mente um trecho do livro Comece pelo porquê, onde Simon Sinek define que “grandes líderes têm a capacidade de inspirar as pessoas a agir. Eles oferecem um sentimento de propósito e pertencimento que tem pouco a ver com qualquer incentivo externo ou benefício que se possa obter. Quem lidera de verdade consegue criar uma legião de seguidores que não agem porque foram levados a isso, mas porque foram inspirados.”

Inspirar pode parecer um termo muito abstrato e distante do dia a dia, mas oferecer para equipe a clareza do porque algo deve ser feito e envolvê-los na decisão do como será a melhor forma de fazer contribui para a construção de uma relação de confiança e comprometimento com os resultados.

A jornada da inovação é absolutamente imprevisível e, numa viagem em que precisaremos definir o caminho enquanto andamos, é fundamental ter companheiros de viagem em quem confiamos, para que possamos rapidamente nos adaptar a cada novo obstáculo, usar a força da equipe para aproveitar oportunidades, e compor as habilidades de modo que a junção do time gere um valor maior que a soma dos resultados individuais.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Thalita Di Stasi

Thalita Di Stasi

Colunista

Diretora Executiva de Soluções da Zygon

Mais artigos

Consumo insustentável na sociedade do excesso

Recentemente, fui convidado pelo Instituto Multiversidad Popular, em Posadas, na capital da Província de Missiones, na Argentina, para falar para os alunos de curso de pós-graduação. A missão da “Multi”, como a instituição é carinhosamente conhecida, é difundir...

ler mais

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

junte-se ao mercado